Piada do Ano! Executivo da GE/Philipis era incentivador de “condutas éticas”

Speranzini , novo presidente da GE na America Latina. Personagem: Daurio Speranzini, presidente da GE na America Latina. Fotos: Claudio Belli/Valor/Agência O Globo

Speranzini sabe negociar com os políticos latinos

Joana Cunha
Folha

Daurio Speranzini Junior, o CEO da General Electric para a América Latina, preso nesta quarta-feira (4) pela Polícia Federal, é um executivo que sempre foi reconhecido pelos funcionários como um incentivador dos programas de ética e compliance, a área responsável por manter o cumprimento das leis dentro da multinacional. Na GE desde 2011, Speranzini Junior escalou a hierarquia rapidamente, apesar de ter sido demitido pela concorrente Philips no ano anterior “após investigação interna”, segundo informações da Procuradoria.

Procurada pela reportagem, a Philips não detalhou os motivos da saída do executivo. Já a GE não comenta o assunto. Em nota, a empresa exalta os 30 anos de experiência do profissional, sendo duas décadas na área de saúde.

BELA CARREIRA – Speranzini alcançou o cargo de vice-presidente comercial da GE em 2013 e foi nomeado para uma nova função de direção em 2014. Sua mais recente promoção para a vaga na presidência da operação latino-americana da multinacional aconteceu em novembro de 2017.

Naquele momento, as investigações decorrentes da Operação Fatura Exposta (que meses antes prendeu o ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes) já avançavam sobre o período em que Speranzini havia sido CEO da Philips até 2010.

Segundo a Procuradoria, ele “permaneceu realizando as contratações espúrias com o poder público” mesmo após assumir o comando da GE.

PARTICIPAÇÃO – Sobre o protagonismo de Speranzini nos assuntos relacionados a compliance na GE, a empresa afirma que todos os executivos que ocupam cargos de liderança na companhia, e não apenas ele, são convidados a participar de eventos com os funcionários sobre o tema.

Os investimentos da Philips e da GE na indústria de máquinas de saúde no Brasil avançaram nos últimos anos.

A divisão de saúde da GE comercializa equipamentos médicos de imagem, como mamografia e ultrassom, além de serviços como manutenção, para hospitais públicos e privados. A empresa expandiu sua carteira de clientes no país após iniciar fabricação nacional, em 2010, em Contagem (MG), com a produção de raio-X.

Desde então, a unidade progressivamente introduziu a produção de tomografias, arcos cirúrgicos, ressonâncias e adicionou a linha de ultrassom em 2014. O resultado foi uma expansão das vendas a hospitais fora do eixo Rio-SP.

PARCERIAS – No início de 2017, a Philips anunciou intenções de realizar parcerias público-privadas para atuar na gestão de hospitais públicos, além de parcerias com empresas de medicina diagnóstica para prestar serviços a governos como o que já vinha fazendo com o governo da Bahia desde 2015.

Também no ano passado, a empresa modernizou suas linhas de produção de equipamentos com ressonância e tomografia em Minas Gerais.

Procurada pela reportagem, a Philips não informa se a deflagração da operação da Polícia Federal terá impacto sobre sua estratégia de expansão no mercado de saúde pública no Brasil.

4 thoughts on “Piada do Ano! Executivo da GE/Philipis era incentivador de “condutas éticas”

  1. DEve ter sido um dos melhores alunos das aulinhas de Ética na Universidade de Tucanologia Ética, Bons Costumes e Honestidade em Paris….
    O Professor de Ética todos já conhecem…..

    A vontade de rir é enorme, mas a de chorar é maior ainda.

    Vive La France.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *