Por que a saúde no Rio fica a cargo de Organizações Sociais e ninguém investiga essas ONGs?

Theo Fernandes

A saúde está no caos,em nosso Estado do Rio de Janeiro, a obrigação constitucional do governo prestar o serviço de saúde hoje está nas mãos de OSs (Organizações Sociais e Ongs). Em nossa capital o prefeito Paes irá dar as OSs mais de um bilhão em 2013.

O governador Sergio Cabral e seu secretário de Saúde Sergio Cortes, participantes e defensores desse sistema, dizem  que essas entidades não têm fim luvrativo. É uma piada, basta fazer uma investigação séria (Ministério Público  e Tribunal de Contas) e os diretores e donos não ficarão bem no “figurino”. E nem não falo dos legislativos, pois muitos parlamentares são bancados pelo sistema.

O “Zé Povinho” paga mais de 5 meses anuais de salário em impostos, para ter atendimento à saúde de forma digna, e o que recebe: péssimo atendimento, com morte e aleijume!!. O jornais citam alguns casos, mas  e os que não aparecem!?

O Ministério da Saúde, Ministérios Publicos, Tribunais de Contas, Controladoria geral da União; Conselhos – Nacional, Estaduais e Municipais, a maioria não cumpre a obrigação legal do “Controle Social”. Infelizmente, esta é a situação do País, o SUS é a grande utopia nacional.

E o caso do incêndio na luxuosa cobertura do secretário de Saúde,  presidente do Conselho Estadual (raposa no galinheiro) não me deixa mentir. Foi levado para o Hospital Samaritano pelo SAMU, contrariando a Legislação, movimentou 5 unidades dos bombeiros, inclusive o quartel central, e deram a desculpa esfarrapada dele ”não ocupar”a vaga de um pobre no Hospital Público, sem contar a ocupação da ambulância do SAMU. É muita falta de vergonha na cara, é taxar o cidadão de idiota.

Na cidade em que vivo, Guapimirim, sou Conselheiro da Saúde, que tambem está no caos, denuncio as autoridades desde 2004, a falta de prestação de contas.  E o que elas fazem é um peixe faz: NADA. Esse não é um país sério e Ruy Barbosa está atualíssimo.

###
FALTA SERIEDADE

Isac Mariano Correa Filho

Eu sou cirurgião-dentista, e também trabalho para o SUS, numa policlínica do Rio de Janeiro.
Nestes meus 15 anos de formado eu realmente tenho notado muita falta de seriedade na área de saúde, deste nosso Brasil. Muito mais na saúde pública, mas não somente nela!

Vejo muitos profissionais levando na brincadeira certas atividades. Contando piadas durante cirurgias, falando de futebol em momentos inadequados, atendendo celulares durante procedimentos que pedem concentração total, passeando de jalecos pelas ruas, restaurantes e lanchonetes, dentre mil outras situações inadequadas.

Tenho a convicção de que há uma cultura da “seriedade parcial” entre os profissionais da saúde, como um todo, mas não generalizo, claro! E essa se reflete, de forma global, em quase toda a saúde no Brasil. Em todos os níveis, do Ministro da Saúde até o mais simples auxiliar de enfermagem do mais interiorano município brasileiro.

Muita coisa precisa ser mudada. Mas deve começar nas salas de aula dos mais básicos cursos de formação de profissionais da saúde. E levará muito tempo. Aliás, tal mudança de cultura sequer começou. Para comprovar isso basta observar como os profissionais tem saído hoje dos cursos.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGEm qualquer país sério, o secretário Sergio Cortes estaria cumprindo pena por enriquecimento ilícito. Como explicar que um modesto servidor público de repente se torne dono de uma cobertura triplex na Lagoa, com cinco vagas na garage, e de uma mansão em Mangaratiba, no condomínio mais sofisticado na região de Angra. E tudo começou quando ele dirigiu o hospital do Instituto de Traumatologia, seu primeiro cargo público de relevo. (C. N.)

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *