PF apura versão de Bolsonaro e pede informações sobre trocas em sua segurança pessoal a Augusto Heleno

PF apura se houve alguma dificuldade em trocas da equipe 

Aguirre Talento
O Globo

A Polícia Federal expediu um ofício pedindo informações ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) sobre as trocas na equipe de segurança pessoal do presidente Jair Bolsonaro e de seus familiares, para verificar se a versão de defesa de Bolsonaro no inquérito sobre interferências indevidas na PF é verdadeira.

Investigadores avaliam que, no vídeo da reunião de ministros do último dia 22 de abril, Bolsonaro manifestou vontade de trocar a Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro quando citou a necessidade de proteger familiares e amigos. Na frase do presidente, ele disse que teve dificuldades em trocar “segurança nossa no Rio de Janeiro” e complementou afirmando que agora iria efetivar esta troca.

COMANDO DA PF – A análise dos investigadores do caso é que era uma referência à troca no comando da PF do Rio, mas Bolsonaro e seus ministros argumentaram que ele se referia à sua segurança pessoal.

Para apurar se a versão do presidente é verdadeira, a PF pediu ao GSI informações detalhadas sobre todas as trocas feitas na equipe de segurança de Bolsonaro e de seus familiares, incluindo se ele já teve dificuldades para mudar nomes da equipe. O ofício foi destinado ao ministro Augusto Heleno, titular do GSI, nessa quinta-feira.

TROCAS DE COMANDO – No pedido de informações, a PF solicita que o GSI informe todas as trocas de comando na chefia da segurança pessoal de Bolsonaro e todas as trocas de comando na chefia do escritório do GSI no Rio de Janeiro. Pede ainda que seja informado se houve alguma dificuldade para trocar ou nomear pessoas escolhidas para a equipe de segurança pessoal de Bolsonaro e de seus familiares.

Um último ponto chamou atenção dos investigadores e também se tornou objeto de questionamento. Bolsonaro citou a necessidade de proteger não apenas familiares, mas também amigos, e não existe previsão legal para que o governo federal forneça segurança para amigos do presidente –apesar de a lei permitir que sejam fornecidos serviços de segurança para alguns membros do alto escalão do governo.

Por isso, no último questionamento, a PF pede ao GSI que informe se o órgão realizou segurança para amigos do presidente ou outras pessoas que não estão enquadradas na previsão legal, o que poderia significar alguma irregularidade. Na resposta, o GSI deve fornecer provas documentais sobre essas trocas e indicar eventuais testemunhas sobre os fatos.

VERSÃO – Na semana passada, o “Jornal Nacional” revelou que Bolsonaro fez diversas trocas na sua equipe de segurança pessoal meses antes daquela reunião do conselho de ministros, na qual havia afirmado que teve dificuldades para trocar sua “segurança” no Rio. Bolsonaro promoveu no final de março o então diretor do Departamento de Segurança Presidencial e colocou o seu número 2 no lugar.

Entre as funções desse departamento, que é vinculado ao GSI, está zelar pela segurança pessoal do presidente da República, do vice-presidente e dos seus familiares. Esse órgão era ocupado até o final de março por André Laranja de Sá Corrêa. Entretanto, no dia 26 de março ele foi promovido a general de brigada e foi transferido para o comando da 8ª Brigada de Infantaria Motoriza do Exército, localizada em Pelotas (RS).

PRERROGATIVA – A promoção de oficiais-generais é prerrogativa do presidente da República e deve ocorrer de acordo com o mérito. O cargo atualmente ocupado por Sá Corrêa é importante dentro da estrutura do Exército e já foi ocupado pelo atual ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

Para o lugar de Sá Corrêa, Bolsonaro colocou Gustavo Suarez, que até então era diretor-adjunto do departamento. Bolsonaro também fez uma terceira mudança na estrutura da segurança. Em 28 fevereiro, menos de dois meses antes da reunião, Bolsonaro trocou o chefe do escritório do Rio. O coronel Luiz Fernando Cerqueira foi substituído pelo tenente coronel Rodrigo Garcia Otto.

5 thoughts on “PF apura versão de Bolsonaro e pede informações sobre trocas em sua segurança pessoal a Augusto Heleno

  1. Mais do mesmo … reportagem redigida pela Central da Difamação, uma estrutura montada pelos golpistas virulentos para atacar, difamar e demonizar o Presidente da República. Tais notas são caracterizadas pela falta de concatenação entre os assuntos e pela repetição exaustiva das mentiras anteriormente publicadas. Por exemplo: começa falando da PF, salta para a troca de comando do GSI e rodopia para a promoção de um oficial do EB … tudo recheado um por bla-bla-bla insosso, cansativo e repetitivo.
    É de dar dó!

  2. Bolsonaro, após reclamar da nota de falecimento da PRF lamentando a morte do policial rodoviário federal por coronavírus, semanas atrás, resolve trocar o comando da Polícia Rodoviária Federal, exonerando o seu Diretor-Geral

  3. Uma situação de alguma maneira gerada por Bolsonaro. Um ministro STF não eleito por ninguém criando problemas ao país. Desde o início destas situações Bolsonaro deixou qualquer “ze ninguem” entre com algum pedido contra prerrogativa do Presidente da República e “ministro com claro interesse politico” da decisão contra as Leis e a Constituição. O ministro em estado equânime ou sem enaquimidade pode fazer isso, porém “porque Bosonaro não se faz respeitar?”. Como alguém não eleito pode fazer algo contra governante eleito pela maioria dos brasileiros. Bolsonaro não somente tem que se fazer respeitar senão principalmente fazer respeitar a decisão da maioria do povo brasileiro.

  4. Boa tarde.

    Prezados Carlos Newton e Jorge Bejá e todos.

    Policarpo, antigamente me reportava mais ao Francisco Bendl, sinceramente nem li nada. Estou escrevendo vendo o vídeo vazado. Que Presidente, não pode esperar menos do que não falarmos com os nervos. Policarpo que cada um assuma sua posição, aliás, aqui cada um sabe de qual lado cada um está.

    Veja, ele citou a defesa de Magno Malta, e com certeza sabe a sua se for verdadeira, TCP-IP. Acredito que seja como a minha sempre apoiando o Presidente.

    O outro lado também já sabem de tudo e de todos, e espero sinceramente que depois de vazado o vídeo que em nada lhe comprometeu (Presidente), muito pelo contrário, foi de encontro à sua base eleitoral de hoje e há muito aumentada.

    A reação do governo Bolsonaro será outra a partir de hoje, até por encorajar os seus Ministros. Para aqueles que só começaram a mandar após o Todinho da mamãe, não conhece cobranças, principalmente juízes novinhos. Por isso que a sabedoria possui o seu poder também. Queiram me desculpar, que criancice do ex-juiz Sérgio Moro, nunca aprendeu a falar sim Senhor. Tomou todinho e virou juiz, sem experiência de vida alguma.
    Conheço um desembargador que sabe mandar nos seus assessores pois foi muito cobrado por metas no Banco do Brasil, seu antigo emprego. Moro deveria fazer um estágio de metas a serem cumpridas nas vendas do BB.

    Por ora chega, e talvez amanhã publique nos comentários, algo que preste diante destas avalanches de notícias que não fazem mais a cabeça de ninguém.

    Juro, me sinto bobo de as vezes comentar aqui, pois acreditava que o Editor pudesse melhorar o nível, pois não é ser de esquerda ou de direita, pois sabemos quem está por trás de tudo isso, mas seria apenas para que o povo ganhasse mais um pouco de sabedoria e cultura, mas a luta pelo poder impossibilita a estes propósitos.

    Talvez por não “conhecer”o verdadeiro jogo do poder fica replicando matérias em cima de matérias de uma imprensa que está cooptada. “Acredito” que o Editor não saiba ainda disso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *