Por que a Petrobrás quer vender ao exterior uma área que vale US$ 1 trilhão?

Resultado de imagem para petroleo charges

Charge do Nani (nanihumor.com)

Carlos Newton

Com a proximidade das eleições, o Congresso ficará esvaziado no segundo semestre deste ano, mas está tudo preparado para a aprovação dos direitos de exploração de uma área da Bacia de Santos avaliada em US$ 1 trilhão, valor equivalente à totalidade da dívida pública brasileira, que em julho chegou a R$ 3,7 trilhões. O projeto defendido pela Petrobras, que deveria ser considerado de segurança nacional, foi aprovado na Câmara direto no plenário, sem passar pelas comissões técnicas. Se o Senado confirmar a aprovação, 70% das riquíssimas jazidas da Bacia de Santos podem passar às multinacionais, depois de todo o trabalho de pesquisa, descoberta do petróleo e mapeamento ter sido feito pela Petrobras.

Nessa área, não existe risco algum às empresas que comprarem os direitos. Além da extração do petróleo, as multinacionais também poderão realizar pesquisas e furar novos poços. O mapeamento está todo feito, é só instalar as sondas.

JUSTIFICATIVA? – O projeto que a Câmara aprovou na calada da noite, em junho, refere-se a um acordo de Cessão Onerosa, fechado pela Petrobras com a União em 2010, que permitiu à estatal explorar 5 bilhões de barris de petróleo em campos do pré-sal na Bacia de Santos (SP), sem licitação. Em troca, a empresa pagou R$ 74,8 bilhões.

Nos anos seguintes, porém, a cotação do barril de petróleo caiu muito. Em razão disso, a Petrobras passou a alegar que pagou à União um valor muito alto no acordo de 2010. Sob o argumento de ter direito a ser ressarcida, então preparou o projeto.

Acontece, porém, que o preços subiram de novo, elevando o barril do “Brent” para mais de US$ 70, ou seja, US$ 8 acima do que a Petrobras diz necessitar para cumprir sua meta de alavancagem.

NOVA SITUAÇÃO – O projeto realmente se tornou obsoleto, porque o quadro mudou totalmente. Além de o preço do petróleo ter subido, a Petrobras conseguiu uma façanha extraordinária e desde agosto do ano passado está extraindo petróleo do pré-sal ao custo de apenas US$ 8 dólares o barril, concorrendo com o petróleo mais barato do mundo, retirado no Oriente Médio a US$ 7 dólares. E quando o dólar sobe no Brasil, como ocorreu recentemente, consequentemente o custo do pré-sal cai para US$ 7 dólares o barril, vejam como a Petrobras é uma empresa altamente viável.

A venda de 70% das reservas da Petrobrás, obtidas pela chamada Cessão Onerosa, envolve diretamente até 3,5 bilhões de barris, mas vai permitir, também, a entrega do petróleo do excedente da Cessão Onerosa, avaliado entre 9 e 14 bilhões de barris.

Ao todo, portanto, está se tratando de riqueza potencial de mais de US$ 1 trilhão, estimando-se o barril de óleo a US$ 70, que a Petrobras extrai pelo custo de miseráveis US$ 8 no pré-sal, repita-se ad nauseam, como dizem os advogados.

POR QUE A PRESSA? – Existe um número enorme de projetos no Congresso. Então, por que esta pressa para votar a “reivindicação” da Petrobras, em final de governo? Por que esta proposta trilionária foi direto para votação no plenário da Câmara, sem ser examinada nas comissões técnicas de Economia e Energia?

Aqui na Tribuna da Internet estamos insistindo no assunto, porque a  mídia está pré-falida e se rendeu aos interesses internacionais. Não se vê um artigo sobre este assunto na grande imprensa.

Na próxima semana, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) vai preparar a pauta de votações a serem feitas em estilo relâmpago, devido às eleições. Espera-se que o senador se lembre de que é representante do povo brasileiro e remeta o projeto às comissões técnicas, para que seja conhecido e examinado.

###
P.S.
O valor de US$ 1 trilhão é tão alto que a maioria das nações do mundo nem sabe o que significa.  O nome é “Projeto Aleluia”, como se fosse um assunto religioso, embora se refira à chamada política dos grandes números. Mas será “Aleluia” para quem, cara-pálida? “Aleluia” para o interesse nacional ou para a cobiça internacional? (C.N.)

61 thoughts on “Por que a Petrobrás quer vender ao exterior uma área que vale US$ 1 trilhão?

  1. A TRIBUNA DA INTERNET vai insistir até mais não poder. Mas ela não consegue chamar outros especialistas para dizer que não é bem assim.

    Exemplo?
    Adriano Pires, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e diretor fundador do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

    Quem não quer nem saber de Adriano Pires?
    Paulo Henrique Amorim do blog CONVERSA ‘FIADA’.

    Se Amorim é contra, certamente Adriano será bem vindo para ser ouvido.

  2. Com essa cambada suspeita que está aí na Câmara e Senado, aprovar uma venda dessas é um ato criminoso. Estão largando o poder e não vão mais voltar. No apagar das luzes, pretendem nos deixar na escuridão por muito tempo. Ou vão garantir um bom pé de meia?

    • É revoltante que um assunto desses seja tratado pelos políticos dessa forma. Esse patrimônio não é deles, mas das gerações futuras e não podem decidir isso sem um projeto.bem envasado e discutido a exaustão com a sociedade brasileira, dando toda a publicidade pissivel.

      • Revoltante é uma empresa de petróleo dar prejuízo ao país , e ter os basbacas que dizem que vai vender barato.

        A petrobras é a empresa mais odiada nesse momento pelo povo brasileiro ,e tudo que vem dela já vem podre.

        Qualquer coisa que ficar nas mãos dos seus funcionários vagabundos será prejuízo para o povo brasileiro que escuta a lenga lenga do “petóroleo é acaba pagando a conta para que os seus funcionários não deem um pio quando esta foi assaltada por lula e sua gangue.

        Portanto, é melhor vender tudo, mesmo que seja a preço vil, do que deixar nas mãos bandidas dos seus ociosos funcionários.

        Querem moleza, sentem no colo do lula.

      • Daniela, é um trilhão de dolares! Deixa vender, nós vamos enricar e os gringos vão ver a bosta que eles compraram. Vocè acha que a empresa se livrou totalmente dos corruptos? Mais facil acreditar no Espirito Santo!

  3. A proposta do deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) que vai depender de aprovação do Congresso Nacional para se tornar lei, dá direito à Petrossauro de VENDER CAMPOS DO PRÉ-SAL que ainda não são explorados, campos esses que a estatal detém EXCLUSIVIDADE na produção. (destaques meus).

    Diz Aleluia que quem não quer isso (a FUP esquerdista da Petrossauro e o sindicato da mamata dos engenheiros da empresa) é porque não quer ver o petróleo sendo extraído e só enxerga uma coisa (falsa): o dinheiro indo para a mão do estrangeiro.

    Indago: quem mais roubou até agora na Petrossauro?

  4. A Petrobrás é um mastodonte que vem esmagando os brasileiros há décadas.

    E o petróleo não resolve a economia de país algum. Basta lembrar da Venezuela, que nada em petróleo. Mas logo não conseguirá sequer fornecer água tratada e potável à sua população.

    Esse ufanismo brasileiro de dizer que “o petróleo é nosso” é conversa velha e já desmascarada pela realidade dos fatos. Pois se choca com a verdade de que o pré-sal é um arsenal de mentiras inventadas pelos petistas e seguidores.

    Chega de monopólio do petróleo. Chega de Petrobrás engolindo considerável parte da renda de cada habitante deste Brasil.

    • Belas palavras que elucidam muito bem as basbaquices de jornalistas que se deixam levar pelo ufanismo de ladrões da pátria, usando sempre a lenga lenga do “petróleo é nosso”.

      Refrão de petroleiros malandros e incautos basbacas que se deixam levar por essas malandrices que só servem para dar vida boa a funcionários descompromissados com o Brasil.

      Fora corja de ratos imundos que se metem a entender de energia, e não conseguem frear a corrupção e a má gestão que fez a petrobras ser a única empresa de petróleo no mundo a dar prejuízo ao seu país.

      Privatiza esse monstrego é a única solução, e cobrar dos seus funcionários os prejuízos dados ao povo brasileiro, que tem como vitória a cadeia justa de luiz inácio. Esse não sai mais de lá, pois sua pena só vai aumentar à medida que vão se descobrindo os males que fez ao Brasil.

  5. Extrair petróleo a 7 mil metros abaixo do nível do mar a 7 dolares o barril é MENTIRA. Os árabes extraem a 300 metros do chão a 8 dólares. Só o custo de bombeamento a 7 mil metros custa mais de 6 dólares o barril, fora todo o pessoal. As plataformas estão a 200 km da costa e tudo vai de helicóptero. O colunista tem que passar pelo departamento de Fake News da Globo antes de falar.

    • Pois, é! Quer dizer que tirar petroleo no fundo do mar, usando navios, sondas, plataformas, submarinos, mergulhadores, helicopteros e todo tipo de treinamento e equipamentos de segurança tem custo semelhante ao dos paises arabes, que em varios poços usam estruturas antigas??

        • Carlos Nilton, me desculpe, mas acho que você está equivocado. Eu até admito que a pressão é grande, mas a coisas não resulta no que você pensando para sustentar seu argumento.

          • Busque no Google custo da extração do petróleo. É coisa simples. Vais ficar sabendo que o mais barato é extraido a 7 dólares o barril, no Oriente Medio.

            Antes de questionar o que está correto, procure se informar.

            Abs.

            CN

    • “A verdade está lá fora”, o custo é esse mesmo. Sabe por que?

      Porque é muito Petróleo, entendeu ou quer que desenhe, quanto mais Petróleo menor será o custo.

      A culpa desta entrega das riquezas é de vocês, coxinhas, que apoiaram o impeachment da Dilma e agora não dão o braço a torcer.

      Nenhum país do mundo faz esta entrega tendo uma empresa como a Petrobrás.

      O Carlos Newton está com 100% de razão.

      Acorda cara, se o custo fosse maior as empresas estrangeiras não viriam. Quer um desenho de novo?

      • Não há necessidade de desenhar. Serei respeitoso: o quer dizer MUITO? Estás a tratar de QUANTIDADE? A Venezuela tem MUITO, em compensação produz uma merreca. A Colombia que tem MENOS que a VENEZUELA, produz mais.

        Os EUA tem MENOS petróleo do que a Arábia Saudita, mas quase não importa mais. ‘Fracking’ virou uma febre.

        Preço em petróleo é político. A relação preço com quantidade não se sustenta. Se você for da área de petróleo saberá do que estou a falar.

        Pode faltar (não desaparecer) tijolo na construção civil que o preço não sobre tanto, mas faltou cimento…

        Meu caro, escreva aí, com certeza: você não chegará à minha idade hoje com o petróleo como combustível fóssil. E quem tiver guardado bilhões de barris amargarão.

        Nada haver com coxinhas, Dilma, Temer, e tantos outros. Nada a ver nem com roubalheira. O que falta é visão (tecnologia, ciência mesmo), estratégia política para sair desse eterno fetiche.

        Eu nem estou dizendo que “tem que dar para os estrangeiros”. Veja a Noruega neste aspecto.

        • Eduardo, você está certo. Esses comunistas só querem mamar. Uma hora falam que temos que proteger o pretoleo, depois falam que temos que substitui-lo por energia renovável, mas se revoltam quando falamos em vender logo antes que perca o valor.

          Por mim, venda logo, precisamos do dinheiro para salvar vida hoje nos hospitais, na segurança e educação para as gerações futuras.

    • Boa!

      Vamos mostrar quem são esses colunistas que ficam gorando o Brasil e levantando a bola para petroleiros vagabundos que querem participações em lucros mesmo com a petrossauro dando prejuízos nao povo brasileiro.

      Fora daqui ratos pretos, encardidos de se alimentarem â s custas do suor e sangue do sofrido povo brasileiro.

      Vão trabalhar na iniciativa privada para ver o que é bom para as doenças de petroleiros barrigudos de tanto nada fazer para no final do mes receber boladas de dinheiro sujo extraídos da miséria de um povo trabalhador e que paga a conta de bandidos desfarçados de funcionários da petrobras.

    • Leia a entrevista eufórica do então presidente da Petrobras, em agosto de 2017, e verá que a verdade não está lá fora. O petroleo das profundezas sai com muito mais pressão, em maior quantidade.

      CN

  6. Estamos em agosto, final de um mandato polêmico do MDB e portanto, o sensato e ético seria deixar esta aprovação para o próximo presidente, câmara, senado, etc.
    Quanto à questão técnica é importante avaliar com mais detalhes qual será o valor a ser recebido pelo país e limites definidos para esta exploração. É sempre bom lembrar que o petróleo irá entrar, em algum momento numa curva de queda pois as energias alternativas estão se tornando economicamente viáveis (solar, carro elétrico, eólica, etc). Desta forma o que vale hoje talvez não tenha tanto valor amanhã.

    • A meu sentir, esta não me parece ser a questão de fundo, ou questões.

      Há mais de 70 anos que o assunto o ‘petróleo é nosso’ e variantes, permanece como um discurso rigorosamente sem fundo.

      Parece-me um despautério ficar gritando que o petróleo é nosso, quando o nosso permanece lá no fundo e não vira riqueza?

      O discurso de que o ‘estrangeiro’, as ‘multinacionais’, e uma penca de outros fantasmas estão interessados em tomar o que é ‘nosso’ é puramente um delírio. Delírio total.

      O rico que guarda com medo de perder, bem poderá perde-lo se não investir.

      Eu até concedo que o argumento de que “Mas na Arábia Saudita é do estado [ARAMCO] e a petrobras poderia ser igual” bate de frente com a esquerda que tem pavor de ver aquilo lá extraído e cair nas mãos da EXXON e outras.

      Meu Deus, que loucura!

      É fato que a Petrossauro desenvolveu tecnologia de ponta para extrair abaixo do pré-sal. Mas que diabos que não se desenvolve uma capacidade intelectual, jurídica e legal para tornar aquilo fonte de riqueza?

      Cansa, as vezes realmente cansa ficar ouvindo que o petróleo é nosso. O meu, isto é, aquilo que o petróleo poderia me dar, permanece longe de mim, de meus filhos e netos.

      O Brasil parece que só sabe pensar na modalidade fetiche. Vale do Aço, Volta Redonda, areia monazítica (lembram?), informática, e por aí vai.

      Se petróleo fosse riqueza, o Japão seria pobre, e a Rússia, opulenta. Parece que a gente vive uma eterna imbecilidade coletiva!

      Vi uma foto de sindicalistas vestido a caráter (vemelho) tentando convencer deputados a votar contra o projeto do deputado Aleluia.

      Esse pessoal não entende de nada. Só sabe abrir e fechar torneira de válvula de escoamento.

      Petróleo demanda alta tecnologia, e essa pelegada vem com um discurso que só pode dar em alterar a data do neolítico para o paleolítico.

      Haja fetiche!

    • Sensato e ético, KKKKK, este governo está aí justamente para isso, não ter sensatez nem ética.

      “Desta forma o que vale hoje TALVEZ não tenha tanto valor amanhã.”

      Você usou a palavra talvez, e talvez não é certeza,

      Cai na real, os estrangeiros não estão pensando em talvez, só você.

      Você está defendendo tudo isso???

      • O que acho política e socialmente mais correto é fazer uma ampla discussão no próximo governo, que no final das contas é quem vai descascar o abacaxi fiscal do país. Este assunto, feito às pressas está cheio de dizmediz e, pela complexidade técnica e econômica que envolve, precisa de mais informações e opiniões de todos os setores.

        • Engraçado, ninguém propõe um grande debate sobre a sonegação para tentar resolver o déficit fiscal.

          Ps. Não trabalho na Petrobrás.

        • “…mais correto é fazer uma ampla discussão…”

          Na empresa era assim, não passa a questão? O assunto? A proposta?

          Bastava abrir a questão para uma ‘ampla discussão’. Era batata. Não passava nem vento.

          A ideia de ‘grande debate com a sociedade’ em países latino americanos (e não estou falando com desdém) não funciona, Vira um tal de cada um quer falar, uma briga sem fim por “agora é minha vez”.

          O oposto também é ruim: resolver as questões em gabinetes fechados. Tenho uma manga na camisa? Não.

          Mas posso informar com segurança que se você estiver em uma reunião de executivos de uma determinada empresa GRANDE, a primeira vez que você abrir a boca e sugerir “amplo debate”, será a sua primeira e última vez.

          Imaginem se fosse feito um amplo debate sobre BOEING-EMBRAER na modalidade grande debate!

          Não apenas não aconteceria a ‘casadinha’, como a EMBRAER iria para o brejo.

          O grande, o grande mesmo sabe e está longe de “debates” inúteis.

          Eu quero que o meu voto seja aquele que coloque ‘lá’ um sujeito que sabe mesmo, e não um que quer abrir a questão para ‘debater com a sociedade’.

          Nosso atraso, em parte, em parte apenas, tem a ver com o discurso. Santo Deus, como somos palpiteiros!

  7. A. Sun Microsystems fechou as portas; a Psinet, a Nortel,a ToysRus, a Avaya faliram. É problema dos acionistas. Assim deveria ser com a Petrobras se ela fosse privada. Que se ferre. As simple as that!

  8. CN, essas almas negras traidoras da Pátria, dos 3 podres poderes, já tem garantido o Ranger de Dentes, por sua obras malignas sobre 220 milhões. 89 anos, e ver a que ponto a corja leva o Brasil a republiqueta democradura. Dia 07/10, votamos com honra e dignidade, para salvar o Brasil, tirá-lo de ser “senzala”. Tiradentes morreu por uma Pátria Livre Soberana, dando exemplo de Dignidade, e cabe. hoje a nós, repudiar esses ladrões hediondos da caneta e seus partidecos de merda, Deus nos emprestou uma casa, com uma natureza sem igual no Mundo, um povo fraterno, que a corja manipula através da falta de escola, conforme Confúcio pregava: “Uma Nação se faz com escolas que ensinem”. Roguemos a Deus por sua Misericórdia, mas, façamos nossa parte de pontar nossa Consciência – Tribunal Divino, que nos julgará por nossas “Obras”.
    PS. As FFAA, guardiãs da Soberania Nacional, onde anda!?!???

  9. Petróleo é poder. Se estudarmos a História da Humanidade nos últimos dois séculos, grande parte das guerras foi causada pela disputa pelo petróleo. Não existe nesse ramo o certo e o errado. O que existe é simplesmente quem pode mais e quem pode menos.

    Só que para atingir seus objetivos, as corporações precisam ter uma influência avassaladora sobre as instituições do Estado e principalmente sobre a mídia.

    Para fazermos uma analogia, veja a dívida pública federal e seus encargos. Esse é o principal problema do Brasil e do mundo em geral. Os países estão superendividados e quem sofre é a população, principalmente por falta de recursos para programas sociais.

    Mas quem fala sobre isso, principalmente na mídia nacional e internacional?

    Os detentores dessa dívida tem o controle absoluto sobre tudo e desviam a atenção da sociedade, principalmente através da mídia para outros assuntos.

    Quando foi proposta a Auditoria Cidadã da Dívida, pela auditora aposentada da Receita Federal Maria Lucia Fattorelli, quem vetou foi a ex-Presidente Dilma.

    Essa dívida já está atingindo a totalidade do PIB, os encargos já ultrapassam 400 bilhões de reais esse ano, são crescentes e não estão sujeitos a qualquer limitação. E ainda estamos vivendo em déficit primário desde 2014, ou seja despesas acima de receitas.

    Lembre-se que a PEC do Teto de Gastos valerá por 20 anos e não é reversível pelos próximos governos.

    A mídia não discute esses assuntos e quando os cita é de forma superficial.

    Repito, muitos assuntos em nossa sociedade, não estão no campo do certo e do errado, do justo e do injusto.

    É preciso conhecer e se aprofundar nos interesses envolvidos.

    • Borges, quando você mencionou, por analogia, dívida pública, tive que partir caminho com o seu raciocínio.

      Qual nação — junte todas — está livre neste aspecto?

      Um amigo meu que esteve recentemente no Japão contou-me uma historinha fascinante: o problema do Japão não é dinheiro. Têm demais! O problema é que o japonês estoca e não quer gastar! O país está com uma dívida, continuou ele, do tamanho de um Himalaia (exagero para fazer o ponto) porque mesmo com o custo do dinheiro quase, quase, quase zero, ninguém quer pedir dinheiro emprestado. Aí a coisa não gira, não rola.

      Digo com segurança a você: a Alemanha tem uma dívida monstruosa. Mas ela não abusa do talão de cheque, e confia em sua indústria.

      O que estou dizendo é que não se trata de pagar uma dívida (no caso do Brasil seria uma tragédia). O que dever-se-ia fazer era administrar essa dívida.

      Aqui não. Dizem que o Meirelles mata um leão por dia (não sou a favor dele, não sou MDB) porque o governo quer porque quer aumentar impostos, ou então subsidiar um monte de gente.

      Imagina você se a Angela Markel fizesse um negócio desses.

      Nos EUA o FED ou o banco central americano não é do Estado. O governo americano tem representantes lá, mas ele não é como o nosso, estatal.

      O que estou a dizer? Não é por aí, conforme li em seu comentário. Aliás, respeitoso.

      • Caros Borges e Eduardo … o MDB SEMPRE foi pela responsabilidade fiscal!!!

        1 – Na Constituinte colocou a prioridade de se pagar juros da dívida no Orçamento (dizem que foi o Jobim, claro que com a anuência do Ulysses).

        2 – Acontece que na época a dívida era controlada.

        3 – Logo, Jobim e Ulysses pensavam no futuro … advertiam para não se fazer novas dívidas, né???

        4 – Tanto que a intenção não era beneficiar os rentistas … que outro dispositivo constitucional … limitava os juros a 12% ao ano!!!

        5 – Não foram governos do MDB que foram fazendo novas dívidas!!!

        6 – Não foi governo do MDB que tirou os 12% da CIDADÃ … em vez de regulamentá-los, né???

        7 – Agora cabe ao MDB novamente viabilizar Pindorama … com Ponte para o Futuro e Travessia Social!!!

        Um aperto de mão.

        • Ao misturar Jobim com Ulisses eu me arrepiei, todo! O primeiro não apenas vende a mãe, mas aproveita e entrega em domicilio.

          O outro, ainda que seja o ‘pai’ da ‘constituição cidadã’, uma mistura de gato com macaco, tinha um padrão moral um bocado de outro verniz político.

          • A CIDADÃ foi promulgada em plena Era Gorbachev … e o Constituinte deixou que o eleitorado decidisse … Monarquia ou República … Presidencialismo ou Parlamentarismo … … … cabe respeitar o que foi escolhido, né???

      • Boa Tarde Eduardo,

        Concordo com você que o mundo inteiro está superendividado.

        Só que cada país lida de uma forma diferente com suas dívidas, como você afirmou.

        Nessa semana assisti um video com o Professor e Filósofo Vladimir Safatle da USP, conhecido em todo o país e ele afirmou que o fenômeno da financeirização da economia é que ninguém quer mais investir na produção e sim no mercado financeiro. O famoso rentismo.

        Na última semana foi divulgado que os brasileiros tem US$ 500 bilhões no exterior. Esse dinheiro não se transforma em investimentos produtivos que geram emprego.

        A minha preocupação, que talvez não externei nesse comentário, é justamente os valores gigantescos que circulam no mercado financeiro mas que nunca se transformam em investimentos que geram empregos e o desemprego é um grande pesadelo nesse momento para os brasileiros.

        Muito obrigado pelo comentário que complementa os meus conhecimentos.

        Saudações.

    • Claro que é melhor ter divida interna do que externa, mas precisava ter todo esse custo insuportável?

      Um dos argumentos mais usados pelos petistas na defesa de Lula, é que o ex-presidente pagou a dívida externa brasileira, recuperando crédito junto ao FMI. Esse foi o discurso do PT para a classe menos informada do país, e que por absoluta tristeza nossa, compõe a maioria dos brasileiros.

      No dia 22 de fevereiro de 2008, o Governo Lula anunciou, por meio do Ministério da Fazenda e do Banco Central, que a dívida externa brasileira havia sido quitada. E ainda mais: já éramos até credores.

      Tal notícia foi estampada, na época, na manchete dos principais jornais do país, como, por exemplo, no jornal Estado de S. Paulo: “O relatório divulgado ontem pelo Banco Central, segundo o qual o Brasil, pela primeira vez em 508 anos de história, deixa o papel de devedor e ingressa no seleto time dos credores do mercado internacional, é a consolidação de uma virada histórica”.

      Quando Lula assumiu o seu primeiro mandato em 2002, a dívida externa era de R$ 212 bilhões, enquanto a dívida interna era de R$ 640 bilhões. Ou seja, o total, dívida externa mais interna, chegou aos inacreditáveis R$ 852 bilhões.

      Em 2008, quando Lula assumiu ter pago a dívida, a dívida externa caiu para 0, já a interna chegou a – pasme – R$ 1,4 trilhão. Total da dívida: R$ 1,4 trilhão – 65% do PIB do Brasil. Agora em 2013 passou de R$ 2 trilhões!!

      Mas por que nosso endividamento aumentou tanto? Então aí vai a resposta que os petistas que tanto abrem a boca pra falar em “elite e burguesia” não queriam ouvir: Para pagar ao FMI, Lula captou dinheiro junto aos banqueiros, que compraram os títulos da dívida (pagaram ao FMI). O Brasil, que pagava 4% de juros ao ano para o FMI, passou a pagar 19,5% ao ano para os banqueiros, beneficiando-os.

      Ou seja, os banqueiros, ou a “elite” satanizada pelos petistas passaram a ser donos do Brasil, e que foi entregue por Lula para sustentar uma mentira política. E esses dados são da CPI da Dívida, que ocorreu entre 2009 e 2010 da Câmara dos Deputados, com farta documentação do Ministério da Fazenda e do Banco Central, sendo assim INCONTESTÁVEIS!

      Os efeitos colaterais sobre a população
      Mais uma vez os petistas desinformados haverão de chorar na cama, que é lugar quente. Ainda com um endividamento crescente, Lula não deixou de pegar novamente dinheiro no FMI. Não para pagar qualquer parcela da dívida interna que se avolumava, mas para sustentar os falsos programas sociais como PAC e obras faraônicas superfaturadas que nunca foram concluídas.

      Além de pagarmos juros extorsivos aos banqueiros, passamos a dever também, novamente ao FMI. Isso causou um impacto na economia sem precedentes, e posso dizer que vivemos numa bolha de endividamento prestes a estourar, pois já chegamos a quase R$ 3 TRILHÕES no nosso endividamento total. Isso porque Lula assumiu com um endividamento de R$ 852 bilhões e fez o “favor” de mais que triplicá-lo.

      Assim, tornou-se impraticável qualquer pretensão de reforma tributária, e o que aconteceu foi o contrário: A carga de impostos aumentou e foi regressiva, prejudicando as classes menos favorecidas. Lula deu vários incentivos para que a indústria barateasse seus produtos (mais uma vez a elite), estimulando o consumo. As indústrias tiveram a chance de vender seus produtos com prazos longos, lastreados pelos bancos e financeiras que já estavam com os cofres abarrotados.

      Por outro lado, Lula deu uma falsa vantagem ao povo de baixa renda, pois carregou nos impostos sobre os produtos, diminuindo o poder de compra da população carente. O pobre podia comprar a TV dos sonhos, mas em prestações com juros extorsivos, e achando que Lula era “o cara”. Só enriqueceu mais ainda os bancos.

      Já não bastasse a população estar com pele de vira-lata mas latindo como pastor alemão, iludida por Lulla, esta também foi a mais prejudicada e achatada pela política populista do PT, pois o Brasil chegou a ter 43,8% de sua receita total comprometida com a amortização da dívida e pagamento de spreads (juros) tanto ao FMI quanto aos banqueiros, e com isso sacrificou todos os investimentos em serviços públicos.

      Vejamos em 2011 como a nossa receita foi distribuída:

      Amortização da dívida e pagamento de juros: 43,8% da receita

      Saúde: 4,17% da receita

      Educação: 3,34% da receita

      Trabalho: 2,42%

      Ciência e Tecnologia: 0,34% da receita.

      Cultura: 0,05% da receita

      Saneamento: 0,04%

      Ou seja, tudo aquilo que é essencial ao povo brasileiro representou APENAS 10,36% do dinheiro aplicado pelo governo, sendo que foi aplicado QUATRO VEZES mais só para beneficiar banqueiros e pagar dívidas.

      Lula pagou alguma coisa, ou nos colocou no caminho da falência financeira e social

      • Sandoval, regra máxima de um gerente de banco local onde moro: “o banco não se interesse pelo cliente que não se endivida. Ele quer mesmo é o cliente que compra o portfólio, se endivida com segurança, e paga direitinho.”

        Acho que essa é uma regra boa para países também.

    • Caro sr. Observando … petróleo, só se sabe que é mesmo o esperado, quando é extraído … quando são feitos mais furos.

      Foi isso que Eike aprendeu!!!

      O grande problema da Petrobrás é que sai mais água do que o esperado em vez de petróleo!!!

      • Quer dizer que os estrangeiros “otários” estão comprando água salgada?

        Teve uma empresa que agradeceu ao governo pelo grande negócio que o Brasil fez para essa empresa.

        • O problema é que a Petrobrás era para estar produzindo uns 4.000.000 de barris por dia … e, apesar dos bilhões investidos, a produção não aumenta (em relação ao investido) desde 2.009 … uns anos atrás o estadão publicou sobre a questão da água – e depois ninguém mais falou!!!

          Estão paradas as obras das refinarias de Fortaleza e São Luís … a finalização de Recife também parada … a Comperj reativará com dinheiro chinês!!!

          A Petrobrás precisa fazer dinheiro para acabar o que está pela metade!!!

          Sem contar a injustiça de não ter refinaria em Campos dos Goytacazes, né???

          • “Estão paradas as obras das refinarias de Fortaleza e São Luís … a finalização de Recife também parada … a Comperj reativará com dinheiro chinês!!!”

            Fortaleza e São Luiz deve fechar. São inviáveis. Abreu e Lima no grande Recife foi construída para petróleo pesado Venezuelano, espécie de liquidificador antigo. Está condenada, salva uma parte apenas. Quanto a COMPERJ a única que tinha um certo valor, é uma máquina de triturar dinheiro e vai demorar.

            Em todas essas aí a racionalidade foi para a queima dos exaustores, e entrou a máquina de produzir petróleo e gás para não funcionar.

        • Não é bem assim, Observando. A área é avaliada como propensa a produzir. É realmente um jogo de dados, configurações, análises, mas não é certeza. Opera-se, no popular, com “boas chances de”.

          Ocorre que, por vezes, o poço produz x barris, e continua a produzir, agora, xx barris. Mas subitamente começa a diminuir sua produção.

          Quando um investidor compra uma área para produção, ele está comprando um pacote com a ‘observação’ de que poderá dar zebra.

          A Petrobrás sabe com muita segurança onde as chances são boas.

          O investidor também, ele não compra ‘água salgada’, mas ele sabe que está comprando risco.

          Exceção no exemplo, ao caso de Eike, que recentemente declarou que de petróleo ele só sabia abastecer seu carro.

        • Só descobriu que era engodo … quando perfurou, ampliando a área … … … as sondagens iniciais não se confirmaram – em relação ao tamanho do depósito!!!

          Há petróleo, sim … porém, só em volta dos furos da sondagem … os novos poços foram vazios … ou seja: os depósitos não tinham o tamanho que a GEOLOGIA indicava!!!

          • Ferreira, Eike se ‘engodou’. Aliás foi um ‘engodar’ bem pensado. A banca e o CVM acreditou.

          • Eduardo, meu caro … Eike custou a adensar a confirmação do tamanho das jazidas por causa da dificuldade de se encontrar sonda para alugar.

            Foi crendo nas pesquisas iniciais … e quando conseguiu as sondas – deu no que deu!!!

  10. Depois de todos os fatos escancarados de que estatal aqui no Brasil não pertence ao povo e só serve a políticos que fazem a festa com elas, ainda tem gente com essa obsessão doentia de que estão roubando o nosso país pelos investidores.

    E, o fato é que o tal diesel, daqui a alguns anos deixará de ser usado no mundo inteiro, sendo substituído por eletricidade nos motores.

    É muito “patriota” que quer nos salvar. Esse é o problema de sermos esse shit-hole do mundo .

  11. Então concordas que a Petrobras é de um grupo privado, os concursados? Segundo teu raciocínio ela não é do povo brasileiro.

    • Errado.
      Ganha muitíssimo bem.
      A Petrobrás não tem muitos deles em seu quadro. Saíram quase todos. São executivos que trabalham para a companhia.

      Empresas de prospecção de petróleo contratam esse pessoal porque não dá para pagar o que valem.

      Engenheiro na petrobrás é como engenheiro em construção civil.

    • Corrigindo:
      Ganham muitíssimo bem no Brasil. Engenheiro de petróleo os países asiáticos estão oferecendo gente competentíssima também. E lá perto. Muitos vêm estudar na Universidade da Pensilvânia.

  12. Carlos Nilton, me desculpe, mas acho que você está equivocado. Eu até admito que a pressão é grande, mas a coisas não resulta no que você pensando para sustentar seu argumento.

      • Vc acha que na minha empresa eu trabalho com google para obter informações de primeira linha? Eu acho que google ficará de bom tamanho para os artigos que foram publicados aqui.

  13. Sou defensor ferrenho da privatização dessa empresa, a Petrobrás, que é uma parasita dos brasileiros.
    Mas sofremos desse monopólio por tanto tempo, pra quê apressar a venda de ativos? Vamos fazer as coisas de maneira correta e sensata. Sem apressar.

  14. Aviso aos navegantes:
    Não vejo necessária esta discussão ou debate em torno da Petrobrás quanto a ser privatizada ou manter-se estatal.

    LEMBRO que, na França, o prazo máximo para motores à combustão – qualquer veículo – está determinado até 2.030!

    Após este ano, somente veículos elétricos!

    No resto da Europa até 2.040.

    Nos Estados Unidos, mais precisamente no Estado da Califórnia, onde são vendidos a metade dos carros elétricos existentes no país, o governo DOA para o comprador $10.000,00 (dez mil dólares) para incentivar o consumo desses automóveis!

    Caminhões elétricos já estão fazendo testes aqui, no BRASIL, pelo menos os menores, até sete toneladas de carga.

    Logo, esta imensa reserva de petróleo existente será inútil, sem qualquer necessidade de ser explorado.

    Agora, acho que petróleo não deve ser privatizado, pois não só estratégico como fundamental às nossas defesas.

    Se a estatal foi pessimamente administrada até o presente momento, pois os presidentes que tivemos nomeavam seus diretores com o intuito de roubarem a empresa, que se mude esse método prejudicial, porém que permaneça a Petrobrás estatizada.

    Eu mesmo, dia desses com raiva do que fizeram com a estatal, pedi pela sua privatização.
    Duas questões:
    Quanto seria o seu valor?
    E o que seria do dinheiro obtido?

    Sem dinheiro porque depois desviado, e sem petróleo porque privatizado, ou seja, sem mel e nem porongo!

    • Caro Bendl … pelo que sei … no fim da estatização russa … as empresas tiveram seu capital distribuído pelos cidadãos … não foram vendidas ao capital internacional!!!

      Aí, cada um fez o que desejou com suas ações!!!

  15. Os venezuelanos defendem ferozmente o monopólio estatal do petróleo. Vão muito além disso, todo o sistema atacadista/varejista(supermercados) são adminstrados diretamente pelos funcionários da estatal.
    Deu no que está dando, verdadeira desgraça, milhões de famintos nas ruas catando lixo.
    Por outro lado, num país civilizado como a Noruega a riqueza do petróleo é revertida para a população, o petróleo é explorado por uma estatal.
    Que modelo devemos buscar? Ambas são estatais, PDVSA e Statoil. Infelizmente a Petrobrás está muito mais para PDVSA que não passa de uma fonte de poder politico que suga as riquezas da nação. Acho que a Petrobrás pode e deve ser “menos estatal”. Tem que haver uma maior diluição do capital e uma uma menor interferência politica(dos politicos) nos rumos da empresa. Tem que no minimo se buscar uma maior profissionalização da empresa. A empresa e os politicos a serviço da Nação e não a Nação a serviço da empresa e dos politicos,

  16. Só falta fazerem do nosso país um museu a céu aberto de carros que, depois da proibição de serem movidos à combustão no resto do mundo, nós ainda andarmos em veículos abastecidos com gasolina e diesel, de modo a gastarmos nossas reservas!

    Quer apostar, meu caro amigo Lionço?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *