Por que nuvens antidemocráticas começam a navegar sob o céu de Brasília?

Resultado de imagem para democracia charges

Charge do Duke (dukechargista.com)

Pedro do Coutto

Em excelente artigo publicado domingo no Globo, a jornalista Miriam Leitão focaliza e destaca o que podemos chamar de adensamento de nuvens antidemocráticas sob o céu de Brasília. Ela chama atenção para a existência de fatos que refletem tendências totalitárias do governo Bolsonaro, como tais tendências fossem se fechando como um anel no Planalto.

A jornalista acentua uma série de fatos que caracterizam uma situação de anormalidade no quadro político em torno do governo. As contradições são muitas e as soluções poucas. Há incertezas nos atos oficiais, daí resulta o fato de avanços e recuos nas páginas do Diário Oficial.

MILITARIZAÇÃO – Isso de um lado. De outro uma militarização que ocupa espaços no Palácio do Planalto, com a convocação de generais da ativa para funções no Executivo. Mas não é esse, na minha opinião o problema central. O problema central é que em um ano de governo não se estabeleceu um rumo definido para enfrentar problemas que se eternizam na concentração de renda.

As medidas projetadas e executadas não se voltam para panoramas construtivos, e sim para cortes na remuneração do trabalho, como se o emprego estivesse fora das cogitações. Claro, num rumo assim confuso não podem surgir fatos positivos para a sociedade.

Uma sociedade extremamente carente, bastando dizer que metade das cidades do país não possuem sistema de tratamento de esgoto.

CONSUMO BAIXO – Não é possível, com a restrição e os cortes de direitos sociais, elevar-se o mercado de consumo. A menos que o mercado de consumo possa surgir e se expandir cruzando a fronteira para o endividamento. Não há outra alternativa de crescimento, se os 200 milhões de brasileiros não tiverem poder de consumo para viver dignamente. É preciso não esquecer, o que o ministro Paulo Guedes vive esquecendo, é que 1/3 da mão de obra ativa está contida na faixa de até 1 salário mínimo.

Na verdade, Miriam Leitão destacou um ponto extremamente importante que se encontra num anel de segurança que começa a apertar a formação democrática do país. Há também um clima de incerteza que coloca em sobressalto as classes trabalhadoras: qual será a medida a surgir amanhã no horizonte do Planalto?

O presidente Jair Bolsonaro apresenta um alinhamento ortodoxo clássico do conservadorismo.  Mas o pior é que ele não demonstra noção de como é contraditória a eleição que o levou ao poder e a rumos diversos daqueles que o consagraram nas urnas de 2018.

SEMPRE EM CAMPANHA – Aliás, a contradição não se esgota aí. Encontra-se no fato de que a campanha eleitoral para suceder Michel Temer já foi absolutamente enterrada e ultrapassada. Nos seus contatos diários com jornalistas na manhãs do Alvorada, porém, Bolsonaro dá a impressão de que não está tentando governar para todos os brasileiros, mas sim repetindo lances próprios a uma campanha eleitoral.

O artigo de Miriam Leitão foi altamente importante porque iluminou, não só a forma de atuar do governo, mas principalmente a ausência de conteúdos que possam levar ao progresso social.

Ela acendeu uma luz bastante forte e iluminou a estrada institucional do nosso país. As sombras se apresentam, é tempo de dissipar lances que podem ferir e balançar a democracia brasileira.

16 thoughts on “Por que nuvens antidemocráticas começam a navegar sob o céu de Brasília?

  1. M. Leitão é tão obstinadamente tendenciosa à derrubar o Bolsonaro quanto o Capitão em destruir determinada Imprensa.Não vejo nada de brilhante no artigo de Madame Leitão assim como também não ,nas palavras impensadas ,proferidas diariamente pelo Planalto Central. Acho que o Jornalista acordou apaixonado pela M Leitão…

  2. Nada contra os militares, mas o que leva Bolsonaro a militarização incluindo generais da ativa dos principais espaços no Planalto, isso não reduz a capacidade de diálogo político e dá a impressão de que Bolsonaro se sente inseguro?

  3. O viés estabelecido pela imprensa, na sua maioria de jornalistas ligados à política, sempre acusa o governo e tenta nos influenciar, que o Planalto trama contra a democracia.

    Qualquer pessoa com um mínimo de discernimento sabe que não há democracia no Brasil, mas uma pantomima, um teatro sem qualquer qualidade sobre a “festa popular”.

    E, justamente os que operam e trabalham vigorosamente contra a democracia é o legislativo e o judiciário.
    O primeiro porque sabidamente corrupto, venal, ladrão, vagabundo, perdulário, irresponsável e só legisla em causa própria;
    o segundo, pelo fato de impedir a prisão de ladrões egressos desta política deletéria que temos, e guardião fiel da … impunidade!

    Ora, se não temos poderes que de fato mantém o Estado, País, Pátria e Nação porque somente agem em benefício próprio ou na preservação do sistema que os alçou à condição de castas, definitivamente a democracia nacional não pode ficar restrita às eleições tão somente, se o sistema permanece o mesmo quanto à pobreza e miséria, desemprego e analfabetismo, segurança e saúde pública, ou seja, sem qualquer atenção e medidas para recuperar essas áreas vitais para o povo e país.

    A jornalista Miriam Leitão jamais será isenta e profissional suficiente quando escrever sobre os militares, em face do seu passado de união aos subversivos que roubaram, realizaram atentados com mortes, sequestraram, em nome de mudanças no Brasil para uma ditadura do proletariado, menos lutar pela restauração da democracia como ainda mentem para a população.

    Qualquer sinal de um militar ocupar um cargo no ministério de Bolsonaro, então as críticas e suposições de manobras antidemocráticas, ainda mais com a escolha de um general para a Casa Civil, considerada pela mídia como um escândalo e demonstração cabal de golpe que se avizinha.

    Como se os integrantes das FFAA não fossem também cidadãos brasileiros, porém somente assim considerados os civis, não bastassem nos últimos trinta anos o quanto os presidentes paisanos nos roubaram, exploraram e manipularam!

    Que já introduziram no país, inclusive, uma ditadura legislativa e judiciária, colocando o executivo à mercê de suas decisões e vontades!

    Miriam Leitão não se equivoca, mas propositadamente leva incultos e incautos a comungarem de suas ideias de renascimento de outra ditadura militar no país, como se Bolsonaro e seu vice, general de Exército, não tivessem sido eleitos pela maioria do povo!

  4. O grande e experiente Jornalista Sr. PEDRO DO COUTTO aparentemente vê no Artigo da Jornalista/Analista MIRIAM LEITÃO, a possibilidade da Política Neo-Liberal Laissez-Faire do Governo BOLSONARO/MOURÃO não levar a rápido e necessário crescimento da Economia ( Redução grande do DESEMPREGO), e o provável retorno do PT-Base Aliada ao Poder, ( Presidente LULA (74)), como aconteceu na Argentina 2019, isso causando uma grande Crise Institucional.

    Pode acontecer. Se as Pesquisas de Opinião Pública realmente apontarem para a volta do Poder PT-Base Aliada, aí vamos ver a força da nossa DEMOCRACIA de verdade.

  5. Jamais me imaginaria da grandeza do mestre Pedro ou com o estofo da Miriam, mas comentando o artigo do mestre Pedro dia 15, postei o seguinte comentário:

    Apenas corrigido nos erros motivados pela pressa e celular.

    Pode ter ficado meio incompleto pois o assunto e vasto e o comentário não é um lugar para teses complexas, mas estou ao lado do Pedro e meu Deus do céu da Miriam (????)
    Vou ter que o artigo completo

    ” Mestre Pedro mostra mais uma vez nossas feridas.

    Governo novo, com propositos novos mas sem norte, sem projeto, sem adesões de peso, sejam de politicos de movimentos, de personalidades e da sociedade.

    Fora alguns partidários e poucos cidadãos que querem um futuro para o Brasil, a realidade é que todos perceberam que Bolsonaro não tem apoio e não vai conseguir governar.

    Então, como urubus a espera da carniça, vão voando em círculos dando uma bicada aqui outra acola e …….mais 04 anos perdidos.

    A imprensa, comunista ou venal, ou sedenta de sangue, faz com magnifica eficiência sua parte.
    Bolsonaro vai para o único lugar que pode ir.

    Os militares

    Ainda bem que parece não ser um grande líder, nem entre os mesmos (militares) senão estaríamos quase maduros para uma quartelada à la Chaves. (estamos maduros para chegar a Chaves, que resultou no Maduro…interessante)

    depois vamos lamentar:

    Mas e a democracia????

    Onde estão os luminares do Brasil, de qualquer área, que estejam dispostos a pelo menos não torpedear qualquer iniciativa de Bolsonaro?

    Também tenho criticas a Guedes, mas qual a opção?

    Quais as ideias que podemos discutir?

    Quais os atores que podemos escalar??

    Basicamente, só temos a critica raivosa, ideológica, performática, de moeda de troca.

    Paremos para pensar:

    Só existem três saídas:

    Ou ajudamos o governo;

    Ou ele sucumbe ao velho centrão e seus representantes e moedas;

    Ou ele se atira numa aventura ditatorial.

    A escolha é nossa.

    Chega de brincadeiras

    Leia um Livro de Paulo Schilling ” Como se coloca a direita no poder””
    A esquerda ate a saída da Dilma e agora de novo, ajudada por toda intelligentsia” brasileira pode estar fazendo o mesmo.

    Bater em Bolsonaro, por qualquer motivo, vai dar mais razão a sua raiva e visão deturpada do mundo em que é só habitado por inimigos…

    Depois quando vierem, um cabo e dois soldados, nao vamos saber o que aconteceu

    Bolsonaro é difícil, e teimoso, é paranoico, mas seguramente esta só.

    • Sr. Duarte,

      “Bolsonaro é difícil, e teimoso, é paranoico, mas seguramente esta só”.

      Só discordo quando diz que ele está só.
      Entrou só, no começo do seu governo. Porém ao perceber que a família toda tá enrolada(em diversos assuntos), inclusive ele mesmo, não teve a menor dúvida de cair no colo dos VENAIS.
      O Sr. sabe muito bem quem são os nefastos personagens.

      Agora não está mais só, é sim, muitíssimo mal acompanhado.

      Despeço-me cordialmente.

  6. Bem, do artigo destaco duas coisas: militares da ativa não deveriam ocupar cargos no executivo (pelo menos cargos de ministros). A exceção talvez poderia ser a área da defesa.
    A meu ver não é uma tarefa compatível com a função das forças armadas.

    Outra coisa, e isso considero a mais importante, é a questão da economia e do crescimento. Com o foco somente em restringir salários e direitos sociais (ainda mais se se concentrar nas camadas menos favorecidas), o consumo não aumentará, pelo contrário. O endividamento das famílias já é recorde. Com os juros baixos, aumentaram ainda mais as dívidas familiares e a concessão de crédito talvez não seja suficiente para alavancar um crescimento sustentável. Já vimos isso. Os governos estaduais carentes também aumentam seus impostos, diminuindo o poder de compra da população.
    E assim vamos, com as desigualdades aumentando.

    O Brasil, a despeito da opinião de muitos, é ainda um país democrático e capitalista, ainda que com defeitos grandes. Esperemos que melhore.
    Mas, às vezes, tenho a impressão que estamos retrocedendo em muitas coisas.

  7. A emenda é pior que o soneto (acho que o soneto é pior que a emenda).
    Sugiro que só leiam o artigo da Miriam “leitão”, quando …. (é melhor não ler).

    Se ela é comunista.
    Ela teria coragem de mostrar, quanto dinheiro ela recebe do trabalhador brasileiro (que ela defende). Ela respeita a “cota” comunista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *