Políticos precisam estudar um pouco os assuntos antes de fazer promessas

Resultado de imagem para JOAO DORIA charges

Como todos os outros, João Dória fez promessas inviáveis

Hélio Schwartsman
Folha

Se alguns políticos já entraram na era da pós-verdade, sendo capazes de criar para si universos paralelos imunes a evidências que contradigam suas ideias, boa parte das pessoas comuns ainda vive sob o paradigma clássico e fica brava quando candidatos eleitos descumprem suas promessas.

É fato que, nessa matéria, o mundo não é igualitário. Alguns políticos parecem ter licença especial para dizer qualquer coisa e não serem cobrados por isso. Donald Trump é o caso mais evidente. Lula também contava com uma tolerância que não é dada a qualquer dirigente. Já Dilma pagou caro por seu estelionato eleitoral.

De todo modo, Trumps e Lulas parecem ser exceções. Assim, políticos que ainda não perderam inteiramente o contato com o mundo circundante se desdobram para tentar cumprir suas promessas, mesmo que às vezes recorrendo à contabilidade criativa e a outros truques discutíveis.

EXEMPLO DE DÓRIA – O prefeito eleito de São Paulo, João Doria, é um bom exemplo. No calor da campanha ele fez promessas das quais agora provavelmente se arrepende. A mais “pop” foi a de reverter a redução da velocidade máxima nas marginais. Bastou, porém, que conversasse com especialistas para descobrir que o limite mais baixo é uma medida importante, que não apenas salva vidas como ainda melhora a fluidez do tráfego.

Doria tenta resolver o dilema mantendo a velocidade menor só na faixa da direita das pistas locais, onde se concentram os acidentes. Mas é uma aposta arriscada que ainda cria problemas para a fiscalização.

Mais complicado é o compromisso de não aumentar a tarifa de ônibus. Aqui, o impacto de mantê-lo fica na casa dos R$ 3 bilhões anuais. Pior, não dá para recorrer a nenhum sortilégio hermenêutico. Ou a tarifa aumenta, ou não aumenta.

Minha sugestão é que, enquanto a era da pós-verdade não for oficializada, políticos estudem um pouco os assuntos antes de fazer promessas.

18 thoughts on “Políticos precisam estudar um pouco os assuntos antes de fazer promessas

  1. A famiglia Jereissati também.
    Teori Zavascki será o relator, no STF, da ação de senadores da oposição que pretende anular a tramitação da Lei Geral de Telecomunicações no Senado.

    Ao garantir a transferência de bens da União às operadoras, a lei é defendida com unhas e dentes pela Oi, protagonista da maior recuperação judicial do Brasil
    Teori Zavascki será o relator, no STF, da ação de senadores da oposição que pretende anular a tramitação da Lei Geral de Telecomunicações no Senado.

    Ao garantir a transferência de bens da União às operadoras, a lei é defendida com unhas e dentes pela Oi, protagonista da maior recuperação judicial do Brasil

  2. Falta aos candidatos e também aos partidos políticos um simples planejamento. Eu que nunca fui nem sou candidato a nada, planejei ações simples e de resultado garantido pra alguns prefeitos meus amigos. Mas ninguém se interessa, apenas o poder é prioridade. O povo não vale nada. Quanto ao Doria, aguardemos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *