Planilha de empreiteira tem nomes de tucanos e Michel Temer

Diego Escosteguy e Filipe Coutinho
Época

Em 2009, a empreiteira Camargo Corrêa foi alvo da operação Castelo de Areia, que apurava suspeitas de corrupção e pagamento de propina a políticos para a obtenção de contratos com o governo. Na casa de um diretor da empresa, a PF apreendeu uma planilha cheia de siglas, nomes e números. Na ocasião, muitos atribuíram àquela planilha o caráter de prova definitiva de como o caixa dois da Camargo era gerido, interpretavam siglas e nomes como se fossem políticos a quem se destinava propina. Isso nunca foi comprovado, e a Castelo de Areia não durou muito. O Superior Tribunal de Justiça suspendeu a investigação em 2010 e anulou todas as provas, entre elas a tal planilha. A Procuradoria-Geral da República recorreu ao Supremo Tribunal Federal, mas o STF ainda não se manifestou.

Há três semanas, no curso das investigações da operação Lava Jato, a Polícia Federal prendeu três diretores da Camargo Corrêa, acusados de participar de um esquema de corrupção na Petrobras. Na ocasião, apelidada pela PF de “Juízo Final”, os investigadores também apreenderam na sede da Camargo uma outra planilha. Desta vez, uma tabela impressa, com nomes por extenso, em letra de forma. No documento, obtido por Época, os executivos da Camargo registram seis colunas: município, tipo de obra, valor estimado, projeto, edital e parlamentar. Na coluna de parlamentares, surgem nomes de políticos e valores em dólares.

Na coluna de obras, aparecem 12 delas, todas em São Paulo, ordenadas por prioridade. Os números somam, segundo o documento, US$ 260 milhões. Sete políticos são citados ao lado de valores. A PF suspeita que esses valores se refiram a propina paga a esses políticos, provavelmente entre 1990 e 1995. Não há, porém, nenhuma confirmação substantiva disso até o momento.

COVAS TAMBÉM APARECE

Entre os políticos relacionados na planilha, então o governador de São Paulo entre 1994 e 2001, Mario Covas (1930-2001); o atual vice-presidente da República, Michel Temer, deputado pelo PMDB nos anos 1990; o então deputado e depois prefeito de Araçatuba pelo então PFL, Jorge Maluly Netto (1931-2012); e o então deputado e atual suplente de senador eleito por São Paulo José Aníbal (PSDB).

O documento relaciona Temer a dois pagamentos de US$ 40 mil (o nome dele está grafado incorretamente, como “Themer”). Um dos projetos citados com o nome de Temer envolve uma obra de pavimentação em Araçatuba. Estimava-se o projeto em US$ 18 milhões. Ele estava listado como “contratado”. Uma segunda menção a Temer está associada à duplicação de uma rodovia em Praia Grande. O projeto também era estimado em US$ 18 milhões. Nessa obra, contudo, a situação do projeto aparece como “em elaboração”.

TEMER NEGA

Por escrito, Temer negou ter recebido valores da Camargo Corrêa. “As questões levantadas são completamente desvinculadas da atividade pública e sem nexo com o histórico do então deputado Michel Temer no parlamento”, disse. “O vice-presidente da República jamais recebeu, em qualquer tempo, valores da construtora Camargo Corrêa.” Temer disse ainda que não apresentou emendas parlamentares para obras de canalização e pavimentação em Araçatuba, ou para duplicação de rodovia em Praia Grande.

Na década de 1990, contratos da Prefeitura de Araçatuba com a Camargo Corrêa foram firmados, depois cancelados, por suspeita de superfaturamento. Em 1995, a área técnica do Tribunal de Contas de São Paulo encontrou falhas nos procedimentos para os pagamentos à Camargo, mas o contrato foi julgado regular pelos conselheiros. Dez anos depois, o então prefeito de Araçatuba, Maluly Netto, resolveu pagar o que a  Camargo não recebera pela obra, já que ela cobrava na Justiça pelo serviço. Maluly era deputado na década de 1990 e aparece na tabela ao lado da cifra de US$ 150 mil e do nome de Temer.

ANIBAL DESMENTE

O então deputado tucano José Aníbal, hoje suplente do senador José Serra, aparece três vezes na lista. Os pagamentos a ele, segundo o documento, somam US$ 90 mil. O primeiro, de US$ 40 mil, relacionado a um projeto de “canalização, pavimentação e ponte” em Botucatu. O segundo pagamento (US$ 30 mil) e o terceiro (US$ 20 mil), a um projeto que envolvia canalização, pavimentação e a construção de uma barragem em Jundiaí.

José Aníbal negou veementemente qualquer relação com pagamentos da Camargo. Disse ainda que o documento é uma armação. “Não tenho o menor conhecimento disso, posso até levantar com minha equipe se é alguma emenda parlamentar. Mas meu nome referido a algum valor é uma difamação. Isso é um nojo, é absolutamente forjado. Não tenho relações dessa natureza. É uma fraude total. É preparado por alguém, com objetivo de prejudicar a oposição. Não ter datas dos projetos é um indicativo muito forte de que é uma armação. Tem muita gente interessada em embaralhar todas as cartas”, afirmou.

EMENDAS PARLAMENTARES

Uma das hipóteses para os pagamentos descritos na tabela da Camargo envolve emendas parlamentares, um instrumento em que deputados e senadores destinam verbas do orçamento a projetos públicos, sobretudo obras. Em sua defesa, Aníbal pediu a seu advogado que mostrasse a Época todas as emendas parlamentares de sua autoria, desde os anos 90. Nas emendas parlamentares de Aníbal, há uma de R$ 200 mil, em 1995, para uma barragem em Jundiaí, como descrito na tabela da Camargo Corrêa. Naquele momento, o sistema de acompanhamento de emendas ainda era precário, portanto não é possível saber se o valor foi mesmo desembolsado. No sistema, todas as emendas de Aníbal aparecem zeradas em 1995. A assessoria de José Aníbal afirmou que, em 1995, não houve desembolso de emendas em razão da troca da moeda para o real. Nos anos seguintes, não há emendas similares aos projetos descritos na tabela.

Em nota, a Camargo Corrêa afirmou que “desconhece a referida planilha, razão pela qual não pode comentar”.

 

6 thoughts on “Planilha de empreiteira tem nomes de tucanos e Michel Temer

  1. Se usarmos a maquina do tempo veremos que as técnicas da corrupção tiveram um grande Upgrade durante a construção de Brasília, o Câncer da Nação.

    A partir dai todas as obras foram feitas por Construtoras do Clube. Algumas quebraram e os envolvidos morreram ricos antes de serem julgados.

    • Ué, onde estão os Guardiões do Partidão da Extrema Direitona Caviar.????
      Não vão comentar as estripulias corruptivas dos filiados do Parti~dão.?????
      Cadê a Tropa do Choque do Fhcorleone,
      Cadê a Patrulhinha do Vampirão Brasileiro:??
      Cadê a imparciliadade, cadê a vigilância contra os corruptos….cadê o cadê..???
      Vocês que combatem tanto a corrupção dos pentelhos,, e agora.???
      Vamos lá, vocês conseguem, tenho certeza disso………
      eh!eh!eh
      Sorry, burguesia.!!!!

  2. Aécio, FHC e Agripino não contavam com essa. Agora, que jogaram M no ventilador, vai dançar um monte de tucano emplumado. O dois Zés, anibal e serra(o senador pilantrópico pagador de precatório milionário), já estão sentindo o peso do erro que cometeram para ganhar a eleição. Para destruir o PT, devastaram com a imagem da Petrobras. Não destruíram o PT, e todo mundo vai saber que o PSDB, Aécio, FHC, Zé Serra não passam de hipócritas que se utilizam das mesmas práticas que denunciam. Idiotas que têm telhado de vidro e jogam pedras nos telhados dos outros. Essa gente é o que há de pior no Brasil porque pelo poder destroem sem a mínima piedade a nossa maior empresa.

  3. Assim vc (CN) mostra que de fato o blog é imparcial (é o que toda a imprensa deveria fazer). Confesso que andava meio incomodado com esse espaço (valeu a cutucada acho eu) pois estava percebendo uma certo direcionamento. Longe de defender essas maracutaias todas, em especial as que vem solapando a maior cia do país, mas também longe do discurso de que apenas o PT é o único a adotar esse tipo de pr’atica. De qualquer forma valeu e pode estar certo CN que, diante da escassez de uma imprensa isenta e de conte’udo, reconheco e valorizo muito o trabalho feito nesse blog.
    Meu reconhecimento.

    • Sr. Penna, o blog do Sr. Newton é o único a tocar no assunto do Roubo do Metrô, e o Grande Vendaval de Bilhões do Precatório do Parque do Povo, dinheirama “escoada” para o bolso de um só amigão do peito dos tucanorruptos que estão no governo há 28 anos (4 montoro).
      A mais coisas envolvendo corrupção no “ninho” dos tucanalhas inimputáveis, como a Sabesp (caixa preta), o roubo descarado e não apurado das Santas Casas de Saude, a entrega dos Pedágios mais caros do PLaneta, Merendas Escolares, Rodoanel que nunca termina a não ser o bombeamento de bilhões para as Empreiteiras..
      È assim que trabalha os franco-tucanos…
      Mas com certeza, um dia a casa cai, e estamos perto disso……
      abçs

  4. Eu concordo com o comentário do Sr. Waldemar.

    Do DCM:

    Agentes da PF (Polícia Federal) responsáveis pelas investigações da operação Lava Jato apreenderam no escritório da UTC Participações, em São Paulo, anotações que mostram o interesse de algumas empreiteiras no andamento da CPI da Petrobras no Congresso. As informações foram publicadas no jornal Folha de S. Paulo nesta terça-feira (9).

    Os documentos encontrados mostram que o senador e ex-presidenciável Aécio Neves (PSDB-MG) teria sofrido pressão da Construtora Norberto Odebrecht para não se aprofundar nas pautas da comissão. As anotações ainda dizem que os senadores Álvaro Dias (PSDB-PR) e Mario Couto (PSDB-PA) teriam sido escolhidos por Aécio para “fazer circo”.

    Ainda segundo os papéis apreendidos pela operação Lava Jato, as empreiteiras não estariam tão preocupadas com o andamento da CPI. Uma das anotações diz que no Senado a apuração estava esvaziada e que o problema maior seria no Judiciário. E ainda destacava que objetivo da CPI não era apurar, somente “gerar noticiário”.

    Materiais também foram encontrados em outras empreiteiras investigadas na Lava Jato, segundo a reportagem, e comprovariam que executivos estavam acompanhando de perto o andamento da CPI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *