Primo é “olheiro” de Carlos Bolsonaro e circula livremente no Palácio do Planalto

Leonardo Rodrigues de Jesus

Léo Índio (à esquerda) ganhou “crachá amarelo” da Presidência

Deu no Estadão

Embora trabalhe na Câmara Municipal do Rio, o vereador Carlos Bolsonaro (PSL), filho do presidente Jair Bolsonaro, tem uma espécie de representante no Palácio do Planalto, onde despacha seu desafeto Gustavo Bebianno, ministro da Secretaria-Geral da Presidência.

Primo de primeiro grau de Carlos e um de seus auxiliares na estratégia de redes sociais da campanha eleitoral, Leonardo Rodrigues de Jesus, de 35 anos, rodeia o presidente desde a transição de governo. Em Brasília, expandiu o livre acesso aos gabinetes do Palácio do Planalto, mesmo sem ter cargo na Presidência.

LÉO ÍNDIO – Sobrinho do presidente, por ser filho de uma irmã de Rogéria Nantes, uma das ex-mulheres de Bolsonaro, ele é conhecido como Léo Índio e é íntimo de Carlos. A proximidade com a família presidencial fez com que transitasse sempre muito próximo do tio, chegando a ser confundido como um dos agentes da escolta de Bolsonaro.

A Secretaria de Comunicação Social (Secom) afirmou que Léo Índio “não ocupa cargo em nenhum órgão da Presidência da República”. Apesar disso, ostenta um crachá amarelo da Presidência quando caminha livremente nas dependências do Planalto, em locais de acesso restrito.

NÚCLEO DURO – Nesta quarta-feira, dia 13, por exemplo, circulava no quarto andar, onde despacha o núcleo duro do governo. A desenvoltura gera desconfiança de assessores presidenciais, que veem no sobrinho do presidente uma espécie de “olhos e ouvidos” de Carlos.

A Secom não esclareceu o motivo de frequentar quase diariamente o Planalto. Ele chegou a participar de reuniões de autoridades com o governo de Minas, após o rompimento da barragem de Brumadinho. Segundo o Planalto, essa foi a única reunião que o “olheiro” de Carlos participou. A exemplo do primo, Leo Índio rechaça jornalistas.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Léo Índio também participou de uma reunião ministerial, junto com o primo Carlos Bolsonaro, antes de o presidente fazer a terceira cirurgia. Nessa reunião, Bolsonaro pediu que todos os ministros deixassem os celulares na antessala, para que ninguém gravasse as conversas, mas Carlos e Léo entraram com os celulares e acompanharam a reunião fechada, parecia até que eram integrantes do ministério. Como dizia Ibrahim Sued, em sociedade tudo se sabe. (C.N.)

5 thoughts on “Primo é “olheiro” de Carlos Bolsonaro e circula livremente no Palácio do Planalto

  1. Isso faz lembrar o episódio do governo Lula em que o então presidente concedeu passaportes diplomáticos a seus familiares… Não tem jeito, sempre confundem a coisa pública com a particular.

    Bolsonaro segue pelo mesmo caminho, em tão pouco tempo de governo. Ainda há conserto. Mas que o faça o quanto antes.

    Será que é tão complicado separar o particular do público?

    • Deve ser muito complicado mesmo…
      Gosto do nosso Presidente, mas tenho que reconhecer que a falta de bom senso é tamanha!
      Isso me incomoda muito.
      Mas prefiro esta falta de bom senso, do que aquele non sense que vivemos na nossa época de bandeiras vermelhas!
      Atenciosamente.

  2. O problema dos idiotas dos filhos de Bolsonaro é que eles ainda não entenderam que o pai é PRESIDENTE DO BRASIL, e não de clube de fim de linha e que o PLANALTO não é a CASA DA MÃE JOANA. E, esse primo que transita livremente, sem ocupar cargo algum, vive de que?

  3. Até dá para comparar o livre trânsito do primo com a mesma situação do José Carlos Bumlai que não tinha restrição alguma para entrar a qualquer hora no Planalto quando Lula era presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *