Petrobras aumenta de novo gasolina, diesel e gás, colocando os caminhoneiros em pé de guerra

Nicola Pamplona  (Folha) e charge de Iotti (Gaúcha/ZH)

Em meio a questionamentos sobre a periodicidade de sua política de preços, a Petrobras anunciou nesta segunda (5) reajustes nos preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha, que subirão 6,3%, 3,7% e 5,9%, respectivamente.

É o primeiro aumento nos preços da gasolina e diesel da gestão Joaquim Silva e Luna, que assumiu a Petrobras no dia 19 de abril após conturbada troca de comando na estatal. A alta refere-se aos preços de refinaria e o repasse ao consumidor depende de políticas comerciais de postos e distriuidoras.

COTAÇÃO INTERNACIONAL – Os novos preços seguem a alta das cotações internacionais do petróleo e passam a vigorar nesta terça (6). O preço do diesel não era ajustado desde o início de maio, quando houve corte de 2,1%. Já gasolina e gás de cozinha foram alterados no dia 11 de junho —o primeiro para baixo e o segundo, para cima.

Segundo a Petrobras, o preço do gás de cozinha subirá R$ 0,20 por quilo, para R$ 3,60 (ou R$ 46,80) o botijão de 13 quilos. Já gasolina e diesel subirão R$ 0,16 e R$ 0,10 por litro, para R$ 2,69 e R$ 2,81. Os valores incluem impostos.

É o décimo-quinto aumento consecutivo no preço do gás de cozinha nas refinarias da Petrobras, após um período de queda no início da pandemia. Desde o início do governo Bolsonaro, o produto vendido pela estatal acumula alta de 66%.

ALTAS EM PLENA CRISE – A escalada no preço do botijão tem gerado debates no Congresso sobre a necessidade de subsídios à população de baixa renda, que tem apelado a lenha ou carvão para cozinhar alimentos diante da dificuldade para adquirir o gás de cozinha. Com a nova alta, o preço da gasolina nas refinarias acumulará alta de 46% desde o início do governo, considerando os impostos federais. Já o diesel terá subido 48%.

O anúncio dos reajustes ocorre após questionamentos no mercado sobre a política de preços da companhia, que começou a observar prazos mais longos antes de decidir por mudanças. Na sexta (2), a Ativa Investimentos publicou relatório apontando defasagem de 20% no preço da gasolina.

“Pelo que estamos acompanhando, tal reajuste não deverá ser dado pela Petrobras tão em breve, uma vez que a companhia tem esperado intervalos maiores para reajustar os preços”, escreveu o economista-chefe da Ativa, Étore Sanchez.

COTAÇÕES DISPARAM – Nesta segunda, pouco antes do anúncio da Petrobras, a Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis) havia calculado as defasagens em 12% na gasolina e 7% no diesel. A entidade lembrou que a última mudança no preço do diesel ocorreu há 66 dias.

Nesse meio tempo, as cotações internacionais do petróleo dispararam. O petróleo tipo Brent, referência internacional negociada em Londres, superou em junho a barreira dos US$ 75 por barril pela primeira vez desde 2018. Na sexta, a cotação estava em US$ 76,17.

“Se não houver o reajuste, será uma sinalização muito ruim para o mercado”, disse antes do anúncio o presidente da entidade, Sérgio Araújo. Após o reajuste, diz a Abicom, as defasagens cairão para 7% na gasolina e 3% no diesel.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O novo aumento ocorre num momento muito ruim, em que os caminhoneiros estão preparando nova greve nacional. A política de preços da Petrobras, introduzida pelo trêfego tucano Pedro Parente, no governo Temer. Tem objetivo de vender as refinarias da Petrobras, inclusive a Abreu e Lima, a mais moderna do mundo e que produz o melhor óleo combustível, utilizado pela Marinha dos Estados Unidos. (C.N.)

3 thoughts on “Petrobras aumenta de novo gasolina, diesel e gás, colocando os caminhoneiros em pé de guerra

  1. Por que temos que regular os preços dos nossos combustíveis de acordo com a cotação internacional, mesmo sendo para consumo interno ? Quem é que está levando dinheiro extra nessa operação ? Aposto que os mesmos de sempre: nossos políticos ladrões. O pior é que foram eleitos com os NOSSOS votos, visto que a maioria dos eleitores brasileiros é analfabeta e mal orientada. Até quando vão votar errado? Vai ser preciso levar quanto tempo a mais apanhando sem parar ?

  2. Não é necessário vender as refinarias da Petrobras, é só facilitar o ingresso de processadoras estrangeiras que assim permitiriam a concorrência, com a possibilidade de redução dos preços dos combustíveis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *