Polícia Federal extrai dados do celular de Moro para investigar ataques de hacker

Resultado de imagem para raquel dodge

Raquel Dodge se omitiu e ainda não apreendeu as gravações

Aguirre Talento
O Globo

Para dar início ao inquérito sobre os ataques de hacker contra o ministro da Justiça, Sergio Moro  peritos da Polícia Federal foram à sede do ministério para realizar a extração de dados do celular dele. Esse processo permite obter o histórico de ligações e da utilização dos aplicativos, com o objetivo de tentar rastrear a origem dos ataques. O ministro seguiu o conselho do presidenye do Senado, Davi Alcolumbre, e vai comparecer espontaneamente ao Senado nesta quarta-feira (dia 19) para prestar esclarecimentos.

A tentativa de invasão foi informada por Moro à PF na terça-feira passada. Após suspeitar dos ataques, o ministro trocou de aparelho celular. É este aparelho antigo que teve seus dados extraídos para permitir o avanço da investigação, que foi aberta na semana passada pela PF.

HACKER LIGOU – Depois de invadir o celular de Moro, o hacker ligou para o próprio ministro. Moro achou estranho mas, mesmo assim, atendeu. Momentos após essa ligação, o invasor acessou o Telegram de Moro. Há pelo menos dois anos o ministro não usava ao aplicativo. A partir daí, o ministro não teve dúvidas de que poderia estar sendo vítima de um golpe. Moro repassou a informação para a PF investigar o caso e trocou de linha.

De acordo com peritos da PF, só depois da análise dos dados do aparelho celular é que será possível saber se o hacker conseguiu ou não copiar o conteúdo das conversas do ministro.

Com o rastreamento das origens do telefonema e dos acessos ao aplicativo Telegram do celular de Moro, cujos dados ficam armazenados no sistema e nas operadoras de telefonia, seria possível chegar ao autor dos ataques, avalia a PF.

PROCURADORES – A PF também investiga casos de ataques hacker contra procuradores da Lava-Jato, como o coordenador da força-tarefa de Curitiba Deltan Dallagnol, e também tentativas contra procuradores do Rio de Janeiro.

Após a onda de ataques, o site “Intercept Brasil” divulgou uma série de diálogos entre Moro e Dallagnol. Nas reportagens, o site ressalta que obteve o material de uma fonte anônima antes dos relatos de ataques hacker.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG –
A atitude de Moro, ao entregar seu celular à Polícia Federal na última terça-feira (dia 11), demonstra o caráter do ministro e mostra que ele nada tem a temer a respeito das acusações de ter fraudado provas, manipulado procedimentos do Ministério Público Federal e exercido perseguição política contra Lula. O Brasil deve muito a Moro e devia respeitá-lo.

E como indaga o jurista Jorge Béja, por que a Procuradoria-Geral da República está omissa diante dessas agressões ao ministro Moro? Por que ainda não pediu a expedição de mandado de busca e apreensão do material utilizado pelo The Intercept?

Causa muita estranheza esse comportamento da procuradora-geral Raquel Dodge, que é paga pelo povo para trabalhar em defesa do interesse público e não para se omitir. E ainda quer ser reconduzida ao comando da Procuradoria, sem ter se candidatado… Era só o que faltava, diria o Barão de Itararé. (C.N.)

8 thoughts on “Polícia Federal extrai dados do celular de Moro para investigar ataques de hacker

  1. Prezado CN,

    O ex-juiz certamente tem um novo celular funcional como ministro, nao o mesmo da e’poca em que era juiz.

    O Dalagnol certamente mante’m o mesmo celular funcional, que de 2-3 anos para tra’s.

    Esta a razao ba’sica de um entregar o celular para a policia federal, e o outro nao. Outras razoes existem para isto.

    No final desta histo’ria, vc vai queimar a sua mao por acreditar tanto na e’tica e honestidade do ex-juiz.

    Esperar para ver !

    Cleber

  2. Bastaria acionar a LSN e prender estes arapongas. Invadiram a privacidade de ente público. Sra Newton e Beja. Uma questão: Gilmar Mendes já opinou estarrecedor o diálogo entre juiz e MP. Mas eu pergunto, um juiz (do supremo) pode ligar para um presidiário, e ainda o presidiário pode atender? Lembre se do caso neto Arthur.

  3. Por 85 bitcoins, o jornalista gringo comprou serviços ru$$o$. Isso que dá colocar US$250mi na mão de qq um. Acaba se vendendo. Com isso também jogou no ventilador a venda do mandado de Jean Wi!!i$, por US$10.000 mês para curtir a vida em Par!$.
    Esses esquerdalhas metem o pau no capitalismo mas a usufruem como ninguém!

    • só completanto. acabou o sigilo da fonte, acabou a hospitalidade, acabou a gentileza. cometeu crime, paga, ou foge.
      Ademais fraudou o INSS na questão do caseiro. é, aprendeu o jeitinho brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *