Planalto espera que aliados também assumam responsabilidades

Vicentinho: “Irregularidades têm de ser apuradas”

 

Márcio Falcão, Gabriela Guerreiro e Valdo Cruz
Folha

Temerosos da abrangência da Operação Lava Jato, integrantes do PT e do PMDB avaliam que a situação do governo de Dilma Rousseff fica mais ainda fragilizada diante das turbulências que já enfrenta na economia e na relação com o Legislativo.

O governo espera que os seus principais apoiadores também assumam, cada um, as responsabilidades por eventuais irregularidades na estatal, sem deixar tudo na conta do Planalto.

PT e PMDB, principais aliados do governo, indicaram pelo menos dois alvos da Polícia Federal: Renato Duque, ex-diretor da Petrobras que teria ligações com o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil), e Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, apontado como operador do PMDB na estatal.

Em nota, o PMDB disse que repudia “de forma categórica as acusações de envolvimento em supostos desvios de recursos da Petrobras” e que obteve legalmente seus recursos para financiar campanhas. “O PMDB jamais teve qualquer interlocutor de fora dos seus quadros autorizado a arrecadar em nome do partido”.

FORO PRIVILEGIADO

As empreiteiras são as principais financiadoras de campanhas e muitos desses executivos têm relação de proximidade com políticos já citados nas delações premiadas da Lava Jato e que serão julgados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) devido ao foro privilegiado.

Apesar da preocupação nos bastidores, publicamente os políticos em geral defenderam as investigações. “O partido tem a intenção de que tudo seja apurado. Se tiver que punir, puna quem for”, disse o líder do PT na Câmara, Vicentinho (SP).

Entre os membros da CPI mista do Congresso que investiga irregularidades na estatal, o consenso é que as novas prisões efetuadas nesta sexta (14) esvaziam ainda mais os trabalhos porque seus membros não têm acesso às informações sigilosas das investigações mantidas pela PF e a Justiça Federal.

CPI ESVAZIADA

Sem acesso ao material, integrantes da CPI fecharam um “acordão” para evitar a convocação de políticos que estariam envolvidos com as irregularidades, com o aval da oposição.

“A Justiça tem condições de apurar melhor do que nós. A nossa grande expectativa é ter acesso às delações premiadas. Enquanto a Justiça nos negar isso, não há como avançar”, disse o presidente da CPI, Vital do Rêgo (PMDB-PB).

“A CPI está a cada hora mais fora do processo porque não tem a delação”, acrescentou o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ).

5 thoughts on “Planalto espera que aliados também assumam responsabilidades

  1. É preciso apurar com o processo das apurações.
    A CPI precisa de documentos. Mentira – precisa é de gente séria para desempenhar o trabalho e vontade de querer encontrar malfeitos.
    Agora, não precisamos mais dela. Já não fariam nada mesmo.
    Vicentinho deve estar preocupado, também.
    Pena que, a grande maioria dos nosso homens públicos (e as mulheres não tenham caráter algum. Se fossem como os japoneses…

  2. Vicentinho é o símbolo do cinismo petista-comunista.
    É mais uma nulidade humana e política que assola este país.E nada mais.

    PS-Vicentinho e todos os petistas-comunistas (aliados,também),acham que podem
    “cozinhar o galo” (como dizem os mineiros) para sempre.

    Vão se ferrar,porque os “tubarões da corrupção” (empreiteiros,por exemplo) não farão
    como o ingênuo e idiota-útil Marcos Valério,ao abrir mão da “delação premiada”.

    Vão botar a boca no trombone,e a revelação dos fatos chegará em Lula,Dilma,Dirceu (novamente) e em toda a canalha petista-comunista,de parte do PMDB e aliados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *