Pronunciamento do general Paulo Sérgio Nogueira vai além da vacinação; um aviso a Bolsonaro e seus seguidores

General condicionou volta de militares ao trabalho à vacinação

Pedro do Coutto

O general Paulo Sergio Nogueira de Oliveira, comandante do Exército, fez um pronunciamento na tarde de quinta-feira, estabelecendo a vacinação dos militares e estendendo a sua decisão aos que praticarem fake news, sugerindo inclusive que alertem os seus parentes para tal atividade perniciosa.

O pronunciamento do ministro do Exército, podemos chamá-lo assim, tornou-se extremamente oportuno, talvez por coincidência do destino, no mesmo dia em que Bolsonaro gravou um vídeo que colocou na internet,  levantando suspeição sobre a Anvisa no seu empenho para vacinar a população infantil de 5 a 11 anos de idade.

DECLARAÇÕES – O Globo de ontem, reportagem de Jussara Soares, destaca o assunto realçado também na Folha de S. Paulo, por Vinicius Sassine. Na noite de quinta-feira, tanto a GloboNews, quanto a TV Globo no Jornal Nacional, colocaram no ar o vídeo contendo as declarações de Bolsonaro, e nele reproduziu entrevista que fez a uma emissora de televisão do Nordeste.

A manifestação de Bolsonaro, francamente, não poderia ter sido pior e mais prejudicial à sua própria campanha em busca de votos, num esforço muito grande para reduzir a diferença que Lula da Silva abriu sobre ele, assinalada tanto pelo Ipec quanto pelo Datafolha. Pelo Ipec, 48 a 21, pelo Datafolha, 48 a 22. A rejeição ao governo permaneceu alta. A situação eleitoral do chefe do Executivo revela-se precária e a sua vulnerabilidade só pode ter crescido depois de novamente condenar a vacinação infantil. E não é só.

RECEITA MÉDICA –  Depois de uma audiência pública cujos integrantes foram selecionados pelo ministro Marcelo Queiroga, mas que mesmo assim não aprovou a obrigatoriedade de receita médica, o desastre tornou-se ainda mais amplo. Não é possível que num momento em que a população brasileira adere maciçamente à vacinação contra a Covid-19, haja alguém disposto a votar em Bolsonaro em função de seu posicionamento contrário a que crianças de 5 a 11 anos sejam imunizadas.

A vacinação tem o apoio da comunidade científica de modo geral não apenas no Brasil, mas em mais 31 países, entre os quais os Estados Unidos, o Reino Unido, a França, a Itália e a Espanha. Não faz sentido que alguém deixe de levar o seu filho ou sua filha para vacinar-se em função do que disse literalmente o presidente da República. No episódio, ele só pode ter perdido votos para as eleições de outubro deste ano.

AMEAÇA –  Reportagem de Igor Gielow, Folha de S. Paulo desta sexta-feira, revela que o comando do Exército decidiu adiantar exercícios militares diante do temor de violência no caminho das urnas de outubro. O texto da decisão publicada por Igor Gielow é elucidativo.

A decisão do comando, que evidentemente inclui o ministro Paulo Sérgio Nogueira, diz: “Todos os 67 exercícios militares principais previstos para o ano que se encontram  marcados para o último trimestre foram adiantados e deverão ser executados no máximo até setembro. Depois disso, todo o efetivo  estará à disposição para eventuais necessidades”.

Acrescenta a reportagem que as conversações mantidas pelo Alto Comando do Exército tratam do tema polarização política levando em conta o cenário atual das pesquisas eleitorais. Generais temem que a animosidade entre os dois grupos possa descambar para incidentes pontuais de violência ou contaminar discussões em disputas estaduais.

CONVERGÊNCIA DEMOCRÁTICA – Na minha opinião, apreciando-se o documento do general Paulo Sérgio Nogueira com a manifestação do Alto Comando focalizada por Igor Gielow, verifica-se inevitavelmente uma convergência democrática previamente consolidada para impedir que aconteça nas urnas brasileiras de outubro o que ocorreu há um ano nos Estados Unidos,  quando radicais do Partido Republicano invadiram o Congresso na mais que alucinada tentativa de impedir a proclamação da vitória de Joe Biden.

Alguns comentaristas admitem que a atitude alucinada poderá render votos para o Partido Republicano para as eleições deste ano. A democracia, porém, é muito mais forte do que impulsos partidários, sobretudo os que vêm da extrema-direita. Se a violência (parto deste princípio) pudesse assegurar a vitória dos violentos, eles nunca perderiam o poder nos países do mundo. Refiro-me ao mundo democrático, claro.

MENSAGEM –  E, por isso, vejo claramente na manifestação do general Paulo Sérgio Nogueira e na instrução do Alto Comando um sentido tão claro quanto transparente de respeito ao resultado das urnas, e acho que a mensagem foi endereçada ao Palácio do Planalto e aos antigos apoiadores que na Esplanada de Brasília já pediram a intervenção militar e o fechamento do Supremo Tribunal Federal.

Só pode ser esse o motivo, porque na realidade, não faz sentido recorrer à violência a corrente política que está na frente da maratona eleitoral. A violência decorre do inconformismo e do reconhecimento tácito de que os seus autores  tentam escapar dos limites democráticos, um patrimônio popular brasileiro.

ESCOLAS DE SAMBA – O prefeito Eduardo Paes, mais uma vez,  foi ao encontro da reivindicação turística dos hotéis do Rio de Janeiro. Proibiu o Carnaval de rua, mas liberou o desfile das escolas de samba. Como os médicos já assinalaram, a decisão não faz sentido. A contaminação pelo desfile das escolas de samba é muito maior, sobretudo porque são dois dias de aglomerações no sambódromo e também nas concentrações das próprias escolas. Além disso, há o problema dos ensaios nos diversos bairros da cidade.

É recomendável que a questão seja revista para evitar um novo surto da pandemia que subiu exatamente no início deste ano, consequência das aglomerações causadas pelos festejos da passagem de 31 de dezembro, o que não pode representar uma coincidência em todos os países nos quais o fenômeno ocorreu.

8 thoughts on “Pronunciamento do general Paulo Sérgio Nogueira vai além da vacinação; um aviso a Bolsonaro e seus seguidores

  1. Permitir o desfile das escolas de samba e as aglomerações dos que irão assistir ao espetáculo no sambódromo é um erro GRAVÍSSIMO !!! Isso nos custará milhares de mortes e milhões de reais com internação e tratamento da covid e da influenza. Um despropósito !!!

    • A Globo encostou o Paes na parede.
      O dim dim falou mais alto.
      No Rio quem manda é a Globo.
      Fazer o quê, né?!
      Quem tem juízo obedece, quem não tem padece.

        • Não manda não Renato. Já teve muita influência, principalmente no regime militar, que precisava de uma rede de televisão para propagar o regime e para destruir o império jornalístico da Rede Tupi de Assis Chatobriand, que incluía os Diários Associados ( Jornal do Comércio).
          A Globo é uma empresa familiar, do Grupo Roberto Marinho, mas, esse gigante jornalístico tem patrocinadores da mais alta Elite financeira, comercial e industrial.
          Como o capitalismo está em crise, por obviedade, o grupo mergulhou nela. As outras Redes de Televisão,btambem estão mal das pernas. O SBT está em péssimas condições e a Band só contratou o Faustão, porque um Fundo Árabe injetou recursos vultosos lá.
          A crise tende a piorar, porque o grupo teve que demitir os artistas, que ganhavam salários altíssimos, como o próprio Faustão e outras estrelas tiveram o salário reduzido.
          Isso tudo é consequência dos rumos perversos da Economia comandada por Paulo Guedes e avalisada por Bolsonaro, que não entende nada do assunto, deixando essa tarefa árdua para o incompetente ministro, que não entregou nada do que prometeu, pelo contrário,vtriuxe desgraças, falências, recessão, desemprego,bmisetia na população. Trata-se de um mensageiro do caos, um mau agouro, como se dizia antigamente. Esse crescimento em V é o maior fakenews da série histórica trazida pelo Bolsonarismo imitador de terceira categoria do Trump.
          Nem imitar direito esse pessoal sabe. A incompetência é geral, ampla e irrestrita.
          Como querem ganhar as eleições assim? Ou acham que dividir a sociedade, dando aumento para uns e os outros não, apostando no caos para se beneficiarem lá na frente, com aventuras golpistas terá resultado? Pode até conseguirem, no entanto, o custo será alto para o país. Será que não estudaram, o exemplo da extinta União Soviética?
          Os chineses, mais sábios do que nossa elite, não fazem outra coisa.
          Um povo dividido, se torna presa muito fácil para os inimigos externos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *