Procuradoria pede bloqueio de R$ 154 milhões de Picciani e de seu filho Felipe

Paulo Melo, ex-presidente da Alerj, já depôs  à PF

Gabriela Mattos
O Dia

O Ministério Público Federal pediu ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) o bloqueio de R$ 154,46 milhões do presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB) e de um dos filhos dele, Felipe Picciani. Os dois são alvos da Operação “Cadeia Velha”, desdobramento da Lava Jato. O parlamentar foi levado coercitivamente a depor e Felipe foi preso pela Polícia Federal.

“Mostra-se necessária e urgente a decretação de ordem judicial para determinar o bloqueio dos ativos em nomes dos representados, incluindo pessoas jurídicas vinculadas diretamente envolvidas nos atos de corrupção e as que se relacionam com a lavagem de ativos, conforme já explicitado na medida cautelar de afastamento do sigilo bancário e fiscal e reconhecido ante o deferimento do pedido”, requereu a procuradoria. O MPF quer que o bloqueio atinja ainda as empresas da família Picciani.

OUTROS ENVOLVIDOS – A operação investiga os também deputados estaduais Paulo Melo (PMDB) e Edson Albertassi (PMDB) e outros dez suspeitos por corrupção envolvendo a Alerj. A Procuradoria da República pediu o bloqueio de R$ 108,61 milhões de Paulo Melo, de R$ 7,68 milhões de Edson Albertassi.

A operação “Cadeia Velha” cumpriu mandados de prisão contra empresários do setor de ônibus, Jacob Barata Filho e Lélis Teixeira. Edson Albertassi e Paulo Melo também foram levados para prestar depoimento nesta terça. Segundo o MPF, a condução coercitiva dos parlamentares foi ordenada como alternativa inicial à prisão deles, já que eles têm foro privilegiado. Apesar disso, o órgão já pediu ao 2º Tribunal Regional Federal (TRF) a prisão dos três deputados.

ILÍCITOS GRAVÍSSIMOS – “Havendo demonstração cabal de ilícitos gravíssimos e até mesmo alguns em estado de flagrância, à vista de sua natureza permanente, e que a liberdade dos referidos alvos implicaria perigo concreto à ordem pública, além da aplicação da lei penal, requer o MPF sejam deferidas prisões preventivas em desfavor dos deputados estaduais ora investigados”, afirmam os procuradores regionais.

Além de Lélis Teixeira e Jacob Barata Filho, o empresário José Carlos Lavouras, também ligado a Fetranspor, também é alvo da ação. No entanto, ele está fora do país e ainda não foi preso. Os policiais cumprem mandados de prisão contra Sávio Mafra, assessor especial do gabinete da presidência da Alerj; Jorge Luiz Ribeiro, braço direito de Picciani; Andréia Cardoso do Nascimento, chefe do gabinete de Paulo Melo; e o irmão dela, Fábio, um dos assessores do parlamentar.

SOLTOS POR GILMAR – Os empresários Jacob Barata e Lélis Teixeira já haviam sido presos no início do ano pela Operação Ponto Final, que investiga um suposto esquema de pagamento de propina a políticos e fraudes em contratos do governo estadual com empresas de transporte público.

No entanto, em agosto, os empresários foram beneficiados por um habeas corpus concedido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Desta vez, Gilmar vai ter de encontrar outros argumentos para soltar Barata e Teixeira. Quanto a Picciani, seu problema é só o filho, porque ele se garante com o apoio massivo da Assembléia. (C.N.)

10 thoughts on “Procuradoria pede bloqueio de R$ 154 milhões de Picciani e de seu filho Felipe

  1. Agora que descobriram o Picciani? Tás brincando. Se depender de autorização da AL, é piada, né?, sra. Carmen Lúcia, Gilmar, Lewandowski et caterva. .

  2. E,o deputado do “VAMU LIMPANDU”,do “PRA CIMA DELES” do ” MINHA PULIÇADA”,
    Ele,é o vice presidente da ALERJ,não sabia que o hipopótamo geriátrico,gostava de bulir no dinheiro do povo.Como vai ficar agora,não vai falar nada.

  3. Essa PF é barra pesada. Dá orgulho ver os rapazes em seus uniformes pretos cumprindo o dever firmemente e com discrição. Vê-se que nem tudo está perdido, mas seria muito melhor se houvesse uma operação relâmpago e saneadora para extirparmos os ratos nojentos que nos roubam descaradamente.
    “Tem que manter isso, viu?”.

  4. Paulo Melo, o Rei das CPI,s.

    Se gabava em levar os depoentes “Sob Vara”.

    Hoje a Lei do Retôrno, implacável, cobrou a fatura.

    Paulo Melo, depôs na PF, sob “Condução Coercitiva”, muito mais chique, que na Vara.

    Que paque por suas maldades!

  5. O meu celular esta ruim , !estou com uma amiga oficial da Marinha, queremos saber se amanhã vai ter mais vexamev ? O rei da intrjpode responder?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *