Piada do Ano! “Partidos do Centrão são fundamentais para o país”, diz Flávio Bolsonaro

Senador Flávio Bolsonaro Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado

Flávio aceitou dar entrevista ao Globo, mas não disse nada

Paulo Cappelli
O Globo

O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) afirmou em entrevista ao Globo que não houve prevaricação por parte do presidente Jair Bolsonaro após as denúncias apresentadas pelo servidor Luis Ricardo Miranda e seu irmão, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF). Flávio sustentou que o pai avisou ao então ministro da Saúde Eduardo Pazuello sobre as denúncias e que o retorno teria sido que não havia nada irregular no processo de compra. Questionado se o caso fez com que o governo reavaliasse a relação com o Centrão, o senador afirmou que os partidos “são fundamentais para o país”.

O presidente Jair Bolsonaro prevaricou ao não acionar a Polícia Federal ou o Ministério Público quando foi avisado das suspeitas na compra da Covaxin?
Óbvio que não teve prevaricação. O presidente informou ao ministro da Saúde (na época, Eduardo Pazuello) o que tinha sido relatado. O ministro, na sua hierarquia de comando, cobrou também algum retorno, se havia algo de irregular. O retorno foi que não havia nada irregular, processualmente falando. Nada tinha de materialidade ali (na denúncia).

Há algum documento ou registro mostrando que o presidente comunicou a Pazuello e que alguma providência foi tomada?
Acredito que não. Isso acontece muito pelo telefone. “Olha, tem uma denúncia aqui, uma suspeita de irregularidade no contrato tal. Dá uma olhada e vê se tem algo de irregular”. Aí avaliam que não tem nada e falam: “Chefe, a princípio não tem nada”. Não tem por que acusar o presidente Bolsonaro de prevaricação.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (citado no caso Covaxin), e Roberto Dias, ex-diretor do Ministério da Saúde, são ligados ao centrão. O centrão prejudica o governo?
Não, em absoluto. Mais uma vez: não tem prova de absolutamente nada. O depoente (Luiz Dominguetti) foi perguntado se conhecia Ricardo Barros, se conhecia algum parlamentar. Ele falou que não conhecia ninguém. O nome do Ricardo Barros surge de uma denúncia infundada, né? O próprio presidente nunca confirmou que tenha falado o nome de Ricardo Barros, né? Por enquanto, só o deputado Luís Miranda diz que o presidente falou isso.

Então o presidente nega que tenha citado Barros como o responsável pelo esquema?
Não sei se já negou. Estou dizendo que, até agora, não tem nada que comprove isso. É uma tentativa de construir uma narrativa, não há fatos concretos.

No caso do Roberto Dias, ele foi exonerado…
O próprio ministro explicou que foi uma questão de prevenção. Vamos esperar o que vai acontecer. Deixa ele afastado, até para depois não acusarem o ministério de adulterar algo por interesse próprio. Por enquanto, repito, nada que comprometa ninguém.

Haverá reavaliação da relação do governo com o centrão?
Não. De forma alguma. Os partidos que são adjetivados de centrão são fundamentais sempre para o país. Representam parcela significativa da população. Quando há pleitos legítimos e republicanos, devem, sim, ser atendidos pelo governo. O governo não tem pessoas com perfis ideais em todos os locais do Brasil. A máquina é muito grande, apesar de todo o esforço do presidente de enxugar a máquina pública. Essa (crítica que fazem ao centrão) é uma tentativa de colocar contra o governo aliados que são importantes para o país.

O contrato com a Covaxin foi suspenso. A oposição classifica como “confissão de culpa”, argumentando que, se não havia nada de errado, não tinha por que suspender.
É aquela a narrativa, né? Se não suspendem o contrato, vão acusar o presidente ou o governo de estar levando alguma vantagem ou sendo imprudente de não investigar antes de comprar a vacina. Então, a decisão foi de suspender e ver o que que vai aparecer. A princípio, até agora, absolutamente nada. Então, eu, da minha parte, não vejo por que suspender a compra, a não ser que a Anvisa tenha algo contra e não autorize a importação da vacina. Aí é uma questão técnica.

Como avalia o depoimento de Luiz Dominguetti?
Um devaneio. Todo mundo esperando que tenha alguma prova de que havia algum pedido de propina e, no final, não trouxe prova nenhuma. Já foi, inclusive, contraditado. Ninguém negou que houve a reunião. As pessoas jantam por diversos motivos. Ele vai ter dificuldade de provar, já que não há provas de nada.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O senador Flávio Bolsonaro se comporta como o professor Pangloss, célebre personagem de Voltaire. Parece viver no melhor dos mundos, está tudo normal, não há corrupção, ninguém quis comprar a Covaxin, as demissões nada significam. Deve ser algum problema mental, não é possível que tenha os parafusos no lugar. (C.N.)

 

13 thoughts on “Piada do Ano! “Partidos do Centrão são fundamentais para o país”, diz Flávio Bolsonaro

  1. Que os ressentidos e os traíras defenestrados do governo vivam a falar com a Rede Globo, a prostituta de luxo do lulo-petismo, é compreensível, mas o que faz esse senador, filho do Presidente Bolsonaro, dando entrevistas para os sabujos da corruptocracia?
    Alô-ô!

    • Essa maldita reeleição que o Poderoso Chefão Corrupto da Máfia Tucanostra enfiou goela abaixo a toque de muita corrupção, é que acabou de vez com o País.
      A maldição é tanta que são poucas as opções de votar.
      Sempre são os mesmos corruptos, ladrões, sanguessugas, ou então algum “poste” lançado pelos mesmos partidos como sendo a “salvação” do “novo” .
      Estamos numa sinuca e bico de dificil saída.
      Ah, esqueci, segundo alguns especialistas de plantão, a Reeleição do Mafioso Don FHCorleone ultrapassou trilhão em roubos,acordos, negociatas, trambiques, sonegação,, e outros crimes.

  2. Sempre tivemos senadores de pouca qualidade mental e ética. Mas a atual legislatura, com toas as renovações, parece que ajuda a piorar a falta de qualidade daquela casa.
    Este sujeito é o senador mais votado da história do senado! De onde se tem de concluir que, a qualidade do eleitor é que realimenta a pouca qualidade das casas legislativas, nos tres níveis.

    Ou os pensam e querem um país melhor se unem e apresentam propostas, ou continuaremos “descendo a ladeira!”

    Na minha juventude, se diria que, este senador não passa de uma “lorpa”!

    Fallavena

  3. Felipe Quintas (via Facebook)

    No 2 de julho de 1823, eternizado na data de hoje, os brasileiros derrotaram militarmente os portugueses na Bahia após uma guerra que mobilizou mais de 50 mil soldados do lado de cá. Ela foi sustentada sem um único centavo britânico, totalmente financiada por nacionais e pelo Banco do Brasil (reestruturado por José Bonifácio e seu irmão Martim Francisco), e contrariou o apoio britânico prestado aos portugueses.

    Esse dia é a prova de que a nossa Independência não foi um “pacto de elites” nem uma “concessão da Inglaterra”, mas o momento de afirmação da soberania brasileira que se desenhava desde que os portugueses e as índias se cruzaram pela primeira vez e se embrenharam com os negros continente adentro, formando um povo novo.

    O mito da “falsa Independência” é a raiz de todo o complexo de inferioridade e de todo o entreguismo. Afinal, se o Brasil foi um presente do colonizador e um efeito do endividamento, então ele é, por definição, uma colônia, e não pode almejar nada diferente disso sob pena de deixar de ser o Brasil. Contra essa mentira, a memória do 2 de Julho é o melhor remédio.

    Viva o 2 de Julho! Viva a Bahia! Viva o Brasil!

    Explico em mais detalhes nesse vídeo:

    https://www.youtube.com/watch?v=9eBftBQxJAQ

  4. Boa noite , leitores (as):

    Senhor Carlos Newton , nem deverias se espantar com o comentários do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) , pois revela exatamente sua origem e má-índole , portanto é um mal de berço , pois fora criado no mundo do banditismo , e nele vive até hoje .

Deixe um comentário para Rue des Sablons Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *