PF constata envolvimento de Lobão e Barbalho na construção de Belo Monte

Os senadores Edison Lobão (esq.) e Jader Barbalho em reunião de comissão do Senado em fevereiro do ano passado (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Lobão e Barbalho são duas múmias intocáveis

Vladimir Netto e Mariana Oliveira
TV Globo, Brasília

Relatório elaborado pela Polícia Federal aponta indícios de que os senadores Edison Lobão (MDB-MA) e Jader Barbalho (MDB-PA) foram beneficiados com desvios na obra da usina hidrelétrica de Belo Monte, um dos maiores empreendimentos para geração de energia do mundo. Os agentes apontaram suspeita de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por parte dos parlamentares, investigados em um dos inquéritos da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal.

O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, defensor de Edison Lobão no caso, disse que tenta autorização de acesso ao relatório. Ele afirmou que, embora desconheça o teor do documento, acompanha a investigação e diz que não há elementos capazes de incriminar o senador.

“TRANQUILOS” –  “Estamos acompanhando a investigação e tranquilos em relação ao senador Lobão. Desconhecemos o relatório. Estamos tentando desde maio ter acesso, mas infelizmente mais uma vez disseram que não poderíamos ter”, afirmou o advogado.

O senador Jader Barbalho afirmou que o relatório é uma “leviandade” e uma “barbaridade” porque não tem nenhum fundamento relacioná-lo à obra de Belo Monte. “Nunca tive nenhum encontro sobre a obra e nunca recebi nada desta gente, nem telegrama de aniversário”.

 

Para o senador, quem assinou o relatório que o aponta como beneficiário de propina é “um irresponsável que está fazendo molecagem”. “Desafio quem quer que seja a apontar um ato contra mim”, afirmou Jader Barbalho.

PROPINAS – De acordo com a Polícia Federal, o objetivo do inquérito é apurar se houve pagamento de propina para políticos, embora a investigação também tenha apontado indícios de irregularidades no leilão de Belo Monte.

A suspeita é que as empresas responsáveis recebiam dinheiro público para executar a obra, e parte dos valores era desviada para pagamento de propina a políticos

O relatório da PF, concluído em maio, está atualmente nas mãos da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que poderá denunciar os parlamentares ao Supremo Tribunal Federal (STF) com base nas provas já coletadas. O relator do caso no STF é o ministro Luiz Edson Fachin.

MUITAS PROVAS – Além de depoimentos de delatores das empreiteiras Andrade Gutierrez e Odebrecht, investigadores identificaram e-mails, registros de entrada nos prédios, pagamentos registrados no sistema de pagamento de propina da Odebrecht – o Drousys – e informações sobre entregas dos valores.

Segundo a PF, também há indícios dos mesmos crimes por parte do filho de Lobão, Márcio Lobão, e do ex-senador Luiz Otávio Campos, aliado de Jader, que seriam os operadores da propina paga pelas empresas. Os dois foram alvos da Operação Leviatã, em fevereiro do ano passado, que recolheu provas para o inquérito.

O advogado Aristides Junqueira, que defende Márcio Lobão, afirmou que não teve acesso ao relatório e por isso não pode comentar. Segundo ele, no ano passado, quando foram autorizadas buscas envolvendo Márcio Lobão, foi uma operação descabida e baseada apenas na palavra de um delator.

LIGAÇÕES – Para a PF, há elementos que indicam que os parlamentares foram beneficiados.

“A ligação entre Luiz Otávio Campos e Jader Barbalho é indissociável, o que autoriza a conclusão, com base nos elementos já expostos, de que esse parlamentar, conjuntamente com Edison Lobão, estava por detrás das ações”, afirma o texto do relatório.

De acordo com o documento, os parlamentares “solicitaram, por seus emissários – e, ao que tudo indica, receberam – em concurso, vantagem indevida em razão da função pública que tinham”.

A Polícia Federal justificou no relatório o fato de não terem sido localizadas provas diretas contra os senadores. Segundo o documento, autoridades costumam utilizar terceiros para tratativas irregulares, sem atuar diretamente.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Os caciques do PMDB, tipo Lobão, Barbalho, Jucá e Renan, são escorregadios e sempre conseguem escapar. Vamos ver o que acontecerá desta vez. (C.N.)

4 thoughts on “PF constata envolvimento de Lobão e Barbalho na construção de Belo Monte

  1. O que vai acontecer desta vez? Serio? Mesmo depois de assistir um juizeco do STF de terceira categoria soltar o Dirceu, o senhor ainda nutre dúvidas?
    O pais está perdido: se o senhor quiser comprar dolar para dar um pulinho na Avenue des Champs-Élysées, desista – o dolar está acima de 4!

  2. Dois sátrapas multimilionáriose tidos como cruéis. Tanto no Pará quanto no Maranhão, ouve-se muitos relatos nefastos, quiçá protagonizados por ambas as figuras. Que a fortuna de um começou com sequestro e morte de garimpeiros que baburravam, e tinham o ouro roubado.
    O outro, quando Ministro da Minas e Energia teria traído os garimpeiros cooperados de Serra Pelada, para favorecer às multinacionais que assumiram a extração do minério precioso.
    Um homicídio até hoje misterioso: o deputado federal, Davi Alves Silva, assassinado em pleno exercício, lá no torrão e reduto eleitoral de Edison Lobão. Nesse período, as repetidoras de TVs maranhenses eram monopólios de Sarney/Lobão. Às redes de televisão nacionais não foram veiculada nenhuma nota. Se foi aberto algum procedimento investigativo, o desfecho não veio a público. O que se soube depois é que o parlamentar eliminado era um capo da pistolagem. E papo encerrado!

  3. Palavras do comandante do exército:
    “Quem interpreta que o Exército pode intervir é porque não conhece as Forças Armadas e a determinação democrática, de espírito democrático, que reina e preside em todos os quartéis.”

    Ser determinado a não participar da luta contra a corrupção não é uma boa imagem pára um general. Muitos podem pensar que ele não tem fibra (e fico por aqui para ser respeitoso).

    • Gown Toad, vou-lhe recomendar um reggae do saudoso astro jamaicano, Max Romeo: Stealing in Name of the Jah – Roubando em nome de Deus (no dialeto patois, rastafari). Ouça a “pedra” e sinta só a tradução.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *