PMDB é base parlamentar invariável de todos os governos


Pedro do Coutto

Reportagem de Simone Iglésias, Catarina Alencastro e Fernanda  Krakovics, O Globo, destaca o esforço que PMDB realiza no país para obter votações amplas positivas para a Câmara do Deputados e Senado Federal nas urnas de domingo, a fim de assegurar sua efetiva participação como base parlamentar no Congresso, seja qual for o presidente da República eleito. A matéria é muito boa, refletindo uma realidade atual que lembra a do artigo PSD que desempenhou esse papel por décadas seguidas.
A disputa para conquistar a maioria não será nada fácil. Mas como tudo é relativo, definiu Einstein (“só Deus é absoluto”), dentro da relatividade que impulsiona e envolve todos nós, basta ao PMDB conquistar presença marcante no parlamento para se tornar, aliás como as repórteres destacaram, o ponto de equilíbrio da governabilidade. O PMDB, assim, torna-se indispensável.
Muito mais pelas votações dos candidatos do PMDB ao Congresso Nacional do que pela vitória para governos estaduais. Simone, Catarina e Fernanda apontam a posição do partido em oito estados. Em Alagoas, Amazonas, Espírito Santo, Sergipe e Tocantins, deve vencer no primeiro turno. E líderes as pesquisas, tanto as do Datafolha quanto o IBOPE, no Ceará, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte. Como se verifica, dos grandes estados do país, o PMDB está firme só no Rio de Janeiro. Onde Luiz Fernando Pezão lidera as projeções contra Anthony Garotinho no segundo turno. Portanto a importância política da legenda, que já foi reformista e hoje é conservadora, limita-se ao RJ.
VICE DE DILMA
Mas sua direção nacional é ocupada por Michel Temer, vice de Dilma Rousseff, que manterá sua importância na perspectiva da reeleição. Não porque ele comande as bancadas, mas em função de seu estilo voltado para um clima de harmonia e fixação dos limites partidários de interferência na formação e no desempenho das ações de governo. Michel Temer, no caso de reeleição, será a garantia de que a legenda não será afastada das engrenagens do poder, embora, como é previsível, representantes da sigla venham a ser substituídos especialmente nos quadros do ministério. Isso de um lado.
De outro, não é de se acreditar, como provável, que o PMDB venha a assumir o controle político das duas Casas do Congresso, hipótese prevista na reportagem de O Globo. Tal perspectiva colide com os objetivos do futuro governo, seja ele ocupado novamente por Dilma Rousseff, seja ocupado por Marina Silva. Confirmadas nas urnas – vamos ver – os levantamentos do Ibope e Datafolha, pelo contrário, os esforços do Poder Executivo vão se voltar para, isso sim, impedir o domínio por parte do PMDB.
A ideia é manter o PMDB como coadjuvante, não como ator principal do teatro político partidário. Isso porque o domínio da Câmara e do Senado, pelos principais vitoriosos nas urnas, reduzirá sensivelmente a necessidade de concessões para assegurar a governabilidade da qual o partido de Michel Temer se apresenta como um dos fatores essenciais. A presidência da Câmara para o PMDB seria um exagero. Da mesma forma a direção do Senado Federal. Pois se o PMDB se apresenta como peça de sustentação e equilíbrio, ele sairá dessa missão se vier a assumir o comando das duas Casas. Não faz sentido para o governo, seja ele qual for.

6 thoughts on “PMDB é base parlamentar invariável de todos os governos

  1. O grande Jornalista Sr. PEDRO DO COUTTO nos mostra que o PMDB, partido Político hoje CONSERVADOR como era o PSD na Geração de nossos Pais, deve fazer o maior número de Governadores de Estado e Bancada no Congresso, tornando-se assim, Lastro Político que cada vez mais dá Estabilidade Política ao GOVERNO.
    Isso é bom, porque evita uma “Guinada” Bolivariana, dos nossos últimos Presidentes, o que nos levaria a uma situação FALIMENTAR. Agora, CUSTA CARO essa Estabilidade Política. Se tivéssemos outra maneira mais Econômica de conseguir ESTABILIDADE…. sem perder a LIBERDADE….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *