Processo do amigo de Pimentel vai envolver muitos políticos

Rubens Valente e Natuza Nery
Folha

Investigadores da Operação Acrônimo já encontraram durante as buscas e apreensões da semana passada elementos que ligam empresas de publicidade Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, a campanhas eleitorais de 2014 e a autoridades com o chamado foro privilegiado, pelo qual um político com mandato só pode ser processado e julgado por determinados tribunais.

Nas buscas, segundo a Folha apurou, foram encontradas listas com ordens de pagamentos. Nos próximos dias, os investidores deverão remeter a relação dos políticos com prerrogativa de foro para que o juiz decida se o inquérito deve ser enviado a tribunais superiores.

Duas empresas controladas por Bené, ligado ao PT, receberam R$ 525 milhões de órgãos do governo federal entre 2005 e 2015. A PF investiga suspeitas de lavagem de dinheiro e associação criminosa.

PRIMO RICO

Primo do empresário dos ramos de gráficas e Pedro Augusto Medeiros apresentou em suas contas bancárias uma movimentação incompatível com sua renda. Apesar de declarar renda de R$ 1,4 mil, Medeiros apresentou “movimentações incompatíveis” de R$ 1,35 milhão, segundo relatório da PF. Em apenas três meses de 2007, Medeiros movimentou R$ 100 mil. Em 2010, depositou R$ 200 mil de uma única vez em sua própria conta e mais R$ 340 mil para uma agência de turismo. No ano seguinte, depositou R$ 395 mil para uma conta em seu nome no Rio de Janeiro.

As movimentações foram informadas à PF pelo Coaf (órgão de inteligência vinculado ao Ministério da Fazenda), anexado ao inquérito da Operação Acrônimo, deflagrada na última sexta-feira (29), que levou à prisão de Bené e Medeiros e mais três pessoas.

Medeiros foi um dos passageiros do avião turboélice King Air que transportava R$ 113 mil em outubro do ano passado e foi abordado pela PF no aeroporto de Brasília vindo de Belo Horizonte (MG).

Ao prestar depoimento na PF no mesmo dia, Medeiros afirmou que, do total do dinheiro apreendido, R$ 80 mil lhe pertenciam, em 700 notas de R$ 100,00 e 500 cédulas de R$ 20,00. Dos passageiros, foi o que assumiu a posse da maior parte do dinheiro.

MÚLTIPLAS FUNÇÕES

Embora tenha se apresentado como “corretor de imóveis” no depoimento que prestou à PF, Medeiros, segundo a polícia, “trabalha como segurança” de Bené e seria uma espécie de “faz-tudo”.

Para a PF, “não é razoável considerar” que Pedro fosse o proprietário da maior parte do dinheiro apreendido no avião. “Ainda mais desarrazoada é a comparação entre a renda lícita do investigado Pedro com os valores referidos no Relatório de Inteligência Financeira disponibilizado pelo Coaf”, escreveu o delegado Guilherme Torres, em representação enviada à 10ª Vara Federal do DF.

A PF apontou, no documento, que Pedro é, “na verdade, mais que mero despachante ou office-boy daqueles, não só realizando entrega de documentos, transportando familiares, mas especialmente encobrindo/ocultando os reais operadores e proprietários dos valores movimentados nas transações bancárias”.

LUGAR PERIGOSO…

Quando Pedro foi detido com o dinheiro no aeroporto, a PF teve acesso ao seu telefone celular, que foi apreendido e periciado. Em março de 2014, Pedro reclamou ao publicitário Victor Nicolato, por mensagem, que se recusava a voltar a um determinando banco, não identificado, para fazer operações financeiras. Nicolato, segundo a PF, é sócio de Bené.

“Não me pede para ir naquele banco mais, não. O lugar é perigoso. […] 40 minutos lá e vendo a rotatividade de gente estranha. Não dá para confiar!”, disse Medeiros a Nicolato, em uma das mensagens.

O Coaf também informou à PF as movimentações de Bené. Ele movimentou R$ 9 milhões em duas contas pessoais no banco Itaú entre 2007 e 2011. No ano seguinte, Bené fez onze “transações fracionadas” no valor total de R$ 72,5 mil. Segundo o Coaf, a prática “configura artifício para burlar da identificação da origem, do destino, dos responsáveis ou dos responsáveis finais”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *