Prefeito aliado de Doria se diz envergonhado com a atuação do PSDB

Resultado de imagem para prefeito orlando morando

Morando imita Doria até nas críticas ao PSDB

Thais Bilenky
Folha

Aliado de João Doria (PSDB), o prefeito de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, Orlando Morando, engrossa o coro dos descontentes com a permanência de ministros do PSDB no governo Michel Temer. Diz que o partido o “envergonha” pela indefinição e está acéfalo. O presidente afastado, senador Aécio Neves (MG), para ele, é página virada.

Com iniciativas parecidas com as de Doria, como vestir-se de gari e usar com frequência redes sociais, Morando é citado como possível candidato a governador e deixa subentendida a pretensão do aliado de se lançar ao Planalto. Ele nega ambas as possibilidades, mas considera ter, como Doria, vantagens competitivas para 2018.

O senhor disse que estava com vergonha do partido.
O PSDB simboliza o melhor, livre dos rolos. Devemos uma satisfação à sociedade sobre aquilo que representamos, e essas mudanças deixaram dúvidas. Aconteceram percalços.

Após a delação da JBS, o partido tinha de sair do governo?
Após a delação.

Ao ficarem no governo, o que ministros do PSDB sinalizam?
Essa coisa de cargo está desassociada do interesse partidário. Se o partido decidir sair e o ministro falar que não sai, você vai expulsá-lo? Não.

Por que disse que está com vergonha do partido?
Por não dar uma resposta. A impressão que dá é que estamos ligados ao governo Temer por conta dos cargos, e não é isso. A permanência se dá pelas reformas.

E por que o partido não consegue tomar uma posição?
Ter posição unificada depende de ter liderança nacional, e não tem. Estamos muito próximos do pleito no ano que vem. Acaba contaminando.

Tasso [Jereissati, presidente interino do PSDB] tem liderança nacional?
Quando definirmos o presidente, ele pode buscar ter.

E o Aécio? Deveria sair em definitivo da presidência?
Ele teve a grandeza de se afastar no momento que veio a denúncia [da JBS], esse episódio triste para a trajetória dele e do nosso partido. Não fala pelo PSDB. O fato está superado, consumado.

Doria disse que o sr. representaria os prefeitos em eventual nova Executiva. Qual cargo?
Nada mais justo do que levar os problemas das prefeituras ao âmbito nacional do partido. Fico honrado. Pode ser vice-presidente, secretário-geral, um vogal.

A que atribui as críticas de caciques a Doria? Há a leitura de que possam furar a fila?
Jamais. O que ninguém pode negar é que existe um novo formato de político, e o PSDB teve a felicidade de dar brilho a esses quadros. A safra nova vem oxigenar o partido, por mais que uma ala conservadora possa não gostar. O que nos diferencia? Nós nos atualizamos. Transparência. Não tem tapinha nas costas, sorrisinho amarelo e enganação.

O sr. também tem marketing com apelo eleitoral, faz ação com roupa de gari.
Usar uniforme me dá um baita orgulho, já fui açougueiro, padeiro. Criamos o programa Parede Limpa, que começou com voluntários. Depois, havia populares querendo participar. Isso é liderança. Trajado adequadamente, estimula. Não é só marketing.

Se o partido achar que é um bom nome para disputar o governo, o sr. aceita?
A eleição está distante. Foco no trabalho, foco na gestão.

O sr. está com o mesmo discurso que o João Doria.
Não estou, não estou…

Fará diferença em 2018 ser novo, sem citação na Lava Jato?
Lógico que faz toda a diferença. Doria e eu temos alto índice de aprovação. Mas isso não é sinônimo de que tenhamos de ser os candidatos.

E o PSDB em 2018?
Alckmin é capacitado, testado. Nome forte. E Doria também desponta. Não sei das reais pretensões dele.

A citação de Alckmin na Lava Jato atrapalha?
Tem de apurar. Meu apelo é para o partido não se desintegrar esquecendo a sociedade.

Como sustentar o discurso crítico à corrupção do PT com quadros do PSDB envolvidos?
Não dá para comparar. Na administração do PT, tinha determinação partidária para roubar dinheiro público.

Aécio, Serra, Alckmin e Aloysio foram citados na Lava Jato…
Ninguém denunciado, ninguém condenado, ninguém preso. Se tiver, aquilo que defendo para o meu adversário defendo para o meu aliado.

E a imagem fica prejudicada?
Você acha que o Aécio não está pagando o preço desse erro da conversa com aquela dupla de bandidos da família Batista? Tem prejuízo de imagem [ao PSDB], mas o eleitor diferencia pessoas de partido.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGCom tantas críticas repetitivas, fica parecendo que Doria e seu aliado estão querendo arranjar justificativas para abandonar o PSDB e se candidatar por outro partido. Se realmente o caminho é esse, terão de deixar as prefeituras no final de abril. Vamos aguardar. A única coisa certa até agora é que os dois adoram aparecer. (C.N.)

4 thoughts on “Prefeito aliado de Doria se diz envergonhado com a atuação do PSDB

  1. Estudo aponta blindagem recíproca entre Judiciário, Executivo e Legislativo em São Paulo.
    Os recursos contra o estado vão parar no Tribunal de Justiça, que é a segunda instância. Uma pesquisadora da FGV concluiu que os desembargadores são muito compreensivos com o governador do estado. Só tem uma situação em que o governo é derrotado 100% das vezes: quando questiona a aplicação do teto remuneratório do serviço público.
    https://goo.gl/q5b5HE

  2. Parece que os dois Prefeitos não acompanham a Rádio Joven Pan e seu comentarista Professor Historiador Marco Villa.
    Quem diria, até o Professor até outro dia ‘Fazia vistas grossas” para o Partideco Corrupto da Rainha da CorruPÌssau, e hoje caiu a ficha, percebeu que o Partidão segue o padrão dos outros Partidos….
    O Professor Marco Villa, chega a dizer as palavras, corrupto, bandido, marginal, hipócrita, falso sobre o famoso Gângster da Máfia Tucanostra, Aécio Neves.

    Era para estar na Papuda (Àecio).

    https://www.youtube.com/watch?v=eq9E_y_KS6I

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *