Planalto desprestigia até Lemann, o maior empresário do país

Lemann e assessores, na garagem do Planalto

Antonio Temóteo
Correio Braziliense

Idolatrado por 10 em cada 10 executivos pela disciplina nos negócios, admirado no mercado financeiro pela compra de ícones norte-americanos como a fabricante de cervejas Anheuser-Busch, dona da Budweiser, e sócio de Warren Buffett, um dos homens mais ricos do mundo, Jorge Paulo Lemann não goza do mesmo prestígio no Palácio do Planalto. Desde o fim da corrida eleitoral que reelegeu Dilma Rousseff à Presidência da República, ele tentava, sem sucesso, marcar um encontro com a chefe do Executivo.

Integrantes da equipe econômica e parlamentares confidenciaram ao blog que Lemann foi colocado na geladeira por dois motivos. Fez campanha para o então candidato à Presidência Aécio Neves e falou mal de Dilma durante o processo eleitoral, algo que contraria sua postura discreta. As ofensas chegaram aos ouvidos da petista. Irada, a presidente decidiu negar os pedidos de encontros feitos pelo homem mais rico do Brasil após a reeleição.

Só mudou de ideia depois do apelo de diversos auxiliares para que atendesse Lemann. Mas Dilma fez questão de emitir sinais de que ele havia perdido o prestigio de outrora. Primeiro, a reunião entre os dois foi colocada na agenda oficial, coisa que não costuma fazer quando se encontra com os executivos próximos que consulta para tomar decisões sobre os rumos da economia. Segundo, Lemann foi identificado como “empresário suíço-brasileiro”. Ele mora em Zurique, mas nasceu no Rio de Janeiro.

BARRADO NA GARAGEM

Ao chegar na garagem do Palácio do Planalto acompanhado de três assessores com 10 minutos de antecedência ao horário do encontro, o terceiro desconforto. O nome do visitante não constava na lista dos seguranças. Um assessor de Lemann precisou ligar para o gabinete de Dilma para solicitar a liberação para entrada. Quando a presidente recebe alguma autoridade reservadamente, costuma deixar uma pessoa esperando na garagem e deixa a disposição o elevador privativo.

Na caminhada até os elevadores comuns do Palácio do Planalto, o blog perguntou a Lemann qual seria o tema da reunião. Visivelmente constrangido, respondeu que estava ali para falar sobre educação. Questionado sobre o momento econômico do país, um assessor não deixou que respondesse. “A gente não está dando declaração”, resmungou o auxiliar e os quatro se dirigiram ao gabinete presidencial.

19 thoughts on “Planalto desprestigia até Lemann, o maior empresário do país

  1. Este governo esta mais fernadinho beirmar, marcola e elias maluco, sininho e seus pares. Do que para pessoas sérias e dignas. Todos os petistas do alto escalão estão com seu nome sujo. Então seriedade não combina com este governo.

  2. Enquanto isso a Pátria Educadora vai de vento em proa. 58 Universidades Federais com paralisações, o diretor do hospital da UFRJ demito pois disse que não há material para cirurgias, o Hospital São Paulo ( Unifesp) atendendo só emergências e os professores e funcionários do Pronatec em greve, pois não recebem há 3 meses

  3. Esses empresários devem aprender de uma vez por todas: não se joga fora uma ideologia da noite pro dia. Resolveram apostar nesta turma e agora estão sentindo a ressaca.

  4. Desde 2010, quando o país mergulhou no consumo irresponsável, sem lastro, nenhum empresário avisou, informou, explicou para o país que aquilo ia dar nisso.
    Como estavam “se dando bem” apoiaram e surfaram na marolinha fictícia.
    Todos experientes em economia, não podem alegar que não “suspeitaram” das manobras do governo para ganhar eleições.
    Agora aguentem esse governo e seu plano de poder absoluto tentando se salvar a qualquer custo.
    Quando a farinha é pouca, meu pirão primeiro.

  5. É REALMENTE UMA IMBECIL A ANTA PRESIDANTA!

    NA VERDADE ELA É QUE PRECISA MUITO MAIS DE EMPRESÁRIOS COMO LEMANN, DO QUE EMPRESÁRIOS COMO ELE DE SEU DESASTRADO GOVERNO!
    NÃO É A TOA QUE FOI FAZER UM ENCONTRO COM EMPRESÁRIOS ALEMÃES E EUROPEUS NA ÚLTIMA VIAGEM A EUROPA E O AUDITÓRIO ESTAVA ÀS MOSCAS, NÃO TINHA NINGUÉM INTERESSADO NO QUE A ANTA PRESIDANTA ESTAVA DISPOSTA A PROPOR!
    COM CERTEZA SUA PRÓXIMA VIAGEM AOS EUA VAI SER NO MESMO NÍVEL, VAI SER SÓ VEXAME E CONSTRANGIMENTO!

  6. O artigo disse tudo. Ele se meteu em POLÍTICA PARTIDÁRIA nas últimas eleições apoiando o lado perdedor e ainda falando mal de quem ganhou. Queria ser recebido com pompas? Não é bom patrão também. Paga péssimos salários aos funcionários da empresa Lojas Americana, que controla através do Banco Garantia, chama-os de COLABORADORES, mas desconfia de suas honestidades ao contratar somente empregados que residem pelo menos a 30 km. do local trabalho. A empresa tem uma das mais altas rotatividades do mercado laboral, seus empregados vivem desestimulados e os serviços são péssimos. Raramente se encontra um empregado que indica ao cliente o local onde se encontra o produto. Nem mora no Brasil.

  7. O estilo da governanta lembra bem o de Maduro – amigo bolivariano dela.
    Afinal, quem trabalha e produz não tem vez no governo do partido dela. Precisam demarcar que manda são eles, os incompetentes e politiqueiros de 4a categoria.

  8. Mas o patrocínio luxuoso do BNDES ele não dispensa. A Ambev faz parte dos “campões nacionais” desse (des)governo. Também, com um presidente alcoólatra e um povo que só ficará descontrolado no dia que faltar cerveja…

  9. Eu não gosto nada do Governo Dilma, mas francamente…o que tem demais o cara pegar o elevador como todo mundo? O Lemann é filho de suiços, mora em Zurique há mais de 10 anos, lá todo mundo anda no mesmo trem, desde o banqueiro até o encanador e ninguém fica ofendido.
    Essa história de elevadoer de serviço é coisa de brasileiro e sua mente típica de habitante de país subdesenvolvido. O Lemann não deve nem ter notado o elevador, aff…

Deixe uma resposta para Chamberlain Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *