Procurador diz que faltam servidores para combater a corrupção, mas o que falta mesmo é vontade política.

Carlos Newton

Reportagem de Luciano Nascimento, da Agência Brasil, diz que a insuficiência no número de servidores nos órgãos federais de controle tem dificultado as ações de combate à corrupção, segundo o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

“Isso compromete realmente o sistema de controle. A gente tem que trabalhar para incentivar ou fortalecer esses órgãos parceiros, para que eles possam atuar em toda a sua plenitude”, disse o procurador, citando uma pesquisa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, que avalia entre 1,5% e 2,3% do PIB os recursos desviados anualmente no Brasil.

“Todo o dinheiro que você tira com a corrupção é o dinheiro que falta para a saúde, para a educação, e para a segurança. A corrupção, além de ser causa para a deficiência nos serviços públicos, também é barreira para a recuperação dos mesmos serviços”, afirmou.

SEM CONTROLE

Durante o evento do Dia Internacional Contra a Corrupção, segunda-feira, foram apresentados dados que mostram a deficiência de servidores em órgãos essenciais, como a Controladoria-Geral da União, que estaria com um déficit de 1.300 funcionários para atuar na análise de financiamento e controle.

“Temos a preocupação de que o governo esteja abdicando de maior controle das contas públicas, pois tais recursos não sofrem fiscalização efetiva pelos órgãos passadores”, disse a coordenadora da 5ª Câmara de Coordenação e Revisão da Procuradoria-Geral da República, Denise Vinci.

Segundo Denise, as auditorias quanto a R$ 50 bilhões empenhados este ano na área da saúde, “vão sendo restringidas à amostragem, pois eles têm um quadro ínfimo de 127 servidores”. O mesmo problema existe na fiscalização de recursos da educação. “Há um déficit de 645 servidores, 57% do quadro, e por isso as fiscalizações envolvendo os R$ 14 bilhões do Fundo se restringirão ao aspecto formal, ou seja, à análise da papelada”, disse.

TRADUZINDO

Isso tudo é verdade, mas deve ser reduzido à sua expressão mais simples. O combate à corrupção é fácil, basta cruzar dados da Receita Federal com informações de IPVA e de registro de imóveis. Simples assim. Exatamente como o governo dos EUA fez em 1931, para fisgar Al Capone.

Aqui no Rio de Janeiro, por exemplo, imediatamente seriam apanhados o governador Sérgio Cabral e o secretário de Saúde Sérgio Cortes, dois milionários que saíram do zero para os milhões, às custas do dinheiro destinado à saúde pública (entre outras falcatruas, pois Cabral é polivalente nesse particular, com suas perigosas ligações com o empreiteiro Fernando Cavendish, de que chegou a ser concunhado, até que a morte das duas irmãs, no acidente de helicóptero na Bahia, os separou).

Quando isso começar a acontecer , a corrupção diminui de chofre, porque o que incita essa derrama de recursos públicos é apenas a impunidade.

 

3 thoughts on “Procurador diz que faltam servidores para combater a corrupção, mas o que falta mesmo é vontade política.

  1. Que pena ler esta declaração , pois esta tudo na internet , como bem disse o Blog , basta cruzar dados , hoje nao se faz nada na internet se nao fornecer o cpf.
    E olha que na época do Capone só tinham maquina de escrever !!!

  2. Se não houvesse impunidade, mesmo em poucos casos, Juizos bem feitos e penas bem dimensionadas que leve alguns corruptos a 20 30 anos de cadeia mesmo, faaria a vez de milhões de procuradores bem formados ! Inibiria consideravelmente a farra com o erário público !
    Não faltaria funcionarios no controle se realmente houvesse controle com os poucos que temos !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *