Procurador diz que o maior escândalo vai estourar no BNDES

Elder Dias e Cezar Santos
Jornal Opção (Goiás)

É raro achar um político que goste do procurador Helio Telho Corrêa Filho. Além de já passado pelo Ministério Público Eleitoral em Goias, deixando estragos em várias candidaturas com gastos suspeitos nas eleições de 2004 e 2006, ele usa as redes sociais para dizer o que pensa — e geralmente o que ele pensa é o antônimo do que um questionável ocupante de cargo público consideraria um elogio.

Dessa forma, ele consegue a antipatia de partidários de todas as correntes. Ser tido por tanta gente diversa como “persona non grata” não parece lhe incomodar. Sobre a crise da Petrobras, Telho diz que o pior ainda está por vir, diz ele. “Nós ainda vamos ver o maior escândalo de corrupção. E será no BNDES. Se na Petrobrás havia o TCU [Tribunal de Contas da União] investigando e denunciando fraudes, do BNDES nós não temos nada, não sabemos nada”, alerta o procurador, que estabelece até um prazo máximo para os novos podres virem à tona: dois anos.

O sr. diz que se surpreende que as coisas tenham crescido. A coisa não cresceu dentro da Petrobrás justamente porque o “status quo” de poder instalado na República hoje está profundamente implicado, e isso serve para financiar o partido do governo e seus aliados privilegiados?

Se o sistema favorece a prática da corrupção, ela vai florescer. E tenho repetido: este ainda não é o maior escândalo que vamos ver. Ainda vamos ter um escândalo maior do que esse. E digo até qual: será no BNDES. Por que sei disso? Estou fazendo investigações, ouvindo escutas telefônicas? Não. Mas é que as coisas são óbvias demais. A corrupção floresce em ambientes onde há muito dinheiro, nenhum controle, muito sigilo e impunidade total. O BNDES está alavancando com mais de R$ 500 bilhões do Tesouro Nacional, fazendo empréstimos a juros subsidiados. Mas não sabemos para quem, quanto foi para cada um e nem quais são as garantias. Por quê? Porque alegam sigilo bancário e, assim, nós não podemos ter acesso. Ou seja, a CGU [Controladoria-Geral da União] não fiscaliza, o TCU [Tribunal de Contas da União] não consegue fiscalizar, o Ministério Público Federal não tem acesso. Ninguém tem acesso. É claro que esse dinheiro está sendo desviado. É claro que isso é uma cultura para a corrupção. Tudo isso é muito óbvio. Quando conseguirmos abrir a caixa preta do BNDES, a “petropina” vai parecer troco de pinga. Se na “petropina” tinha obra em torno de R$ 70 bilhões em contratos, no BNDES há R$ 500 bilhões, sete vezes mais. Só que na Petrobrás havia o TCU investigando e denunciando fraudes e superfaturamentos, há muito tempo. Mas no BNDES nós não temos nada, não sabemos nada.

E os financiamentos para obras no exterior?

O dinheiro para financiar obras em Cuba, por exemplo, chega lá depositado, por exemplo, em um banco do país. E quem está tocando essa obra é a Odebrecht, que foi considerada pela Transparência Internacional a empresa privada de menor transparência entre as grandes, sem qualquer estrutura interna de combate à corrupção. Esse dinheiro do BNDES, então, vai para o banco cubano e é movimentado sem controle nenhum. Como saberemos o que foi feito com esse dinheiro, como poderemos rastreá-lo? Então, o que vemos é como se tivessem arando o terreno fértil, colocando adubo e semeando corrupção. Será que ela vai nascer? É evidente que vai! Portanto, nós ainda vamos ver o maior escândalo de corrupção na República, destav vez no BNDES.

— Como combater a corrupção?

As medidas que os colegas estão tomando na Operação Lava Jato são úteis, mas não são as únicas nem as mais eficazes. Combate-se a corrupção com punição e prevenção. Primeiro, é preciso evita que a tranca seja arrombada. Precisamos ter instrumentos de controle, organismos, entidades e órgãos independentes de controle interno e externo, para ficar auditando esses contratos, ficar avaliando, verificar execução, cobrar prestação de contas e para poder identificar uma eventual situação de irregularidade antes de ela acontecer ou quando ainda estiver no começo. É preciso ter transparência, ou seja, todo mundo tem de ver o que está acontecendo. Porque quem está ali dentro fica constrangido e com medo de ser preso. Se está protegido pelo escuro e pelo sigilo, vai se sentir muito mais à vontade para roubar.

— E a impunidade?

É necessário ter controle e transparência, e também um sistema processual que seja eficaz para punir os casos em que não foi possível prevenir. Aí nós entramos em um problema sério, voltando à questão dos constituintes. Nós temos garantias em excesso, em decorrência disso um processo criminal e judicial não acaba nunca. A garantia diz que a pessoa não será considerada culpada enquanto não transitar em julgado a sentença condenatória. Nos Estados Unidos, o réu não pode ser considerado culpado enquanto não houver prova em contrário. Aqui, não: é enquanto não tiver sentença judicial condenatória transitada em julgado. E a pessoa pode recorrer. E há recursos infinitos. Fica nisso, recorrendo, sem deixar transitar. E, assim, nunca será considerada culpada.

Essa facilidade não está sendo utilizada somente nos crimes de colarinho branco, a criminalidade violenta também está se aproveitando disso. Por isso as pessoas condenadas logo estão nas ruas. Se é condenado a sete anos, cumpre 11 meses e já sai da reclusão, o sistema favorece todo mundo. Vejo iniciativas no Parlamento para endurecer penas, aumentá-las. Podem até impor pena de morte, três vezes pena de morte para o mesmo individuo… Com nosso atual sistema processual, não vamos conseguir executar sequer uma delas, quanto mais as três. É uma enganação quando se vê um político defendendo aumento de pena sem defender uma reforma no sistema processual e de investigação criminal que permita que se faça uma investigação célere, segura — com garantias para o investigado, mas também com possibilidade de obter provas com que consigamos responsabilizá-lo. Precisamos de um processo de responsabilização com direito à defesa, mas que chegue ao fim, que não seja tão demorado, que não dê margem para manobras que visem fazer o processo prescrever. Se o político não defende isso dessa forma, está apenas enganando.

(entrevista enviada por Armando Gama)

9 thoughts on “Procurador diz que o maior escândalo vai estourar no BNDES

  1. Corretíssima a análise do procurador.

    O BNDES será muito pior do que o que ocorre na Petrobras, que já é um total absurdo.

    O banco de fomento possui, inclusive, muito mais recursos disponíveis – liquidez – para serem desviados.

    De recursos do Tesouro são R$433,1 bilhões. Do FAT mais R$192,4 bilhões. E de outros recursos capitados no Brasil e no exterior, mais R$61,8 bilhões, totalizando R$687,3 bilhões (!) em cash sujeitos a todo o tipo de desvios.

    É muito mais recurso que os recursos em disponibilidade da Petrobras que totalizam pouco mais de R$60,0 bilhões.

    É dez vezes mais!

    O sigilo das operações do BNDES é criminoso. E como disse o procurador, quando estourar escândalos envolvendo o banco os recursos desviados da Petrobras parecerão troco de pinga.

  2. Escrevi alguns dias atrás aqui neste site, que o saque ao patrimônio público, a rapina feita por criminosos socialistas do PT, não restringia-se apenas a Petrobrás. As comprovações não tardarão a acontecer. BNDES, Fundos de pensões, e outras empresas públicas, já devem ter sido saqueadas, ou caminham para serem roubadas.
    O Brasil se ferrou, em grau, gênero e número quando elegeu um partido de delinquentes, o PT, para conduzir os destinos da pátria. Em si o socialismo já é lixo, mas o lixo petista pretende se instalar definitivamente, eliminando todas as chances de alternância, criando a fraudulenta “democracia popular”, um simulacro da verdadeira democracia.
    A única esperança que resta ao Brasil é a mudança no processo eleitoral, com o registro físico dos votos, como existe nos E.U.A onde o voto é escaneado e digitalizado.
    Se não houver mudanças no processo eleitoral brasileiro, a quadrilha de criminosos socialistas petralhas ficará no poder ad infinito.
    Resta saber se a pusilânime oposição (psdb, dem, entre outros) brasileira tem raça para exigir mudanças no processo eleitoral. Coisa que eu não creio.

  3. “Resta saber se a pusilânime oposição (psdb, dem, entre outros) brasileira tem raça para exigir mudanças no processo eleitoral. Coisa que eu não creio”

    Esses sempre usaram o BNDES. Terão medo de que o vasculhem. Vejamos como está o PDT.

Deixe uma resposta para Prentice Franco Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *