PMDB pronto para aderir a Aécio

Carlos Chagas

A decisão final não é para agora. Só depois da eleição do dia 26 o PMDB decidirá se fica onde está, no caso da reeleição de Dilma, ou, diante da vitória de Aécio, adere em bloco, ainda que sob o rótulo de “independência”. Uma coisa, porém, é tão certa quanto dois e dois são quatro: o partido estará com o governo. Qualquer que seja.

Tendo em vista a ascensão do ex-governador de Minas na disputa, o PMDB já traçou sua estratégia. Em nome “do que for melhor para o Brasil”, apoiará a futura administração… Pontes já foram lançadas no rumo de uma hipotética adesão. Basta atentar para a performance dos principais caciques peemedebistas, que mesmo dispondo do candidato à vice-presidência na chapa de Dilma, desapareceram da campanha. Ainda que ostentando a medalha de maior partido nacional, não se tem notícia da participação do PMDB nas carreatas da presidente da República. Muito menos nas telinhas da propaganda eleitoral, exceção das apagadas aparições de Michel Temer.

É claro que se Aécio for eleito, a fatura do PMDB chegará com as felicitações. As mesmas reivindicações de sempre serão logo conhecidas: ministérios, diretorias de estatais, postos de comando no Congresso. Eduardo Cunha prometerá dar maioria ao novo governo caso ocupe a presidência da Câmara. Romero Jucá se posicionará para líder do governo no Senado, ele que exerceu a função nos governos Fernando Henrique, Lula e Dilma.

Não fosse a tragédia, a conclusão seria de que o Dr. Ulysses ficou feliz em desaparecer no mar. Imagine-se a tristeza por ele demonstrada se estivesse entre nós. O outrora aríete que derrubou a ditadura transformou-se num balcão de negócios. Sem esquecer a denúncia dos dois assaltantes da Petrobras admitindo que o PMDB também participou da lambança do superfaturamento de contratos e recebeu sua parte nos 3% distribuídos pelos partidos da base do governo.

O irônico nessa história é que o PMDB saiu-se bem no primeiro turno das eleições. Elegeu governadores, conquistou a maior bancada na Câmara e manteve a supremacia no Senado. Frustrou quantos imaginavam que saísse enfraquecido das urnas. Se for para abandonar o PT, o discurso já está preparado: nenhuma responsabilidade teve o PMDB na condução do governo Dilma…

MEIA GUERRA E MEIA CAMPANHA

O general Douglas MacArthur era o comandante em chefe das tropas que lutavam na Coréia contra a invasão comunista. Inferiorizado pela entrada de 360 mil soldados chineses na luta, queria levar a guerra ao território inimigo. Sugeriu ao Estado Maior Conjunto, em Washington, o uso da bomba atômica. O presidente Harry Trumann rejeitou a proposta, assim como outras, em nome de evitar a Terceira Guerra Mundial, porque a União Soviética havia posto seu arsenal nuclear à disposição de Mao Tse-Tung. MacArthur pediu, então, autorização para bombardear as pontes sobre o rio Yalu, que ligavam a China à Coréia do Norte. Pelo menos, não entrariam mais soldados chineses.

Resposta: pode bombardear a metade das pontes do lado coreano. Espantou-se o grande herói: como bombardear meia ponte? Aquilo era uma meia guerra e ele foi logo dispensado de seu comando. Retornou a Nova York e teve a maior recepção que o povo americano deu a um de seus generais: três milhões de pessoas na Quinta Avenida.

Conta-se o episódio porque até a realização do segundo turno, estamos assistindo a uma meia campanha…

5 thoughts on “PMDB pronto para aderir a Aécio

  1. Ora senhor, não existe nenhuma dúvida com quem o PMDB vai ficar.

    O famigerado PMDB, de há muito não é um partido, falta-me adjetivo para qualifica-lo e evito, pois tenho medo de passar dos limites.

  2. Registra a História um comentário feito por D. Pedro II quando embarcado no navio que o levaria à Europa para o exílio, 24 horas depois de ser destituído do poder. Ao receber um envelope recheado de dinheiro com a designação ” Para despesas emergenciais ” trazido por um mensageiro do novo governo republicano, disse : “- Começa mal uma república que começa assim … “. Passaram-se 126 anos. Os personagens são outros mas, se eleito, a cena se repetirá para Aécio. O PMDB mandará um envelope com Jucá, Eduardo Cunha e outros do mesmo naipe. So nos resta repetir o velho monarca e dizer : “- Começa mal … … … “.

  3. Não há novidade no apoio do PMDB a quem esta no poder. Esta foi e é a postura do PMDB desde quando Sarney foi presidente.

    PMDB apoiou Sarney, Collor, Itamar, FHC, Lula, Dilma e assim eles vão só mamando nas tetas da viúva. Os desvios da Petrobras são só umas gotas do que eles desviaram.

  4. Senhores,
    O PMDB é como empreiteiro.
    Um governo desce e um outro sobe.
    O PMDB continua onde esta.
    É a maior coleção de espertos do Brasil.
    E, não se esqueçam,….a esperteza é a corrupção da inteligência!
    SDS
    Vitor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *