Preço do petróleo cai e põe a Venezuela no limiar do colapso

0051.jpg

Desabastecimento continua prejudicando a população

Frida Ghitis

Com o preço do petróleo do tipo Brent tendo despencado 22% nos últimos 12 meses — estando hoje por volta de US$85 o barril —, o governo da Venezuela está entrando em desespero. Preços menores colocarão enorme pressão sobre a economia venezuelana — totalmente dependente das receitas da exportação de petróleo —, que hoje sofre com profundos e crescentes desequilíbrios macroeconômicos.

No entanto, mesmo com todos os problemas que essa redução no preço do petróleo criou para seu governo, o presidente Nicolás Maduro decidiu dobrar a aposta em suas atuais políticas econômicas. Em vez de tentar uma impopular reforma econômica, Maduro está apenas à espera de uma retomada dos preços do petróleo e de mais crédito fornecido pelo governo chinês.

A explosão nos preços das commodities ocorrida a partir de meados da década de 2000 permitiu que a Venezuela, que possui as maiores reservas comprovadas de petróleo do mundo, mantivesse um volumoso programa de gastos sociais combinado com controles de preços e salários e com um mercado de trabalho extremamente rígido. Todo esse insano castelo de cartas conseguiu se manter solvente por um bom tempo unicamente por causa das receitas do petróleo.

COTAÇÃO DESABA

No entanto, uma redução na demanda mundial por petróleo em conjunto com um aumento na produção no Oriente Médio e um forte aumento na produção de gás de xisto nos EUA — que está fazendo com que o custo da energia venha caindo vigorosamente nos EUA — derrubaram o preço do petróleo do tipo Brent para o menor valor em quatro anos.

Estas alterações serão profundamente sentidas na Venezuela, um país em que o petróleo é responsável por mais de 95% das exportações da economia e por aproximadamente 45% de toda a receita do governo. A queda nos preços do petróleo irá reduzir as receitas de exportação da Venezuela, exacerbando o já monumental déficit orçamentário do governo — em 2013, quando o preço do petróleo ainda estava alto, o déficit orçamentário do governo foi de 11% do PIB — e restringindo sua capacidade de acumular divisas internacionais.

Caso o valor do barril do petróleo permaneça abaixo de US$ 120 — valor necessário para o governo equilibrar seu orçamento —, a situação fiscal do governo irá se deteriorar ainda mais.

DÍVIDAS AUMENTAM

Essa escassez de receitas deveria fazer o governo Maduro repensar suas estratégias. Ao longo dos próximos dois anos, a Venezuela tem mais de US$28 bilhões em dívidas vincendas. Enquanto as dívidas se acumulam, a quantidade de dólares em suas reservas internacionais caiu para o menor valor em dez anos. O Banco Mundial recentemente decretou que a ExxonMobil deve ser indenizada pelo governo venezuelano em US$1,6 bilhão por ter tido seus ativos expropriados no país. Igualmente, a empresa Gold Reserve também terá de ser indenizada em US$740 milhões pelo governo venezuelano.

Mais de uma dezena de casos semelhantes estão pendentes nos tribunais internacionais, os quais elevariam em vários bilhões as obrigações da Venezuela. Ainda no início deste ano, a Standard & Poor’s estimou em 50% as chances de a Venezuela dar o calote em sua dívida ao longo dos próximos dois anos. Após os últimos eventos, novas estimativas elevaram essa probabilidade para quase 100%.

A reação de Caracas à queda nos preços do petróleo indica que o governo da Venezuela manterá sua postura nos próximos meses. Algumas semanas atrás, Maduro veio a público para repetir o mantra favorito da esquerda latino-americana: ele disse que a queda nos preços do petróleo foi causada por “inimigos estrangeiros” que querem “desestabilizar” seu governo popular. Em seguida, a Venezuela conclamou uma reunião de emergência com a OPEP para pedir aos países-membros que reduzissem a produção e a oferta.

AJUDA DA CHINA

Os países da OPEP ainda não demonstraram nenhuma intenção de atender aos clamores de Maduro. A Arábia Saudita, o único país com alguma capacidade de fazer grandes cortes em sua produção, não parece propensa a alterar o atual arranjo, uma vez que a queda nos preços está ajudando a proteger a decrescente fatia do país no mercado de petróleo.

E mesmo uma eventual e imediata redução na produção de petróleo pelos sauditas não garantiria nenhuma retomada de preços: a capacidade da OPEP de determinar os preços do petróleo foi severamente enfraquecida pelo estrondoso aumento na produção de gás xisto nos EUA, o que vem erodindo o monopólio até então usufruído pelos tradicionais ofertantes. Adicionalmente, como já dito, a demanda global por petróleo está em arrefecimento.

A China parece mais propensa e mais bem posicionada do que a Arábia Saudita para ajudar Maduro. Desde 2006, Pequim já forneceu mais de US$50 bilhões em financiamentos para Caracas, sendo que a quitação desses empréstimos foi acordada em termos de envio de petróleo para a China, a preços de mercado. Uma assistência adicional dos chineses poderia ajudar o governo madura a manter seus elevados gastos, ou ao menos fornecer uma liquidez temporária para evitar um iminente calote.

INFLAÇÃO E ESCASSEZ

Em última instância, essa assistência chinesa pode ajudar apenas temporariamente a economia venezuelana. A acentuada queda nos preços do petróleo expôs a frágil situação do país. Com as receitas do petróleo em baixa, o governo venezuelano passou simplesmente a imprimir dinheiro para financiar seus gastos. Oficialmente, a inflação de preços está em 60% ao ano. Mas estatísticas privadas colocam esse valor em aproximadamente 350%. A imposição de controle de preços gerou um desabastecimento generalizado no país.

A escassez crônica de produtos básicos — como papel higiênico — e a imposição de cotas para compras em supermercados estão gerando grande inquietação e revolta entre os venezuelanos. Diariamente, os venezuelanos descobrem que está cada vez mais difícil encontrar produtos básicos, de remédios e fraldas a alimentos.

(artigo enviado por Carlo Germani)

11 thoughts on “Preço do petróleo cai e põe a Venezuela no limiar do colapso

  1. O curioso é que o neo-comunismo, com o nome de bolivarianismo aqui na América latina , tem em seus preceitos o anti-americanismo. Mas na realidade, quando se trata do dinheiro do Tio Sam para comprar o petróleo desse país dominado por essa malandragem vermelha, aí eles são americanos desde criancinhas.

    Já pensaram se os EUA jogasse o mesmo jogo duro que esses comunistas, que dominaram a Venezuela, fazem com eles através de falácias e deixassem de comprar o petróleo venezuelano?
    Esse lixo, Venezuela bolivariana, acabaria em 1 minuto.

  2. Espetacular o texto enviado por Carlo Germani.

    O que está em jogo é este esquema montado para manter a canalha comunista na crista do poder venezuelano.

    Resta à China fazer o sacrifício para ajudar a Venezuela cujos governantes possuem o mesmo alinhamento ideológico.

    O mundo já vive uma nova guerra fria e a escalada só está no começo.

    O Brasil, por força do grupo político que tomou conta do executivo, vai se posicionando à esquerda.

    O boçal do Maduro, no desespero e sem alternativa optou por imprimir papel moeda elevando a níveis insuportáveis a inflação de seu país. Imprimir dinheiro sem lastro econômico (produção) é inflacionário!

    Segue, ainda, com déficit fiscal de 11% (!), com dívida pública já impagável.

    O Brasil vai no mesmo caminho agora com 5,9% de déficit fiscal.

    É intensão do grupo que nos governa provocar o total desequilíbrio econômico e institucional para do caos instalar nova moldura política, sob a hegemonia do grupo que já nos governa e reafirmado o comunismo como regime político-doutrinário.

    A Venezuela não pode reclamar, aderiu ao Foro de São Paulo. O Brasil é o próximo.

  3. A Venezuela, que tem reservas comprovadas de mais de 300 BILHÕES de barris de petróleo e é um dos maiores exportadores do ouro negro, não consegue sair da miséria.

    No Brasil, que tem reservas NÃO comprovadas de 15 BILHÕES de barris, não produz o que consome e ainda é importador, o “desgoverno petista” bombardeou a população
    com a promessa de que o pré sal fará o país chegar ao mesmo nível de desenvolvimento europeu.

    MAS A VERDADE É QUE:

    O PRÉ SAL É UMA FARSA.
    EIKE BATISTA FOI O OPERADOR PETISTA.
    ROUBARAM BILHÕES DA PETROBRAS.
    QUEBRARAM A PETROBRAS.
    A PETESADA FICOU RICA.

  4. Pois é, depois de todo um século, o XX, em que o comunismo fracassou vergonhosamente na economia e se comportou hediondamente no social, ainda tem vagabundo se encantando com com essa porcaria.

  5. Não acredito que a Venezuela, com preço do Barril de petróleo a +- US$ 80, fique a beira do colapso. Seu petróleo tem custo de extração muito baixo, acredito que mesmo com toda a incompetência da PVDSA, seu preço de Custo fique em torno de US$ 10/Barril. Agora, economicamente a Venezuela está mal, consumindo muito mais do que produz, e ficará ainda pior, mas não em colapso.
    Desde o grande ADAM SMITH ( 1776 ), que se sabe que a RIQUEZA de uma Nação depende do TRABALHO PRODUTIVO de seu Povo. E desde 1841, que o Economista FRIEDRICH LIST em “Sistema Nacional de Economia Política” demostrou que a INDUSTRIALIZAÇÃO AUTÔNOMA é a maneira mais eficaz de aumentar bastante o Padrão de Vida do Povo.
    Ambos, demostraram que a Produção MAIS Eficiente é feita em Sistema Capitalista BEM REGULADO, pela INICIATIVA PRIVADA em busca do LUCRO.
    Mas aqueles que não Leem e não pesquisam NA PRÁTICA, facilmente acreditam que o ESTADO pode produzir melhor e criar ABUNDÂNCIA. Apesar de todas as provas em contrário, os BOLIVARIANOS, enquanto tiverem petróleo, mesmo a preço razoável, ainda acreditam nisso.

    • Bortolotto, Chávez aparelhou a PSDVA ( a Petrobras deles) com as maiores nulidades humanas e técnicas.A empresa parou no tempo.

      Aqui mesmo na Petrobras,há dezenas de cubanos em funções “técnica$” e administrativa$.

      No caso da Venezuela,Chávez,e agora o farsante comuna Maduro,comprometeram o caixa da PSDVA com o populismo interno e investimentos na revolução bolivariana
      (neo-comunismo como diz Mauro Vieira).Cuba,Bolivia,Argentina são as “estrelas” dessas insanidades.

      Não há produção e receita de petróleo que suporte isso.

  6. Senhores,

    Isso mostra o quanto a IDEOLOGIA CEGA! e o errado, mesmo sabendo que a ideologia o está levando para o abismo, NÃO ADMITE ESTÁ ERRADO e mantém o rumo.
    Fosse um país sério, os governantes, sabendo que o país flutua sobre um mar de petróleo e sabendo que os Estados Unidos estão ali do lado e que precisarão de petróleo eternamente, se alinhariam a este e teriam recursos pelo resto do século!
    Negócios são negócios.
    Agora, que necessidade têm os líderes da Venezuela de demonizarem os americanos durante o dia e exportarem petróleo durante a noite?
    Ora, os americanos querem apenas petróleo COM SEGURANÇA e pouco se importam com o sistema político da COLÔNIA. Vide a sua relação com a DEMOCRÁTICA Arábia Saudita!
    Alinhados aos americanos eles poderiam gastar o dinheiro como quisessem, seja com educação, saúde ou bolsa disso ou bolsa daquilo.

  7. Não sabia que o Banco Mundial, uma instituição da ONU, agora tornou-se competente para DECRETAR decisão contrária à país soberano para favorecer interesse de multinacional. Apesar de saber que a articulista, como colunista do Miami Herald e do The Jerusalem Post, está perfeitamente integrada com os interesses da direita norte americana e dos sionistas, creio que deve ter havido erro de tradução nesse DECRETO AÍ EM CIMA DESSA INSTITUIÇÃO DA ONU. Ou má fé para efeito de propaganda dos interesses dos EUA no continente, como conhecidos sabujos já demonstraram.

  8. Iaco Silva,

    É evidente que a Oligarquia Financeira Mundial (“os senhores donos do mundo”) são a
    causa geradora de crimes de lesa-humanidade.

    A ONU foi criada por esses psicopatas do poder mundial como ensaio para a satânica e
    insana Nova Ordem MUndial (governo mundial único ditatorial e totalitário).

    O problema do mundo é sistema financeiro mundial,gerador de dinheiro a partir do nada.

    Quanto a indenização da ExxonMobil pelo (des)governo da Venezuela está correta,porque todo ato de expropriação é criminoso e gerador de dificuldades sem fim.

  9. Expropriação ou desapropriação não é ato criminoso nem no DIREITO BRASILEIRO. Procure conhecer a legislação de seu país antes de escrever sobre legislação de país estrangeiro. Vou lhe dar uma mãozinha. Leia o artigo 243 da nossa Constituição e depois a Lei 8257/91. Por que não expõe de forma imparcial as razões de ambas as partes nesse litígio, antes de politicar de forma parcial e primária para fazer coro aos interesses econômicos e políticos de corporação e do governo dos EUA? Aproveite e leia no wikipedia em inglês o histórico dessa corporação em seu relacionamento com ditaduras, golpes militares, torturas e violações de direitos humanos, nos últimos 125 anos e, recentemente, por exemplo, na Indonésia, na região de Aceh, no ano de 2001, acobertada por juiz de primeiro grau norte americano e cujo recurso segue lá engavetado. Aproveite também para conhecer um pouco da história do super condecorado general “mariner” norte americano Smedley Butler que confessa ter sido CAPANGA (HIGH CLASS MUSCLE MAN) a serviço dessa mesma empresa de hoje, agora em litígio com a Venezuela, em 1927 na repressão a cidadãos chineses no INTERIOR da China.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *