Previsão de Ano Novo: Bolha imobiliária atinge o ápice e depois…

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Carlos Newton

Não é preciso ser ilusionista para perceber que a bolha imobiliária no Brasil está atingindo o ápice. A única dúvida é saber se vai explodir igual aos Estados Unidos ou se irá esvaziando devagar, devagarinho, no estilo do Martinho da Vila.

Há alguns anos, desde que os juros dos fundos financeiros começaram a baixar e passaram a apenas empatar com a inflação, os chamados “rentistas” passaram a investir em imóveis e os preços dispararam.

A empolgação era geral, os corretores de imóveis ganharam dinheiro como nunca. Mas acontece que ninguém consegue derrubar a lei da oferta e procura, ainda não surgiu Nobel da Economia capaz de decifrar esse enigma.

E o resultado já começa a aparecer. Circula na internet uma espantosa comparação entre os preços atuais dos imóveis no Brasil, nos EUA e em outros países. É inacreditável a disparidade.

Também fazem sucesso na internet as fotos do porão em Copacabana, cheio de canos de esgoto à mostra, oferecido para venda pela módica quantia de 300 mil reais, vejam a que ponto chegamos.

UM GRAVE PROBLEMA

O problema afeta a economia como um todo. Pelo Brasil inteiro, é um espanto o número de lojas e galpões vazios, oferecidos para alugar ou vender. Em Botafogo, aqui no Rio, pedem 400 mil para vender uma lojinha de 48 m², numa rua sem movimento. Parece piada.

Quem se arrisca a abrir um negócio tendo de investir tanto para comprar ou alugar o ponto? É claro que se trata de uma circunstância altamente desestimulante. E não adianta a presidente Dilma ir à TV para dizer que está tudo bem e pedir que os empresários invistam e que seja abertos novas empresas. A bolha imobiliária está prejudicando os negócios, não há dúvida.

EXEMPLO DOS EUA

Nos Estados Unidos a bolha imobiliária explodiu e balançou a maior economia do planeta, mas no Brasil a situação é bem diferente, porque aqui não há a praxe de serem feitas sucessivas hipotecas sobre imóveis.

O que está aumentando é o número de imóveis vazios, para aluguel ou venda, e os corretores estão entrando em desespero. No Rio, o mercado está devagar, quase parando. Uma casa de vila, no Rio de Janeiro, com 4 quartos, está para aluguel por 7 mil reais. Desanimado, o corretor reconhece que assim não é possível, ninguém se interessa. Diz que o valor real será 3 mil ou, no máximo, 4 mil.

É claro que o mercado está caindo na real. Chama atenção o anúncio de um apartamento amplo, de três quartos, em Ipanema, prédio antigo, sem elevador, por apenas 3,5 mil mensais, algo inimaginável até alguns meses atrás. E já aparecem muitos anúncios dizendo “aceito oferta”…

Traduzindo tudo isso: A bolha começa a desinchar, sem explodir. Mas a economia vai mal, presidente Dilma, e pode prejudicar sua candidatura. Pergunte à General Motors. Ou ao próprio PT, que prefere a candidatura de Lula.

10 thoughts on “Previsão de Ano Novo: Bolha imobiliária atinge o ápice e depois…

  1. Algumas experiências afora vêm demonstrando que as quedas de preços dos imóveis não derrubam NECESSARIAMENTE os dos aluguéis. Madri, Lisboa e Porto em 2012 provaram. Os alugueis comerciais e residenciais na cidade de N.York dispararam entre 2011 e 2012, apesar do estouro da bolha. Até uma loja roupas estabelecida nos anos 70, na rua 74 com Av. Roosevelt, debaixo do elevado do metrô, no Queens, pediu arrego e fechou em 2012 por não aguentar o reajuste do aluguel. Um ponto comercial da esquina da rua 49 com a Broadway, lado esquerdo da mão dos carros, perto do Times Square, ficou 9 meses para ser alugado e, segundo apurei, não baixou o preço, e um tintureiro chinês, há décadas na 52 entre as 7a e 8a Avenidas, me disse em setembro de 2011 que ia se mandar de lá por não aguentar o reajuste. Comprovei, posteriormente. No Rio, particularmente na zona sul, a situação se agrava por falta de espaço. Até proprietários de terrenos de postos de gasolina estão se aproveitando do mercado para venderem seus terrenos para construções imobiliárias. O da Praça José de Alencar, no Flamengo, foi um deles. Comenta-se que o da esquina das ruas Ipiranga e Laranjeiras dia desses sucumbe às ofertas milionárias, porque o terreno é enorme e com muito espaço ocioso. Não sei como aquele posto da Av.Bartolomeu Mitre com General San Martin, Leblon, Rio, ainda resiste com o m2 a 21000 reais na área. Agora, no Leblon, proprietários dos poucos espaços comerciais disponíveis introduziram um novo ingrediente no negócio, isto é, só querem alugar para grifes famosas ou comércios de produtos sofisticados.

    • Isso aí amigão, compra para alugar que é um baita negócio! Vai subir cada vez mais! Ainda mais com a copa e as olimpíadas, você pode ficar milionário nos próximos dois anos! E o melhor, sem trabalhar!

  2. O proprietário no Brasil, está sonhando alto, querem ficar ricos a custa do cidadão, não tem a mínima noção de avaliação da renda do povo, vivem fora da realidade e pensam que podem colocar valores exorbitantes, o resultado será esta enxurrada de imóveis vazios.
    Quando perceberem que vivemos num país com limitações de rendimentos, pois não são todos que ganham salário de artista, jogador de futebol, apresentador de televisão, um país que paga mal os trabalhadores, não podem fugir desta realidade e os empresários de construção, fazem verdadeiras cabeças de porco e pedem valores fora desta realidade, este programa minha casa minha vida, o cidadão paga por um imóvel que não vale o preço e aí, vão sendo enganados por este governo que só pensa em se perpetuar no poder.

  3. Essa situação em que nos encontramos é uma piada, baixaram os juros para desestimular a poupança e ajudar as construtoras e formou-se um novo exército de “assentadores de tijolos votantes”, aí elas construíram como loucas pois tinha muito interessado fazendo fila, mas o mercado virou uma pirâmide, com quem entrou antes vendendo mais caro para quem queria entrar depois, e o resultado é o que vemos hoje: a SELIC está voltando ao normal, construtoras dando descontos descarados, gente reclamando que não consegue vender e ninguém é louco de por dinheiro em imóveis por esses valores, já o FINGE-ZAP diz que os preços estão normais e sobem 1% a.m., fato esse “comprovado” por outros “especialistas” que falam diariamente em nome desse mercado doente,

  4. A internet (site reclameaqui) está cheia de reclamações de especuladores que compraram dizendo que era para ter lucro, mas agora até as construtoras estão vendendo mais barato do que eles pagaram, ou seja, perderam dinheiro acreditando que essa situação de “valorizações” artificiais seria eterna, isso foi prejuízo na certa.

    Outra coisa que colaborou com essa situação foram os financiamentos bancários, porque alguém venderia pelo preço justo se o interessado pode recorrer ao banco e pagar o dobro desse valor ? Não é a toa que a inadimplência está aumentando.

    • Por favor, não confunda. O site Reclame Aqui é de CONSUMIDORES. ESPECULADORES não reclamam quando perdem. Conhecem as regras e os riscos do mercado capitalista. E quem adquire a casa própria não é especulador nem aqui nem na China. Quer é se ver livre de aluguel.

  5. Realmente uma grande receita de desenvolvimento econômico, enriquecer corretores de imóveis em vez de promover e.g. indústria do conhecimento. Parabéns aos envolvidos! Vamos longe!

  6. A situação é a seguinte:
    O pessoal está comprando com preços absurdos e com financiamentos de 20 anos, 30 anos …
    Não tem como prever o que vai acontecer na sua vida num intervalo tão grande de tempo!!! a situação atual deixa claro que a economia está a meio passo do colapso. As familias brasileiras nunca estiveram tão individadas!! o percentual de individamento da familia brasileira passou dos 60%!!! Hoje o brasileiro tem prestação de tudo (carro, casa, moveis, etc) sem falar do aumento dos impostos e dos combustiveis, não existe a “multiplicação dos pães”. Ferrou!!
    O governo está com uma bomba no colo e o time vai zerá antes do final do ano.
    As construtoras estão no limite do individamento, muitas num tem dinheiro para pagar os seus credores – estão rolando a divida, outras estão cancelando projetos e paralizando obras já iniciadas por falta de caixa, acredito que muitas irão pedir falência e também acredito que ainda não o fizeram por pressão do governo (imagina uma grande construtora quebrando em ano eleitoral – alguém está segurando esse problema até após as eleições).
    O proximo presidente estará com um enorme problema para resolver.
    Resumo: O óbvio. Quem tiver dinheiro segure! tempo ruins estão por vir!!

  7. nao precisa ser economista ..em um pais q nao tem seguranca saude ou quase nada ded retorno dos impostos q pagamos e so ter mais um pouco de pasciencia antes de comprar ou alugar um imovel ..que com certeza quem tiver um dinheirim guarddado num futuro proximo eu acredito q os precos vao cair pela metade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *