Presidente da Funasa é exonerado do cargo após ser alvo de operação da PF

Nogueira exerceu lobby ativo na transição para o governo Bolsonaro

Deu no Estadão

O governo demitiu o presidente da Fundação Nacional de Saúde, Ronaldo Nogueira, após ele ser alvo de uma operação da Polícia Federal que investiga desvios de R$ 50 milhões nos cofres públicos. A exoneração foi publicada na edição desta quarta-feira, 12, do Diário Oficial da União e é assinada pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

A Operação Gaveteiro da PF apura irregularidades em contrato firmado pelo extinto Ministério do Trabalho,  com uma empresa de tecnologia da informação para gestão de sistemas e detecção de fraudes na concessão de Seguro-Desemprego em Brasília e em mais cinco Estados. Nogueira foi ministro da pasta durante a gestão de Michel Temer.

SUBTERFÚGIO –  Segundo a PF, a investigação teve início com base em um relatório da Controladoria Geral da União que apontou que a contratação da empresa de tecnologia foi apenas um “subterfúgio” utilizado pela organização criminosa que atuava no Ministério do Trabalho para desviar, entre os anos de 2016 e 2018, R$ 50 milhões do órgão. Como mostrou o Estado, apesar de alertas sobre possíveis fraudes cometidas pela  empresa, ela voltou a ser contratada no atual governo, de Jair Bolsonaro, desta vez pelo Ministério da Cidadania.

Segundo documentos obtidos pela reportagem, a Business to Technology (B2T) atestou à pasta sua capacidade técnica usando como base as ações que teria desempenhado anos antes no Ministério do Trabalho. Os alertas de irregularidades foram ignorados pelos responsáveis pela contratação.

APOIO DA BASE EVANGÉLICA – Nogueira se aproximou do governo Bolsonaro por sua ligação com os evangélicos, uma das bases de apoio do presidente. O agora ex-presidente da Funasa é pastor evangélico e em sua trajetória política teve maciço apoio da Convenção dos Pastores e Igrejas Evangélicas Assembleia de Deus do Rio Grande do Sul. Seu berço político é Carazinho, cidade do interior gaúcho.

Após desligar-se do governo Temer, foi um dos políticos evangélicos mais influentes e exerceu lobby ativo na transição para o governo Bolsonaro.

3 thoughts on “Presidente da Funasa é exonerado do cargo após ser alvo de operação da PF

  1. Ele merece ser preso, oras pois..: “Em consonância com o Decreto 8.867, de 03 de Outubro de 2016, que aprovou o novo Estatuto e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do órgão, a Funasa atualmente é a instituição do governo federal responsável em promover o fomento à soluções de saneamento para prevenção e controle de doenças, bem como formular e implementar ações de promoção e proteção à saúde relacionadas com as ações estabelecidas pelo Subsistema Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental.

    Nessa linha, as ações contemporâneas desenvolvidas pela Fundação resultam em uma maior inclusão social e contribuem para a melhoria das condições de vida das populações mais carentes, culminando em uma das estratégias do governo federal para a erradicação da extrema pobreza. Um bom exemplo é a implantação de Melhorias Habitacionais para Controle da Doença de Chagas (MHCDC), que consistem em melhorar as condições físicas e sanitárias das habitações e do peridomicílio, por meio de restauração (reforma) ou reconstrução de casas de taipa. A restauração compreende, dentre outros principais serviços, os seguintes: reboco e pintura de paredes internas e externas, calçada de proteção em torno da casa, cobertura com materiais adequados, piso cimentado ou de madeiras, recuperação de abrigo de animais e depósitos, substituição de cercas e implantação e/ou implantação e/ou recuperação de instalações sanitárias. No caso em que as casas não suportem reformas, as mesmas serão demolidas e reconstruídas. Sendo assim, os investimentos implementados visam a efetivação da saúde preventiva e à universalização do acesso aos serviços de saneamento básico. Destacam-se também, ações para viabilização de Sistemas de Abastecimento de Água (SAA) e Sistemas de Esgotamento Sanitário (SES) em municípios com população de até 50.000 habitantes, em conformidade com as respectivas necessidades, sendo pautadas em consonância com indicadores de saúde, além da implantação de Melhorias Sanitárias Domicilares (MSD).

  2. Não conheço o ministro, não sou evangélico e nao se trata de politico de grande projeção aqui no RS.

    Mas por uma absoluta causalidade, na semana passada no meu carro, ouvi na radio Band de porto alegre, no programa do jornalista Milton Cardoso, respeitado por suas posições claras, uma entrevista com o ministro.

    Falando de forma clara e transparente, citou histórico do contrato, de que havia seguido todas as indicações da controladoria e comissão de justiça, suspendido as compras/pagamentos das 03 fases faltantes (eram 05 se entendi bem) e de que a policia federal havia entrado no caso a seu pedido.

    Não que estava indignado , não negou de forma peremptória, não se escudou em advogados, não deixou de responder nada , afinal NÃO cumpriu o roteiro clássico dos políticos apanhados em desvios.

    Repito, sem qualquer conhecimento ou interesse me chamou atenção a sua postura.

    Mais surpreso fiquei, quando ao final , de forma inédita, ao menso para mim, o jornalista se colocou inteiramente de acordo com a manifestação do ex ministro, dizendo tratar-se de homem sério, responsável e de que colocaria a mao no fogo por ele , especialmente neste caso.

    Achei inusitado. O que conheço do jornalista (que ocupa os espaços nobres da Band aqui no RS) nao o vincula a jornalismo de aluguel, pelo contrário.

    Mas não vi repercussão da versão do ministro, pelo contrario apenas a sequencia do escândalo que agora culmina com sua demissão.

    Continuo achando estranho

    Não tenho como sabe mais mas gostaria de ouvir um pouco mais do outro lado

    • -A mesma coisa percebi quanto ao Secretário de Comunicação…
      -A imprensa hoje se tornou um partido político. E de jogo sujo, imundo.

      -Mas, claro, não coloco a mão no fogo por ninguém!

      Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *