Poluição do ar mata, por ano, cerca de 2 milhões de pessoas no mundo

Paulo Peres

Inspirado no derramamento de petróleo no litoral fluminense, a partir de um poço da americana Chevron, o senador brasiliense Rodrigo Rollemberg (PSB) apresentou projeto de lei que aumenta as multas aplicadas aos poluidores. Resta-nos saber o valor dessas multas.

Aproximadamente, 2 milhões de pessoas morrem, anualmente, no mundo vítimas da poluição do ar, revela um estudo feito pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que analisou dados de 1.100 cidades, de 91 países, com mais de 100 mil habitantes.

Segundo especialistas, a contaminação do ar pode levar a problemas cardíacos e respiratórios, com mortes prematuras, que poderiam ser evitadas através de políticas de prevenção.

“A poluição atmosférica é um grave problema de saúde ambiental. É vital que aumentemos os esforços para reduzir o impacto na saúde que a poluição atmosférica produz, cotidianamente”, afirma a diretora de Saúde Pública e Meio Ambiente da OMS, Maria Neira. “Somente em 2008, cerca de 1,34 milhão de pessoas morreram prematuramente por causa dos efeitos da poluição sobre a saúde”.

Segundo a especialista, ” é necessário que as autoridades de cada país façam monitoramentos constantes para medir a poluição do ar, pois só assim podemos reduzir significativamente o número de pessoas que sofrem de doenças respiratórias e cardíacas e até de câncer de pulmão”.

Para Neira, “é fundamental lembrar que a poluição do ar é provocada por vários fatores, como os gases de escapamentos dos veículos, a fumaça de fábricas e fuligem das usinas de carvão. Em muitos países não há qualquer regulamentação sobre a qualidade do ar. Quando há normas nacionais, elas variam muito na sua aplicação”.

Na China, o governo reconhece que morrem por ano cerca de 400 mil pessoas vítimas da poluição. Como a China é o país mais poluído do mundo, a imprensa não é livre e governo divulga o que bem entende, pode-se multiplicar esse número por cinco ou até por dez, chegando a um total de mortos muito maior ao admitido pela ONU,

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *