PGR defende competência do governo federal para definir regras sobre isolamento e quarentena

Para Aras, lei geral não esvazia o poder de governadores e prefeitos

Márcio Falcão e Fernanda Vivas
G1

O procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou nesta terça-feira, dia 7, um parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) no qual defendeu a competência do governo federal na definição das regras gerais de isolamento, quarentena, restrição de transporte e trânsito em rodovias, portos e aeroportos.

Aras enviou o parecer ao STF porque o ministro Marco Aurélio Mello decidiu que estados, Distrito Federal e municípios também pode criar regras em meio à pandemia do novo coronavírus. O tema ainda será analisado em definitivo pelo Supremo.

EM ANÁLISE – Para a PGR, as medidas de combate à pandemia devem ser adotadas “de forma linear e coordenada em todo o território nacional”. O tema está em análise no STF porque o PDT questionou no tribunal uma medida provisória (MP) editada pelo presidente Jair Bolsonaro. A MP transferiu para os órgãos reguladores as decisões sobre restrições. Para o partido, o ato feriu a Constituição.

Nesta segunda-feira, dia 6, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou em uma entrevista coletiva que a população deve seguir as recomendações dos governadores. Segundo ele, cabe ao ministério dar os “parâmetros” das medidas.

ARGUMENTOS –  Para Augusto Aras, uma lei geral não esvazia o poder de governadores e prefeitos. “Tal conclusão não implica o esvaziamento do papel dos estados e municípios, nem o seu alijamento da participação na execução de ações e serviços de vigilância epidemiológica e controle do surto de Covid-19, no desempenho da competência material comum”, argumenta a PGR.

Na avaliação de Augusto Aras, deve ser afastada a tese de que uma norma geral viola a autonomia política e usurpa a competência de estados e municípios para cuidar da saúde. A PGR também diz que o Banco Central informou que 400 normas foram editadas por governadores e prefeitos, com o estabelecimento de condições diversas para os serviços essenciais.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGNota-se que a Procuradoria-Geral da República é bipolar – às vezes está de um jeito, outras vezes está de outro, mas sempre procura colocar em primeiro lugar os interesses do presidente da República, mas não é esta sua função constitucional. (C.N.)

49 thoughts on “PGR defende competência do governo federal para definir regras sobre isolamento e quarentena

  1. STF proíbe Planalto de suspender isolamento social nos Estados

    Decisão foi de Alexandre de Moraes
    Ação foi proposta ao STF pela OAB

    Enquanto os adultos trabalham, a criança birrenta Jair brinca no parquinho do planalto.

  2. “Nota-se que a Procuradoria-Geral da República é bipolar – às vezes está de um jeito, outras vezes está de outro, mas sempre procura colocar em primeiro lugar os interesses do presidente da República, mas não é esta sua função constitucional.”

    -Será que disseram a mesma coisa na época do Engavetador-Geral da República?

    “O então Procurador-Geral da República, Geraldo Brindeiro, teria engavetado 242 dos 626 inquéritos instalados até maio de 2001 e arquivado outros 217. Esses inquéritos envolviam 194 deputados, 33 senadores, 11 ministros e ex-ministros, e o próprio FHC. A mídia e o próprio Lula teriam dado uma força ao engavetamento.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *