Presidente da Petrobras critica monopólio do refino, algo que não existe mais

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, durante audiência em comissão da Câmara — Foto: Will Shutter/Câmara dos Deputados

Castello Branco quer se livrar da parte mais lucrativa da Petrobras

Laís Lis
G1 — Brasília

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, defendeu nesta terça-feira (11) a venda de refinarias da empresa para ampliar a concorrência no mercado. Em audiência pública na Câmara dos Deputados, Castello Branco afirmou que o fato de a Petrobras deter 98% do mercado de refino no país cria situações “absurdas”, como a falta de gasolina de aviação porque a refinaria da empresa parou para manutenção.

“Isso é um absurdo, não pode acontecer, mas aconteceu porque, no fundo, tem uma empresa que detém esse monopólio. Monopólio é inaceitável em uma sociedade livre”, disse o presidente da estatal.

CUBATÃO – Segundo ele, a única refinaria da Petrobras que produz gasolina de aviação é a de Cubatão, no litoral de São Paulo. Ele disse que nessa semana, como a refinaria parou para manutenção e houve problemas na importação de combustível, muitos aeroportos ficaram sem gasolina de aviação. Essa gasolina é usada para o abastecimento de aviões de pequeno porte.

“Nesse fim de semana, inclusive no aeroporto de Brasília, não tinha gasolina de aviação. Várias pessoas não puderam viajar”, relatou.

ACORDO – O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a Petrobras devem assinar nesta terça-feira o Termo de Cessação de Conduta (TCC) para encerrar uma investigação do Cade por suposto abuso econômico da estatal no mercado de refino.

A proposta apresentada pela Petrobras para encerrar a investigação prevê a venda de cerca de 50% da sua rede de refino.

O acordo ajudaria nos planos da Petrobras de seguir com a venda de refinarias, já que a determinação para a venda de ativos participa de um órgão regulador e faria parte de um acordo.

VENDE-SE – Em abril, o conselho de administração da companhia decidiu reduzir a fatia da estatal na BR Distribuidora – atualmente em 71% – e vender oito refinarias das suas 13 refinarias.

Durante a audiência na Câmara, Castello Branco afirmou que a venda das refinarias não é um desmonte da estatal e que é preciso tirar da Petrobras ativos que, nas mãos da companhia, são pouco rentáveis.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
É inacreditável que o presidente da Petrobras fale em monopólio de refino. Isso não existe há muitos anos, porém nenhuma petroleira se interessou em instalar refinaria no Brasil, por temer a concorrência com a Petrobras. Parece brincadeira, mas esta é a realidade. E o pior é que o refino é a atividade mais lucrativa e segura, porque não tem risco. Mas o presidente da Petrobras tem obsessão por liquidar a empresa. (C.N.)

10 thoughts on “Presidente da Petrobras critica monopólio do refino, algo que não existe mais

  1. O problema fundamental do país na economia é impostos altos, pouca liberdade econômica e garantia jurídica. A coisa piora ainda mais com monopólios estatais como a Petrobrás.

  2. A refinaria da Petrobrás parou para fazer manutenção. Se fosse de uma multinacional e precisasse fazer manutenção, também não pararia? Desculpa esfarrapada para vender as empresas que dão bom lucro, porque as que dão puco lucro ninguém quer.

    • O que você preferiria , uma empresa que dá pouco lucro ou uma que dá muito lucro ? Lula entraria no mercado de palestras se elas dessem pouco lucro ? Deixe de hipocrisia tá

  3. Vende logo e acabe logo com este cartório privilegiado de funcionários ganhando absurdos e com benesses estratosféricas que nenhum multinacional concede.

    E esta ANP quanto tempo está nas mãos de comunistas dando coberturas aos distribuidores?

    Já chega de sindicalismo chapa branca.

  4. Concordo com o jornalista Carlos Newton, o monopólio acabou há muito tempo. O que as multinacionais querem é a coisa pronta, pois se fossem construir uma refinaria iam gastar muito mais, de preferência financiadas por nosso próprio dinheiro. Ainda se a compradora fosse uma empresa nacional, seria razoável, mas não. Privatizadas as refinarias, o Brasil receberá os mesmos impostos de hoje e com as remessas de lucros às matrizes, a situação de nossa conta corrente ficará pior. O Brasil precisa de um projeto de desenvolvimento nacional e não basear seu crescimento em exportações de commodities. Sem tecnologia e reindustrialização não melhoraremos.

    • Discordo. O que o investidor quer , nacional ou internacional, são regras razoáveis se estabelecer e ter lucro. Isto ocorre em todos países sérios do mundo, coisa que o Brasil nunca foi e por isso está colocado entre os países que não atraem investimentos.
      Sem investimentos, sem empregos, sem consumo, sem progresso.

      • Mario Jr, deverias ler o livro “23 coisas que não nos contaram sobre o capitalismo” . Verás que nenhum país se desenvolveu sem primeiro ter a sua própria tecnologia e sua indústria. No Brasil somos meros montadores, a maioria das indústrias é multinacional, com sua própria tecnologia.

  5. É melhor vender a Petrobras que termos quenpagar o alto custo dessa empresa paquidermica, atolada em dividas feitas pela.ação nefastas de governos de esquerda como os de.lula e sua comparsa dilmalandra.
    Vendam logo essa praga antes que ninguém queira mais comprar essa petrossauro.
    Esta empresa somente serv para enriquecer funcionários omissos às custas do povo brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *