Porto Alegre sob assédio do “politicamente correto”

Resultado de imagem para POLITICAMENTE CORRETO CHARGES

Charge do Quinho (quinhoilustrador.blogspor.com)

Percival Puggina

Há quem creia que o “politicamente correto” tem algo a ver com convívio social respeitoso. No entanto, não é assim. Respeitar, e mais do que isso, amar o próximo, é o segundo maior mandamento afirmado pelo cristianismo. Surrupiar essas qualidades e virtudes sociais para o âmbito do “politicamente correto” é uma fraude praticada por quem, de hábito, não lhes dá a mínima e chama fascistas os cristãos e conservadores que as pregam e praticam.

O “politicamente correto” é uma fórmula esperta de ação política. Manifesta-se como produto de sistemática construção por incessante repetição, para: 1) proclamar vencidas discussões que ainda estão abertas, impondo conceitos, destruindo valores e ofendendo crenças alheias; 2) dar por consensuais e moralmente superiores concepções que não são uma coisa nem outra; 3) eximir de críticas pessoas e práticas que põe sob seu manto protetor.

POLÍTICA LADINA – Trata-se, portanto, de algo político no sentido mais ladino e enganoso dessa ciência. E não por acaso, a tarefa de construir postulados “politicamente corretos” é pretensão exclusiva dos partidos e grupos à esquerda, rotulando como incorreta toda a divergência.

O politicamente correto tem sido uma trincheira para: 1) dar cobertura à ideologia de gênero; 2) tratar bandidos como vítimas; 3) identificar como “fobia” e incorreção as mais tênues divergências; 4) arrancar crucifixos das paredes; 5) proteger os mais variados tipos de cotas; 6) justificar o desaprisionamento; 7) defender a sacralidade do Queermuseu; e por aí vai.

Todas as reações contrárias ao  Queermuseu foram carimbadas por jornalistas corregedores da opinião pública como “politicamente incorretas”. Chegava a ser bisonho. Diante das portas fechadas do Santander Cultural, manifestantes nuas defendiam a sacralidade do profano enroscadas em práticas sexuais. No interior do recinto fechado pelo proprietário, o realmente respeitável (a infância em todas as suas dimensões) e o realmente sagrado (uma religião e seus símbolos) haviam sido profanados e vilipendiados. E o vilipêndio cobrava para si exibição pública!

ATAQUE FRONTAL – Não é contraditório? O mesmo critério político, legislativo e jurídico que, em nome do respeito “politicamente correto”, tenta inibir humor e piadas de gosto duvidoso, não se sente minimamente desconfortável – ao contrário, não raro se assanha – quando o ataque se dirige a quem recebe, através dos séculos, o amor e a adoração de bilhões de pessoas.

Mal virou a semana passada, novamente em Porto Alegre – cidade sob assédio, bem se vê – um monólogo exibido com patrocínio público (essas drogas não sobrevivem da bilheteria) apresenta Jesus Cristo como um travesti e “Rainha do céu”. A tentativa de sustar-lhe a exibição por via judicial trombou contra o … “politicamente correto”.

TODOS SÃO IGUAIS – Entendeu o magistrado do feito que não precisa citar lei para negar a medida solicitada “porque todos somos iguais”. Questão que não estava em causa. Fosse a pessoa exposta em situação aberrante alguém vivo, poderia certamente requerer a proteção de sua imagem. O magistrado é, por certo, respeitabilíssimo, mas esse tal Jesus Cristo? Quem por Ele?

A convergência dos assédios contra o cristianismo e os cristãos, contra a infância e quem busca protegê-la, fica claramente percebida quando nos lembramos das palavras de Jesus: “Deixai vir a mim as crianças, não as impeçais porque o Reino dos Céus pertence aos que se tornam semelhantes a elas” (Mt 19:14). Para muitos isso é simplesmente intolerável.

10 thoughts on “Porto Alegre sob assédio do “politicamente correto”

  1. Tremei continuístas da mesmice, com vocês não tem mais jeito não, o Bicho tem que pegar até 2018, nas urnas ou nas ruas, antes que seja tarde demais. É “NÓIS” NA FITA, CHEGA DOS ME$MO$, FORA TODO$, DEMOCRACIA DIRETA JÁ. Fora Temer, fora todo$, xô quadrilhão que tomou de assalto a nação. Dinho Ouro Preto, vocalista da Banda Capital Inicial incendiou o público durante o Show no Rock in Rio, pedindo o Fora Temer e o fora todos os corruptos que assaltaram, continuam assaltando e infestam o país, estados, municípios e a própria nação. O povo está cansado de ditaduras, partidos e malandragens partidárias, cercos, puxação de tapetes, exclusões de candidatos alternativos com propostas alternativas contra o continuísmo da mesmice. Bye bye, máfias partidárias ( https://www.esmaelmorais.com.br/2017/09/juiz-decreta-fim-dos-partidos-politicos/ ). O povo agora quer Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, motivação e esperança de verdade, na veia, palpável, visível a olho nu. E o partido que desta feita não der ao povo aquilo que o povo está querendo desde Junho de 2013, vai dançar nas urnas, ou nas ruas. Portanto, de 2014 passou, mas de 2018 não passará, porque agora o tempo urge. Democracia Direta Já, como propõe a RPL-PNBC-DD-ME, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso. Faça como o Dinho Outro Preto, o Capital Inicial, a galera do Rock in Rio, e mais 70% da população do Brasil, venha para a Democracia Direta vc também. Chega dos me$mo$. Vem comigo Brasil. https://www.brasil247.com/pt/247/cultura/318992/No-Rock-in-Rio-Capital-Inicial-pede-%E2%80%9CFora-Temer%E2%80%9D.htm

  2. Também li a respeito do monólogo e da liminar concedida para sua exibição, puro lixo, tanto a peça, quanto a decisão do magistrado, pior, existem pessoas que chamam esta porcaria de manifestação artística, um traveco(nada contra os transexuais, cada um na sua), desrespeitando e vilipendiando o filho do criador, o cristianismo e seus seguidores, gostaria de ver a coragem para tal, utilizando a figura de Maomé.. Blasfemia, heresia!É a religião dos coitadinhos e perseguidos, dos discriminados e incompreendidos, é xenofobia e preconceito!

    • “charlie Hebdo” está aí para mostrar que os muçulmanos não são nada politicamente corretos na hora de defenderem o respeito a sua religião.

  3. Em uma pesquisa apresentada na Globo News, apenas 7,5% da população brasileira comparece em exposições de arte. Assim como 8,8% assiste espetáculos de dança, 11,2% vai ao teatro, 29,9% tem livro em casa, etc.
    Não acredito que essa mínima parcela da população precisa de alguém para dizer-lhes o que é bom e o que é mau.
    Gostei de certos conceitos do artigo, porém aos olhos de um ateu, budista e outros casos perde a relevância.
    É um artigo somente para cristãos.
    O preocupante não é se a exposição em específico é válida ou não. O que dá medo é uma pessoa que não vai a exposições dizer quais são boas ou más, o mesmo com livros, peças, etc.

    • Realmente a parte religiosa poderia até ser desconsiderada uma vez que o Brasil é laico. Mas a falta de respeito, não. Quanto ao caso do Santander, penso que o maior problema foi a exposição sexual das crianças e o uso do dinheiro público por um banco que tem uma patente para ganhar dinheiro fácil. Quanto aos adultos eles já deveriam ter a capacidade de discernir e separar o joio do trigo, embora, tenha uma certa dúvida da capacidade de discernimento uma parte dos adultos brasileiros.

  4. Os ataques que estão sendo feitos contra os símbolos religiosos cristãos, tão somente cristãos, procedem do movimento comunista, e de alguns tresloucados que insistem em liberalidades, ao contrário de liberdade e de liberdade de expressão.

    Já discutimos sobre liberdade de expressão à exaustão neste blog, que decididamente não é fazer o que se quer, dizer o que se imagina, escrever qualquer idiotice, não.

    Liberdade de expressão é, antes de tudo, respeito às diferenças, às religiões, a modos e costumes alheios.

    Fui contra os atentados sofridos pelo Charlie Hebdo, em Paris, onde morreram 13 pessoas, se não estou enganado, mas a revista exagerava em demasia nas suas sátiras a Maomé, em flagrante desrespeito à imagem daquele que é considerado um profeta pelos muçulmanos.

    Os árabes radicais perderam a paciência, e deu no que deu.

    Quando os gays e lésbicas desfilam em São Paulo anualmente, em parada espalhafatosa, o crucifixo é usado como acessório sexual, da mesma forma que esta “exposição” imbecil e desrespeitosa que o Santander teve a péssima ideia de expor no RS, usava a imagem de Nossa Senhora com um macaco no colo e meninos e meninas fazendo a apologia do homossexualismo!

    Ao mesmo tempo ou em seguida, este “espetáculo” deprimente e deplorável de Jesus como travesti, uma flagrante aberração e falta dos mais comezinhos princípios de respeito, civilidade, urbanidade e educação.

    Interessante que esta cambada de canalhas, de desordeiros, de infames, JAMAIS poderiam apresentar as suas imundícies nos países … comunistas, onde não há NENHUMA liberdade religiosa, pelo contrário, é proibido qualquer crença.

    A verdade é que há um objetivo explícito, escancarado, para liquidar com princípios e valores familiares, pois destruindo esta célula mater da sociedade, aniquila-se o país, em consequência, esta nação fica como o diabo gosta e alguns “progressistas” filhos da puta!

  5. O Brasil é laico, mas não é ateu. Vejam no premabulo da constituição que pede a “proteção de DEUS”:

    Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

    • Estado Islâmico?
      Não, pessoas de bem, bem velhas, é verdade.
      Múmias presas em um passado que não tem volta…..sinto muito, a arte que vê por aí é o reflexo da nova geração…..
      E nada vai fazê-los parar….como não parou no seu tempo de juventude.
      Conselho: frequente mais: teatro, exposições, festivais de cinema, etc…
      Talvez assim possa entender o contexto…..duvido muito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *