Política é como nuvem: Serra se descontrola

Pedro do Coutto

O governador Magalhães Pinto, sem dúvida uma grande figura do passado nacional, deixou no seu legado uma definição poética e eterna sobre a política: é como a nuvem. Muda de forma e direção a todo instante. Veja-se agora o descontrole revelado por José Serra, em entrevista à rádio CBN, manhã de segunda-feira, ao responder uma pergunta da jornalista Miriam Leitão, feita pelo telefone. Irritou-se, atirou em várias direções ao mesmo tempo contra o governo Lula. Ninguém esperava por tal rompante. Surpreendeu a todos. A melhor matéria sobre o inusitado episódio foi do repórter Flávio Freire, publicada no O Globo de terça-feira, 11, manchete principal da edição.

Serra, que vinha taticamente elogiando o presidente Lula, de repente irritado com a pergunta, assentou as baterias contra o atual governo, escolhendo como alvos principais o Banco Central, a recriação da Telebrás, a construção da hidrelétrica de Belo Monte e até a política do Mercosul. Como explicar a repentina mudança de estilo? Impossível. O ex-governador de São Paulo transtornou-se com a indagação de como agiria relativamente ao Banco Central se viesse a ser eleito em outubro. De tal maneira que Miriam Leitão teve que desenvolver um esforço para poder concluir a pergunta. Mal ela tocava no tema era atropelada pela interrupção do entrevistado que assumia uma posição de mal educado, na medida em que não permitia à interlocutora pelo menos concluir o pensamento e a frase. Foi uma atuação lamentável. Perdeu votos com isso. Substituiu a imagem de homem sereno e gentil, articulado e lúcido, pela de um político raivoso pronto a explodir a qualquer momento.

Trocou a razão pela emoção pessoal, quando ao longo de sua campanha se posicionava exatamente ao contrário do que fez segunda-feira. De um técnico frio e sereno, deixou surgir um outro personagem, alguém incapaz de suportar qualquer divergência de pensar. Qual dos dois Serras é o mais real? O da entrevista à CBN ou o que fez questão de posar de tolerante? O fato vai gerar conseqüências. Inclusive funcionou como um jato de água gelada no PSDB, DEM e PPS, aliados de sua candidatura ao Planalto. Principalmente porque a opinião pública não reage favoravelmente a explosões e irritações desse tipo.

Além do mais, parecendo até adversário de si mesmo, José Serra deixou escapar uma frase que pode até vir a ser usada contra ele mesmo na campanha: não dá para ter bom humor às oito horas da manhã. Publicada pelo O Globo na chamada da primeira página no texto que sustentou a manchete. A que horas, afinal, costuma acordar o governador José Serra?

Inclusive não se trata de bom ou mau humor. Trata-se de respeito às pessoas, entrevistadoras e ouvintes da CBN. Acordar cedo é ruim? A que horas o governador desejaria ser despertado para retornar do sono reparador para atividade normal, portanto para o trabalho? Passou a impressão que se trata de alguém que dorme até tarde, ao contrário da esmagadora maioria da população brasileira. E olha que é alguém que dispõe de carro, motorista, auxiliares diretos em boa quantidade e presume-se – de qualidade. Governar é acordar cedo, dizia sempre o presidente JK. Trabalhar para os interesses coletivos deve ser um prazer, não um peso a ser carregado. Todos temos obrigações na vida, mas ninguém é obrigado a ser político. É uma opção que implica na aceitação tácita das dificuldades que envolvem a vida pública. Serra desconstruiu a imagem que criara de si mesmo. Deixou no ar uma dúvida sobre si mesmo. Cometeu um erro. Grave.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *