Piada do Ano – Doleiros querem ficar com R$ 30 milhões de uma conta de Cabral

Resultado de imagem para doleiros charges

Charge do Amorim (amorimcartoons.co.br)

Italo Nogueira
Folha

Os doleiros Renato e Marcelo Chebar, que em colaboração premiada entregaram mais de R$ 300 milhões atribuídos a Sérgio Cabral (PMDB) em contas no exterior, pediram ao Ministério Público Federal permissão para ficar com cerca de R$ 34 milhões depositados numa das contas usadas pelo ex-governador. Eles afirmaram em petição à Procuradoria que a maior parte do dinheiro depositado num banco em Luxemburgo é, na realidade, recurso próprio. Os procuradores ainda avaliam o pedido.

Os irmãos Chebar relataram que todos os recursos de Cabral no exterior estavam em contas em seus nomes ou de parceiros. Uma das contas é a Bendigo, no banco Hapoalim, de Luxemburgo. Eles afirmam que a conta tinha no dia 23 de dezembro US$ 13,6 milhões, dos quais US$ 2,5 milhões pertenciam a Cabral.

Após celebrarem o acordo, os doleiros repatriaram US$ 4,4 milhões da conta em Luxemburgo. A defesa dos delatores afirmou que não poderia se pronunciar sobre o caso, em razão do sigilo do acordo.

VOLUNTÁRIOS – Os Chebar se apresentaram ao MPF em dezembro por temerem ser alvo de desdobramentos da Operação Calicute, que prendeu Cabral em novembro.

Após o primeiro contato, os irmãos já mudaram o volume de recursos existentes em ao menos uma conta. Inicialmente, afirmaram que o fundo Prosperity no banco LGT, da Suíça, tinha US$ 90 milhões em seus nomes, mas de propriedade de Cabral. Em janeiro, declararam que na realidade tratava-se de um fundo com outros cotistas, sendo eles donos de US$ 70,2 milhões.

DELAÇÃO AMEAÇADA – Procuradores afirmam que se detectada alguma informação falsa, o acordo pode ser desfeito. A defesa dos Chebar disse que “os colaboradores estão cumprindo os termos do acordo”.

Pelos termos, eles cumprirão pena de, no máximo, cinco anos e pagaram também uma multa de R$ 20 milhões com recursos próprios, que declararam não ter qualquer vinculação com o ex-governador. Esse dinheiro veio de uma conta no banco Julius Baer, da Suíça.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Os irmãos Chebar são um novo tipo de “voluntários da pátria”, que se apresentaram espontaneamente antes que fossem presos. As informações deles foram fundamentais, mas essa petição para separar R$ 30 milhões e considerar “recursos próprios” é digna de uma refilmagem dos “Irmãos Cara de Pau”, uma Piada do Ano sensacional. (C.N.)

7 thoughts on “Piada do Ano – Doleiros querem ficar com R$ 30 milhões de uma conta de Cabral

  1. Aonde chegamos: o poste ….no cachorro, bandido prende delegado e juiz, esposas “aquartelam” seus maridos policiais, vítimas e população pagam “indenização” aos agressores, ministros e políticos armam para vender nosso território para os chineses, ministros do Supremo e congressistas interpretam a LEI a seu conveniente modo e agora profissionais do DIREITO querem ser ressarcidos, recebendo sua parte do que foi desviado, comprovadamente roubado e o povo, inebriado, assiste e permite tudo isto. Quanta falta de vergonha. Estamos órfãos de líderes, de alguém que faça uma leitura de tudo e dê o GRITO DE ALERTA. Para onde iremos se continuar tal inversão de valores?

  2. Cometi um erro, queria me referir aos DOLEIROS. apesar de alguns profissionais do Direito me levarem a pensar que se beneficiam também de dinheiro tirado do povo. Mas esta não é minha praia, me faltam fundamentos para interpretar os limites éticos de um Advogado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *