Piada do Ano: ‘Petrobrás é livre para definir a alta do diesel’, afirma Paulo Guedes

Paulo Guedes

Totalmente desmoralizado, Guedes luta para se manter no cargo

Lorenna Rodrigues, Amanda Pupo e Felipe Frazão
Estadão

Depois da forte reação do mercado à suspensão do reajuste do diesel a pedido do presidente Jair Bolsonaro, o governo saiu a campo nesta terça-feira, 16, para transmitir a imagem de que a Petrobrás é livre para definir o momento e o valor da alta no preço do diesel. “É a Petrobrás quem decide reajuste, não é ministro da Economia ou presidente da República. A Petrobrás é realmente independente para estabelecer o preço de petróleo”, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Ele e o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, se reuniram com o presidente no Planalto para discutir a política de preços de combustíveis da companhia. Na semana passada, a Petrobrás anunciou reajuste de 5,7% no preço do diesel, mas Bolsonaro determinou a suspensão da alta.

“INDEPENDENTE” – “É ela (Petrobrás) quem tem que decidir. É realmente independente para estabelecer o preço do petróleo”, declarou Guedes, em entrevista coletiva após o encontro com o presidente. Apesar disso, o ministro admitiu que a política de reajustes atual não é suficientemente transparente e disse que mudanças estão em estudo.

Com o risco de uma nova greve de caminhoneiros batendo à porta, tanto a Petrobrás quando o governo estudam como amenizar o impacto dos reajustes constantes para a categoria. Guedes disse que estão em estudo várias alternativas, entre elas indexar o preço do frete ao valor do diesel. Citou que essa é a política utilizada nos EUA.

O ministro afirmou que o próprio governo vem estudando alternativas e que, se houvesse uma alta muito grande nos preços dos combustíveis, poderia, por exemplo, reduzir impostos. “Isso tem um preço, vai cortar de onde, da saúde para dar para o caminhoneiro?”, questionou.

INTERFERÊNCIA – Segundo o porta-voz da República, Otávio Rêgo Barros, Bolsonaro abriu o encontro dizendo que “não quer e não tem o direito de intervir na Petrobrás”. “Frase que nosso presidente disse logo no início da reunião: eu não quero e não posso intervir na Petrobrás, por questões de conceito, eu não posso por questões legais e até mesmo políticas”, afirmou Barros.

Guedes disse considerar natural que o presidente peça esclarecimentos e que Bolsonaro e tem preocupações maiores do que só com o mercado. Segundo ele, Bolsonaro questionou, em telefonema a Castello Branco (presidente da Petrobrás), se estavam “jogando diesel” no seu “chope”, enquanto o governo comemorava 100 dias de gestão.

“O presidente pediu para que explicássemos o aumento, não foi decisão de política econômica que ele tomou. Se fosse para criar regra de política nova, presidente teria conversado comigo”, disse ainda.

MANIPULAR PREÇOS – O ministro da economia ressaltou, porém, que a dimensão econômica dessas interferências tem que ser considerada até mesmo para não atrapalhar os futuros leilões de petróleo. “Temos R$ 1 trilhão para sair do pré-sal, se manipular preço, todo processo é afetado”, completou. “Não queremos de forma alguma ser governo que manipula política de preços, como no passado”.

Depois da reunião, Guedes disse não saber se a Petrobrás manterá o reajuste de 5,7% que seria dado na semana passada. Ele disse que a estatal poderá fazer reajustes menores em intervalos mais curtos ou aumentar o preço de uma só vez.

De acordo com Albuquerque, o valor do diesel praticado nos postos de combustível do País é 12% menor do que a média internacional.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
É o tipo de matéria que requer tradução simultânea. Tudo o que foi dito após a reunião nada tem a ver com o que se falou na reunião. Bolsonaro, que está certíssimo, deixou claro que Guedes não manda em mais nada, o presidente da Petrobras (para o bem do Brasil) manda ainda menos, e a empresa estatal tem de servir ao país e não ao mercado.

O mais importante de tudo foi a declaração de Guedes de que conta com “R$ 1 trilhão para sair do pré-sal”. Ou seja, a Petrobras é a salvação do país e os idiotas ainda querem privatizá-la. O atual presidente Castello Branco, que pelo nome não se perca, deveria ser demitido imediatamente, em nome dos interesses nacionais. Depois voltaremos a esse assunto, com informações exclusivas. (C.N.)

17 thoughts on “Piada do Ano: ‘Petrobrás é livre para definir a alta do diesel’, afirma Paulo Guedes

  1. Bolsonaro apenas tenta ou finge ser diferente dos seus antecessores, pois existem muitos pontos congruentes, dos quais a maioria dos mandatários tem dificuldades para se desvencilhar. Terceirizar decisões impopulares é um bom mau exemplo. Eles agem como bêbado arruaceiro perante o Dr delegado: “Doutor, não fui eu, foi a desgraça da cachaça ” Ou como o crendeiro que prefere acusar o pobre diabo pelos seus desatinos, a assumi-los!

  2. Não estou impregnado por Adam Smith mas capitalismo deve ter algumas regras, exemplo, a Petrobrás vende combustível mais barato para países da America do Sul que para os brasileiros, um amigo que mora perto da fronteira, atravessa a rua e abastece com gasolina nossa pela metade do preço. Não concordo que para angariar divisas tem que majorar combustível aqui para satisfazer o mercado ou aos mergulhadores de águas turvas.
    Moro perto da fábrica de chocolate Garoto, e na loja o preço do bombom é mais caro do que paguei em Belém do Pará.
    O preço do combustível é peso grande para provocar inflação, será que não sabem disso?

  3. A Petrobrás é a salvação e ainda quer privatizar. Realmente, parece que tem gente que acha que o Estado é para estar no ramo petrolífero, eu acho que o ramo do Estado é a segurança, educação e saúde. O Estado ganha no ramo de petróleo através de impostos e com menos funcionários públicos e menos corrupção. Mas, cada um com sua opinião: uns acham que tem que manter a teta, eu acho que tem que ganhar apenas na ponta final com os impostos.

    • Quem tem cacife para comprar são as empresas estrangeiras. Elas logo vão se ressarcir dos investimentos através das remessas de lucros às suas matrizes. Quem perde com isso é o Brasil. E muitos desses “investimentos” são financiados pelo BNDES. Por que elas não constroem uma refinaria, já que não há monopólio?

  4. Basta retirarem impostos, tributos, taxas, contribuições na formação do preços, não só do diesel, como gasolina, querosene, gás cozinha que o governo irá fomentar o desenvolvimento da Nação e diminuir a inflação e custos para todos.

  5. Bons tempos aqueles em que todo brasileiro dizia com orgulho que O PETRÓLEO É NOSSO ! Agora o governo está fazendo tudo para vender a Petrobrás. Se é bom, vende !!! Bolsonaro precisa urgentemente meter o pé na bunda desses vagabundos que o assessoram.

  6. Supremacia judaica: queimando igrejas legítimas sob a lei judaica

    O ativista de direita radical Bentzi Gophstein, que escapou por pouco de acusações de incitamento à violência, foi registrado dizendo que ele inquestionavelmente apóia a queima de igrejas e “casas de idolatria”.

    https://www.ynetnews.com/articles/0,7340,L-4688289,00.html

    Já que em sua lei você pode oficialmente incendiar nossas igrejas, podemos colocá-lo oficialmente na prisão, porque em nossa lei, o incêndio deliberado é um crime.

  7. “Bolsonaro, que está certíssimo, deixou claro que Guedes não manda em mais nada, o presidente da Petrobras (para o bem do Brasil) manda ainda menos, e a empresa estatal tem de servir ao país e não ao mercado.”

    -CERTISSIMO, também, está o Jornalista!

  8. Simples assim. Se privatizar, este controle regulatório do presidente terá de ser negociado ou em contrato ou em norma legal que poderá ser contestada. O governo tira de sua folha de pagamento despesas altíssimas e ganha com impostos, mas perde em parte ou totalmente o controle da empresa. Cabe saber o que mais pesa para manter este tipo de estatal.

  9. Que economista é esse que faz perguntas ao invés de ter respostas para elas?
    Espera-se que o Ministro tenha resposta para as situações de difícil solução na economia. Ou então a sociedade é que deverá resolver a parada.
    Sugiro montar um pacote indexando os aumentos das passagens no transporte público, da gasolina, do diesel, do álcool, dos planos de saúde, dos atendimentos hospitalares, dos remédios, do pãozinho francês, do arroz, do feijão, do leite etc. aos salários. Voltaremos aos altos picos inflacionários do tempo do governo Sarney.
    O próximo, por favor!

  10. Humm. O diesel foi reajustado, então quem manda é o Guedes. Esse presidente da Petrobras e o Guedes são uns tremendos entreguistas. Falam em monopólio, mas qualquer empresa poderia construir uma refinaria no país. Mas não, querem a coisa pronta. Quem tem cacife para comprar são as empresas estrangeiras que logo, logo, vão poder recuperar o investimento pela remessa de lucros que só prejudica o Brasil. É triste ver o país perdendo seu futuro.

  11. Vemos que o C.N. não entende nada de comércio mundial de petroleo. Tudo funciona a mercado futuro, o diesel vendido hoje foi comprado a 6 meses atrás, não existe este negócio de produto no balcão para a venda.
    Quem decide o preço dos combustíveis na Petrobrás é a Diretoria de Marketing conforme falou o seu presidente ontem. A mesma diretoria que determina a cor da camisa dos uniformes da empresa. Agora quem vai determinar os preços serão as diretorias financeiras e operacional. Vejam no blog do Kanitz uma crítica à precificação dos combustíveis da Petrobrás que é baseada nos valores das bomba de combustíveis dos EUA, somente são visto quando os preços sobem.

    • Essa é boa. Trabalhei três anos na Petrobras, justamente na área do Abastecimento, que lá chamamos de Abast, e que cuida das refinarias etc. E ainda tenho de aturar essas peruadas de quem jamais entrou naquele prédio da Avenida Chile… Dá vontade de rir.

      CN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *