Produção de petróleo no Brasil ultrapassa a marca de 1 bilhão de barris por ano

Resultado de imagem para petrobras charges"

Petrobras já é a quarta petroleira do mundo em produtividade

Carlos Newton

A Agência Nacional do Petróleo não serve para quase nada. É apenas um dos cabides de empregos criados pelo desgoverno Fernando Henrique Cardoso. Sinceramente, não dá para entender por que continuam a existir esses tipos de órgãos públicos, que não têm a menor serventia. Ontem, cruzei no centro do Rio de Janeiro com um automóvel de alto luxo, com vidro fumê e uma placa enorme, onde estava escrito: “Conselho Regional de Enfermagem – Autarquia Federal”.  

Fiquei pensando: “Se tem um carro nesse padrão, este Conselho que não serve para nada deve ter outros veículos mais populares, além de sede, presidente, diretores, assessores, secretarias, motoristas e contínuos, tudo pago pelo cidadão brasileiro, com sucursais em todas as c apitais do país”.

É HORA DE ACABAR – Logo no início do governo, Bolsonaro tentou extinguir esses conselhos,  mas não conseguiu, porque é preciso aprovar leis no Congresso. Mas até agora não foram apresentados esses necessários projetos de lei. Será que o governo esqueceu ou serão incluídos na reforma administrativa? Esperamos que assim seja. Vamos aguardar.

Voltando à Agência Nacional do Petróleo, sem ter muito o que fazer, seus diligentes funcionários nos trazem uma boa notícia. Pela primeira vez, a produção total no Brasil foi de 1,018 bilhão de barris em 2019, com aumento de 7,78% em relação ao volume de 2018, quando foram produzidos 944,117 milhões de barris.

Já a produção total de gás natural em 2019 foi de 44,724 bilhões de metros cúbicos, com aumento de 9,46% em relação aos 40,857 bilhões de metros cúbicos registrados em 2018.

VIVA O PRÉ-SAL!!! – No consolidado do ano, o Pré-sal produziu 633,980 milhões de barris de petróleo e 25,906 bilhões de metros cúbicos de gás natural, o que corresponde a acréscimos de, respectivamente, 21,56% e 23,27% em relação a 2018, quando foram produzidos 521,543 milhões de barris de petróleo e 21,016 bilhões de metros cúbicos de gás natural.

Mais uma façanha: no mês de dezembro de 2019 a produção de petróleo foi de 3,106 milhões de barris por dia, superando em 0,52% o recorde registrado no mês anterior e em 15,44% a produção de dezembro de 2018.

A produção de gás natural também superou o recorde do mês anterior, registrando um aumento de 0,87% e alcançando a média de 137,8 milhões de metros cúbicos por dia. Em relação a dezembro de 2018, a variação foi espantosa, com mais 21,19%.

PRIVATIZAÇÃO– Diante desse desempenho, ainda há quem defenda a venda de todos os ativos da Petrobras, um patrimônio que deveria orgulhar esta nação… Aliás, ressalve-se que muitos brasileiros defendem a privatização de boa fé, por não terem conhecimento profundo do tema. Não sabem que, em produtividade e custo/benefício, a Petrobras já é a quarta empresa no ranking mundial, somente suplantada pelas estatais da Arábia Saudita, do Irã e do Iraque, nesta ordem, com o detalhe de que um dos maiores campos iraquianos (Majnoon) ter sido descoberto pela Petrobras, após muitas multinacionais terem fracassado na prospecção.

Enquanto a Petrobras segue adiante, com a produtividade crescendo progressivamente e o custo de produção diminuindo, a PDVSA venezuelana não passa de 750 mil de barris por dia. Por tanto, é hora de prestigiar e fortalecer a Petrobras, unindo esforços em torno da preservação da empresa, mas quem se interessa?

###
P.S.
O que se deve discutir hoje é a política de preços da Petrobras, que realmente parece calamitosa. Este será o tema do nosso artigo de amanhã e vocês vão se surpreender com novas informações sobre os preços dos combustíveis. Realmente, é “imprecionante”, como se diz hoje em dia. (C.N.)

19 thoughts on “Produção de petróleo no Brasil ultrapassa a marca de 1 bilhão de barris por ano

  1. Esses Conselhos de Classe, tipo COREN, CRP, CRM, CREA, OAB etc, não constavam dos Decretos de Bolsonaro para extinção por terem sido instituidos por Lei.

    São mantidos pelas Anuidades dos profissionais de cada orgão de classe.

    Fiscalizam se os profissionais de cada orgão estão devidamente habilitados a exercer a profissão.

    Realmente não precisavam comprar carro de luxo, se a verba própria está sobrando, basta reduzir o valir das anuidades dos profissionais.

    Esses orgãos são pessoas juridicas sui generis, de interesse publico mas administração privada com eleição de conselheiros e diretores pelos profissionais de cada classe.

      • Jose Vidal, o artigo disse quase tudo que falei antes. Leia o que escrevi antes e leia novamente o artigo e veja que é quase a mesma coisa.

        – o governo faz dívida nova pra pagar dívida velha.
        – tem rombo no orçamento.
        – quando o governo tem superavit primário, ou seja, sobra dinheiro arrecadado de imposto, ele usa isso para pagar as dívidas antigas, o que faz a dívida reduzir em relação ao PIB; quando tem rombo ela aumenta, pois agora tem que vender mais títulos para pagar os titulos velhos e as despesas correntes(salários, aposentadorias, investimentos, manutenção de prédios, etc).

        – Hoje o governo está vendendo o titulo NTN-B, tesouro IPCA + com juros semestrais 2035 e outro 2050, ou seja vai vencer em 01/08/2050. É uma dívida para 2050, ou pode ser paga antes, se o governo tiver dinheiro sobrando além das despesas, o que não acontece desde 2013.
        – Outro titulo: LTN tesouro prefixado 2022, vencimento 01/01/2022.

        O governo só paga juros semestrais, desses títulos, vendidos com essa promessa, mas no geral, o montante que falam que é juros, é na verdade a operação.

        “Sim, o Orçamento diz que a dívida pública consome uma fortuna. Segundo o relatório de execução orçamentária, em 2017 a União destinou R$ 986 bilhões para juros, encargos, amortização e refinanciamento da dívida, o equivalente a 39% dos gastos totais:
        “Só que esse dinheiro não veio da arrecadação de impostos. A fonte aparece no relatório de receitas: são recursos levantados por meio de operações de refinanciamento ou emissão de novos títulos.”

        O próprio texto diz isso.

        Leia o texto e compare com o que falei antes.

          • Alex Moura, os juros e encargos da dívida não são pagos, somente rolados, através da emissão de novos títulos e refinanciamento. Isso é uma bola de neve que aumenta a nossa dívida. E enquanto tivermos déficit primário esse ciclo vai continuar. Releia o artigo e absorva

          • José Vidal, essa é minha última mensagem. A coisa saiu do controle e perdeu o sentido, quando partiu para o lado pessoal.

            O que eu tinha de dizer já foi dito, e vai servir para quem quiser.

            Boa tarde.

  2. Prezado Carlos,
    Grande parte dos que defendem a privatização o fazem por desconhecimento de fatos, como mencionado no seu texto. Infelizmente nossa imprensa não faz questão de informar, ou quando o faz, não faz de forma clara. Ainda hoje a maioria da população não sabe que 2/3 do valor da gasolina são impostos, e a maioria ainda acha que a Petrobras pratica monopólio, encerrado a mais de 22 anos (Lei nº 9.478).
    Agora uma pergunta final aos que defendem a privatização da Petrobras, acham mesmo que o valor de combustível vai baixar?
    Só uma correção, a Venezuela produz 700 mil barris/dia hoje.
    Abraços.

  3. É louvável a defesa dos interesses Nacionais nos Artigos de nosso Editor/Moderador Sr. CARLOS NEWTON. Sua análise da Indústria Nacional do Petróleo/Gás especialmente da Petrobras SA mostram seu Nacionalismo, dignos dos Pioneiros Sr MONTEIRO LOBATO, Pessoal do CNP (Conselho Nacional do Petróleo do Gen HORTA BARBOSA, do primeiro Presid. da Petrobras SA Gen JURACY MAGALHÃES, de tantos Militares, Engenheiros, Geólogos e Técnicos Brasileiros, especialmente do grande Presidente NACIONALISTA, Sr. GETÚLIO VARGAS, que embora um pouco excessivamente Estatista sempre foi para o lado certo.

    Pela primeira vez o BRASIL é auto-suficiente em petróleo/gás com uma Produção de 3.500.000Bep /Dia (Barris equivalentes de Petróleo)/Dia para um Consumo de 3.100.000 Bep/Dia, gerando Exportação Líquida de 400.000 Bep/Dia, maior parte para China e EUA.

    O desafio foi enorme pois o grosso do petróleo Brasileiro se encontra no mar, especialmente na Província petrolífera da “Picanha Azul” que vai do Norte do Estado de ES até SC, ( +- 1.500 Km) numa largura de +- 300 Km, ponto ótimo para abertura dos Poços +- 300 Km da Praia, numa lâmina de Água de +- 2.200m, abaixo de uma camada de sal de 2.000m (rocha nunca furada) e profundidade média dos Poços em mais de 6.000m.
    Ninguém no Mundo tinha feito algo parecido até então, e os Custos eram totalmente desconhecidos. Só fazendo para conhecer.
    Mas a capacidade da Engenharia Brasileira a tudo superou e hoje extrai petróleo do dificílimo Pré-Sal a um Custo Total de +- US$ 24/Barril, com viés de baixa, para um preço internacional de +- US$ 52/Barril/2020.
    Ótima margem.
    Isso demonstra sobejamente a Capacidade da TECNOLOGIA NACIONAL. O Brasil em seus defeitos ( Dificuldade de Organização Política) mas também tem suas Virtudes ( Engenharia Nacional é uma delas).

    Uma Economia é composta de Capital Nacional e Capital Internacional. Quanto maior for a parte do Capital Nacional maior será o Padrão de Vida gerado ao seu POVO porque só a Empresa Nacional produz TECNOLOGIA NACIONAL e capitaliza 100% aqui dentro. Nada contra o Capital Internacional mas o ESTADO tem que dar preferência para o CAPITAL NACIONAL.
    Devemos COPIAR o que os EUA tem de melhor: Make America Great Again, Buy America Act, etc) e se o NACIONALISMO é certo lá, mais ainda deve ser aqui.

    A nosso ver, a Petrobras SA que tem:
    +- 1/3 do Capital da União
    +- 1/3 do Capital Privado Nacional
    +- 1/3 do Capital Internacional
    deve fazer o possível para industrializar o máximo de petróleo Brasileiro aqui no Brasil, e exportar só o mínimo de petróleo cru.

  4. Se este óleo não servir para gerar trabalho de tecnologia na área naval/offshore como aconteceu na Noruega; acaba o óleo e nos continuamos na “m….”.
    E pelo jeitão do governo, é isto que vai acontecer.

  5. O problema de estatais neste país é que aqui o crime compensa, principalmente para os ladrões e corruptos que ocupam a máquina pública na política e na sua burocracia.
    Nossa legislação penal, elaborada por essa gente, não tem punições severas como nos EUA ou China, com perpétua e até pena de morte, para criminosos hediondos.
    Quer crime mais hediondo que roubar o dinheiro público que salvaria milhões da morte, que estão precisando de remédios e alimentação?

    Quanto aos preços da Petrobrás, ela não pode se afastar dos preços internacionais, pois ela não é 100% estatal. Tem que obedecer seus estatutos, que garantem aos acionistas a condição de qualquer empresa privada.

    O problema verdadeiro deste país é o Estado de natureza e práticas socialistas, o que o obriga a tirar mais de 50% em impostos do povo para sustentá-lo.

    Nos EUA o imposto sobre combustíveis é 7%.
    Aqui neste shit hole se cobra, pasmem, 62%.

  6. Realmente “impreciona” a política de preços dos combustíveis praticada pela nossa estatal do petróleo. A “imprecionante” produtividade da estatal já poderia refletir no preço dos derivados do petróleo, mas o compromisso com os detentores de ADRs deve ser o fator para que isto não aconteça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *