Piada do Ano! Governo acha que a Igreja vai liderar a oposição a Bolsonaro

Resultado de imagem para Janér Tesch Hosken

Hosken, diretor da Abin, alertou o governo federal

Tânia Monteiro
Estadão

O Palácio do Planalto quer conter o que considera um avanço da Igreja Católica na liderança da oposição ao governo Jair Bolsonaro, no vácuo da derrota e perda de protagonismo dos partidos de esquerda. Na avaliação da equipe do presidente, a Igreja é uma tradicional aliada do PT e está se articulando para influenciar debates antes protagonizados pelo partido no interior do País e nas periferias.

O alerta ao governo veio de informes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e dos comandos militares. Os informes relatam recentes encontros de cardeais brasileiros com o papa Francisco, no Vaticano, para discutir a realização do Sínodo sobre Amazônia, que reunirá em Roma, em outubro, bispos de todos os continentes.

AGENDA DA ESQUERDA – Durante 23 dias, o Vaticano vai discutir a situação da Amazônia e tratar de temas considerados pelo governo brasileiro como uma “agenda da esquerda”.

O debate irá abordar a situação de povos indígenas, mudanças climáticas provocadas por desmatamento e quilombolas. “Estamos preocupados e queremos neutralizar isso aí”, disse o ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, que comanda a contraofensiva.

Com base em documentos que circularam no Planalto, militares do GSI avaliaram que os setores da Igreja aliados a movimentos sociais e partidos de esquerda, integrantes do chamado “clero progressista”, pretenderiam aproveitar o Sínodo para criticar o governo Bolsonaro e obter impacto internacional. “Achamos que isso é interferência em assunto interno do Brasil”, disse Heleno.

ACOMPANHAMENTO – Escritórios da Abin em Manaus, Belém, Marabá, no sudoeste paraense (epicentro de conflitos agrários), e Boa Vista (que monitoram a presença de estrangeiros nas terras indígenas ianomâmi e Raposa Serra do Sol) estão sendo mobilizados para acompanhar reuniões preparatórias para o Sínodo em paróquias e dioceses.

O GSI também obteve informações do Comando Militar da Amazônia, com sede em Manaus, e do Comando Militar do Norte, em Belém. Com base nos relatórios de inteligência, o governo federal vai procurar governadores, prefeitos e até autoridades eclesiásticas que mantêm boas relações com os quartéis, especialmente nas regiões de fronteira, para reforçar sua tentativa de neutralizar o Sínodo.

OUTROS ÓRGÃOS – O Estadão apurou que o GSI planeja envolver ainda o Itamaraty, para monitorar discussões no exterior, e o Ministério do Meio Ambiente, para detectar a eventual participação de ONGs e ambientalistas.

Com pedido de reserva, outro militar da equipe de Bolsonaro afirmou que o Sínodo é contra “toda” a política do governo para a Amazônia – que prega a defesa da “soberania” da região. “O encontro vai servir para recrudescer o discurso ideológico da esquerda”, avaliou ele.

Assim que os primeiros comunicados da Abin chegaram ao Planalto, os generais logo fizeram uma conexão com as críticas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) a Bolsonaro durante a campanha eleitoral. Órgãos ligados à CNBB, como o Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e a Comissão Pastoral da Terra (CPT), não economizaram ataques, que continuaram após a eleição e a posse de Bolsonaro na Presidência. Todos eles são aliados históricos do PT.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Em matéria de teoria conspiratória, é a maior novidade da Abin, dirigida por Janér Tesch Hosken, que pretende demonizar a Igreja, como se ela fosse uma e indivisível. “Mas isso non ecziste”, diria Padre Quevedo, explicando que a Igreja tem mais correntes do que a Psicologia e a Pisquiatria, que atendem a todo tipo de desequilibrado. Na verdade, a Igreja está em grande decadência no país e não apita mais nada. Quanto aos indígenas, querem ser independentes, mas é apenas um sonho shakespeariano. Depois a gente volta ao assunto. (C.N.)

23 thoughts on “Piada do Ano! Governo acha que a Igreja vai liderar a oposição a Bolsonaro

  1. Acho que quando se diz igreja,neste caso específico, dever-se-ia referir à CNBB,pois ela ,sim ,fez e faz oposição. E lembrando que a CNBB é apenas um braço burocrátivo da igreja católica aqui no Brasil, não representa a igreja.. As ceb’s são outra bagunça , também,. Tudo sob o beneplácito da nefasta teologia da libertação,um engodo para os católicos mal informados que sequer sabem o que é o catecismo..(CIC)

    • O Padre polonês, Dr. Miguel Podarowsky expõe, com clareza, o envolvimento da Igreja com as esquerdas, a partir da infiltração dos “maquis” nos seminários, após à segunda guerra. Em que posições se encontram, hoje, os seminaristas daquela época? “A Gradual Marxistização da Teologia” é o título do livro.

  2. Ipojuca Pontes:

    A mídia amestrada noticia com insistência o deslanche do processo de beatificação e canonização de D. Helder Câmara, antigo arcebispo de Olinda e Recife falecido em 1990. D. Helder, reconhecido urbi et orbi como o “Arcebispo Vermelho”, foi secretário-geral e um dos fundadores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, a CNBB, uma espécie de ONG manipulada pelo comunismo internacional no seio da Igreja Católica para irradiar as propostas da decadente Teologia da Libertação, suprema pulha de apostatas declarados para subverter os valores espirituais do cristianismo.

    (Segundo documentos dos arquivos ultra-secretos do Kremlin tornados públicos pelo dissidente russo Pavel Stroilov, a Teologia da Libertação é uma trama macabra dos mentores da KGB, na Era Stalin, para infiltrar na Igreja Católica o vírus do velho materialismo histórico, este, por sua vez, uma mistificação do furunculoso Karl Marx. De todo modo, a Congregação para a Doutrina da Fé, instrumento da Santa Sé, representante central da Igreja, condenou a herética Teologia da Libertação e seus militantes pela pretensão descabida de eliminar a transcendência religiosa a partir do fomento à luta de classes).

    O atual arcebispo de Olinda e Recife, D. Fernando Saburito, outro militante da famigerada CNBB, empenhado até os ossos no processo de canonização, está nomeando uma comissão para ouvir pessoas que conviveram com o “Arcebispo Vermelho” e que possam falar de sua vida e trajetória. “Tudo será bem-vindo” – diz Saburito – “para que possamos juntar esse material e encaminhar para Roma daqui a um ano”. (Com o festivo Francisco como Papa, é bem possível que D. Helder vire santo, o santo do pau oco)

    De minha parte, digo que convivi um pouco com D. Helder no final dos anos 1960. Em Recife, ele mostrou-se interessado em ver um dos meus documentários, “Os Homens do Caranguejo”, que abordava o tema da luta pela sobrevivência no Nordeste. Logo no primeiro contato, tomei um choque. Quando D. Helder chegou atrasado para ver o filme, mandou um assessor reiniciar a sessão. Em seguida, já sob holofotes, assumindo poses com requinte de popstar, entrou na sala de projeção saudando a todos com acenos e riso escancarado – no que foi triunfalmente aplaudido por uma platéia constituída de estudantes.

    Depois da projeção, o arcebispo me levou para almoçar nos fundos da Igreja das Fronteiras, no Derby, transformada em sua residência particular. D. Helder era o que se pode chamar de “uma figura”. De início, associei-o ao “stariets” Zósima, o santo vivo de “Os Irmãos Karamazov”, de Dostoiéviski. Com o tempo, vi que estava equivocado: D. Helder não apenas cultivava a glória, mas queria o poder. De fato, um olhar atento veria que nele tudo era preconcebido. A batina branca surrada, o halo da falsa humildade, o sorriso forçado, o olhar súplice e, sobretudo, a voz adocicada.

    Ah, a voz de D. Helder! Seu tom floreado e macio encantava. Mas a cabo de minutos, além de aborrecer, pressentia-se que a usava como artifício para camuflar um orgulho doentio. A propósito, a tese infame de D. Helder era de que o sujeito nunca devia ser “orgulhoso de dentro para fora, mas de fora para dentro”. E acrescentava: “Para fora seja humilde, modesto. O orgulho interior Deus perdoa”.

    Depois daquele almoço o padre pegou um livro de sua autoria, “A Revolução Dentro da Paz”, e fez a dedicatória em forma de catequese: “Para o cineasta Ipojuca Pontes compreender o papel da busca da justiça pela paz”. E de passagem, sem perder o tom melífluo, apanhou uma edição do jornal “Le Monde”. Encenando surpresa, comentou como se lesse aquilo pela primeira vez: – “Aqui diz que D. Helder Câmara foi indicado mais uma vez para receber o Prêmio Nobel da Paz”. O homem não conseguia esconder a vaidade mórbida e anticristã.

    Em vida, o dramaturgo Nelson Rodrigues garantia que D. Helder só olhava para o céu para ver se levava ou não guarda-chuva. Para ele, o padre não tinha nenhum compromisso com o transcendental. Não passava de grotesco materialista que vivia para inocular na alma da pobre gente nordestina a crença fanática de que o regime da escassez planetária era um pecado estrutural do capitalismo. E cegando criminosamente para a fome que até hoje se abate sobre o povo cubano, eterna vítima da ditadura comunista dos Castro.

    Vade retro, Satanás!

    • A causa de tudo isso foi o não cumprimento do pedido da Virgem Maria feito à Lúcia em 1917, o de consagrar a Rússia a seu Imaculado Coração. A recusa, faria o comunismo se espalhar pelo mundo. E esse mal chegou ao Brasil na forma dessa Teologia da Libertação, que nada mais é do que um estímulo à luta de classes. Nunca estivemos tão divididos. A Abin está corretíssima. Continuem seu excelente trabalho em prol de nosso país.

  3. As seitas protestantes brasileiras ajudam a entrar no Brasil supostos missionários americanos que nada mais são que agentes do próprio governo americano que fingem estarem aqui para trabalhos missionários com os índios e que nada mais são informantes dos Estados Unidos.

  4. Acredito que, a perda da bandeira Capetista, não possa levar a Igreja Católica a deflagrar oposição ao governo federal.
    Agora, o fato de Bolsonaro ficar entulhando a sua administração de pastores e pastoras, isso sim: pode potencializar um choque entre Papa-hóstias e Papa-dízimos.

  5. Essa histeria da extrema direita faz lembrar que no passado houve também movimentos na luta pelo poder.

    Nas cruzadas culturais do passado (Inglaterra, França – séculos XVI, XVII, XVIII), culturas populares cederam pela força.

    Ainda vão tentar empurrar o “Igreja Sem Partido” na carona do “Escola Sem Partido”.

  6. Como entender a Igreja Católica? em 1964 em sua maioria , serviu de respaldo ao golpe de 64 com a marcha da Família com Deus pela Liberdade para depor João Goulart, pelo fato de querer fazer as Reformas de Base, que até hoje são necessárias. Agora, parte da igreja é aliada do PT, partido que corrompeu o Brasil e levou-o a maior crise de sua história..

    • Muito bom. Mostra a realidade nefasta de certos integrantes da Igreja que optaram pela violência antes de qualquer coisa , pelo ódio marxista, bem ao contrário dos ensinamentos de Cristo e do estabelecido pelas leis.

  7. Venezuela gera discussão entre Gleisi e Haddad em reunião do PT… – Veja mais em https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2019/02/09/venezuela-gera-discussao-entre-gleisi-e-haddad-em-reuniao-do-pt.htm?cmpid=copiaecola
    A ida de Gleisi Hoffmann à posse de Nicolás Maduro, na Venezuela, foi tema de discussão entre a presidente do PT e o candidato derrotado do partido à Presidência, Fernando Haddad, em reunião da Executiva Nacional da legenda neste sábado (9), em São Paulo. Último a falar, Haddad foi questionado por Valter Pomar, líder da corrente Articulação de Esquerda e aliado de Gleisi, sobre “declarações públicas” a respeito da ida da presidente do partido à posse de Maduro. Ele se referia a uma entrevista de Haddad ao jornal El País, na qual disse que não foi consultado sobre a viagem…. – Veja mais em https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2019/02/09/venezuela-gera-discussao-entre-gleisi-e-haddad-em-reuniao-do-pt.htm?cmpid=copiaecola
    COMO PODEM VER MATÉRIA DO UOL! DÁ-LHA GLEISI,ESTOU CONTIGO E NÃO ABRO! QUANTO MAIS O PT TIVER A CARA DA GLEISI(DE CARRANCA DIGA-SE DE PASSAGEM) , MAIORES AS POSSIBILIDADES DE CONTINUARMOS LIVRES DA VOLTA AO PODER DESSA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA!

  8. Receita de AiBIN

    Pega um capitão de açaí, fatia, coloca em banho maria.

    Adiciona um general mesclado, e reserva ele, visse?

    Para o prato principal, arroz’xo com tripa kosher .

    Sobremesa: Filhos de ovos da casa.

    E cafézinho com ricina.

  9. Por falar em igreja, a quadrilha está querendo tomar partido e aparecer… antes que todos os seus comparsas estejam presos:

    “Espionar Igreja é volta à repressão
    Gleise Hoffmann – Presidenta Nacional do PT

    É muito grave a notícia divulgada hoje (10/02) de que o governo Bolsonaro está espionando as atividades da Igreja Católica por meio do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e da AABIN. O alto grau de intolerância e autoritarismo deste governo se revela na forma como o general Augusto Heleno, chefe do GSI, admite a espionagem e ataca politicamente a Igreja, por debater em alto nível a realidade da Amazônia.

    Diversas denominações religiosas – não somente a católica – têm se posicionado em relação às grandes questões da atualidade, entre as quais a preservação da Amazônia e à vida dos povos que habitam a floresta. O Sínodo da Amazônia é uma grande oportunidade de trazer esses temas à evidência. É um espaço qualificado de informação, debate e mobilização. Tratá-lo como ameaça à soberania ou à segurança nacional é sintoma de ignorância e preconceito.

    A ordem de “neutralizar isso aí”, como se referiu o general ao Sínodo da Amazônia, remete o Brasil de volta aos tempos da repressão aos que lutaram pela liberdade e pelos direitos do povo. Atitudes como essa do governo Bolsonaro, além de ferir nossa democracia, estão destruindo a imagem do Brasil ao redor do mundo.”

    PS: Gostaria de ver mais ONGs e sínodos era no nordeste brasileiro, especificamente lá no Polígono da Seca, entre Cabrobó e Itaporanga…

  10. Se a Igreja perdeu o protagonismo foi por causa da atuação da sua hierarquia, entraram de corpo e alma na causa pestista. E com ela foi para o buraco. Milhões de católicos nunca apoiaram a causa pestista apesar de todo proselitismo feito pelos padres nas homilias, mas a realidade não deixa dúvidas, o protagonismo da Igreja hoje é de flagrante decadência, por exclusiva culpa da hierarquia. Os bispos bolivarianos ferraram com a Igreja no Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *