Previdência não tem nada a ver com dólar, muito menos com a Bovespa

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
Resultado de imagem para previdencia charges

Charge do Oliveira (Arquivo Google)

Pedro do Coutto

Basta pensar um pouco de forma comparativa para se verificar que, na verdade dos fatos, a reforma da Previdência Social não possui ligação nenhuma com a cotação do dólar e tampouco com as oscilações da Bolsa de Valores de São Paulo. Por isso,causa espanto que a oscilação dos mercados de câmbio e de ações possa ter sido influenciada pela primeira fala do Presidente Michel Temer quando admitiu que a reforma previdenciária corria o riso de ser adiada para 2019, ocasião em que seu sucessor estará ocupando o Palácio do Planalto. Acredito que o recuo tenha revelado uma falta de autoconfiança do próprio governo. Mas daí a jogar o dólar pra cima e a Bolsa de Valores pra baixo vai uma grande diferença.

O reflexo foi tão forte, como destaca a reportagem de Adriana Fernandes, Carla Araújo , Igor Gadelha e Paula Dias, em O Estado de São Paulo desta quarta-feira, que o presidente da República recuou do recuo e voltou a dizer que está fortemente empenhado em viabilizar a reforma, seguindo o posicionamento do ministro Henrique Meirelles, para quem a modificação da lei é decisiva.

CARTADA DECISIVA – É uma espécie de cartada para o destino da administração do país. O déficit previdenciário é um fato, porém não é maior do que o custo dos juros que o governo paga pela rolagem da dívida bruta (governos federal, estaduais e municipais, que está batendo a escala de 4,7 trilhões de reais.

Sob outro ângulo, o déficit do INSS, mesmo se fosse zerado, não anularia a defasagem de 159 bilhões verificada nas contas orçamentárias tanto as de 2017 quanto a projeção para 2018. O grande inimigo financeiro da Previdência Social está no desemprego e na sonegação empresarial, fatores que não são enfrentados corretamente pelo governo. No caso do dólar ele pode ter sido impulsionado para cima em consequência da desconfiança com o êxito e com os rumos do Palácio do Planalto.

E NA BOVESPA? – Quanto ao Mercado de Ações, não existe o menor nexo. Afinal de contas, qual a ligação entre os êxitos empresariais e a derrota das contas públicas. No máximo, a dúvida poderia se refletir nas ações das empresas estatais, porém nunca na valorização ou desvalorização dos papeis do capitalismo particular. As ações das empresas estatais, estas sim, possuem vínculo com o déficit das contas públicas, mas não têm qualquer conexão com o orçamento do INSS. Pelo contrário, os ganhos do capital não dependem dos orçamentos previdenciários. Podem depender, em grande número de casos dependem, de créditos do BNDES a juros favorecidos.

Posso citar dois exemplos: a Odebrecht e a JBS. Principalmente no caso da Odebrecht, governo Lula, foram liberados créditos vultosos para sustentar empreendimentos da empresa presidida por Marcelo Odebrecht, em Cuba, Venezuela e Angola. O ex-presidente da empresa encontra-se preso, da mesma forma que Joesley Batista e seu irmão Wesley. Mas esta é outra questão.

Os especuladores que operam no mercado de câmbio e no mercado acionário aproveitam-se de qualquer pretexto para obter lucros. Se for feito um levantamento sobre os compradores de dólares e de ações, num dia, e os vendedores das aquisições, no dia seguinte, talvez se verifique tratar-se das mesmas pessoas ou dos mesmos grupos financeiros. Porém, isso é impossível, porque a vontade do governo corre em sentido oposto.

 

 

3 thoughts on “Previdência não tem nada a ver com dólar, muito menos com a Bovespa

  1. E ainda tentam, só mudam a estratégia. Por mais que as mais verdades apareçam e tomem as redes sociais, esse governo vive da mentira que defende. Defendem esse descalabro com a mesma persistência que um bandido foge da polícia. Absurdo não é Temer ainda não estar se defendendo de suas acusações, não é o Planalto usar a AGU para defender o DIREITO dos parlamentares manterem sua aposentadoria especial. Não é absurdo um juíz ser punido com aposentadoria compulsória e isso não se negocia em nenhuma reforma, ainda mais imposta por essa classe de gente. Não é absurdo os parlamentares receberem o que estes recebem e não é absurdo maior, eles não mostrarem o mínimo de respeito pelos que pagam e dignidade para retribuírem com um trabalho condicente. Absurdo não são todos estes absurdos se originarem da vontade e do trabalho dos mesmos. Absurdo não saber que a nacionalidade nas certidões de nascimento é a mesma. Absurdo é sermos obrigados a eleger esta corja imunda de quatro em quatro anos.

  2. Caro Pedro, na minha santa ignorância, o governo mistura alho com bugalhos. a Sigla INSS, o 1º S significa seguro, cujo cofre é abastecido pelo trabalhador e patrão, o segundo “S”” é de Ação social, abastecido pelos impostos escorchantes.
    O sinistro Meireles, quando estava na JBS, não pagou os quase 2 bilhões sonegados do 1º “S”, e continua a não cobrar, bem como de muitas grandes empresas, mas…o governo corrupto, aumenta a contribuição. Em meus 88 anos, nunca ví tanta podridão na Administração pública. Verdadeiras quadrilhas hediondas da caneta metralhadora.
    Que Deus nos ajude, a voltar a ter uma País decente e justo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *