Proposta de Paulo Guedes quebraria o INSS e, por isso, ter de ser modificada

Resultado de imagem para paulo guedes charges

Charge do Nani (nanihumor.com)

Pedro do Coutto

Reportagem de Tiago Rezende e Fbio Pupo, Folha de So Paulo de domingo, revela que a rea econmica do governo Bolsonaro passou a admitir a desonerao apenas parcial dos encargos tributrio das empresas, por reconhecer a impossibilidade de enfrentar uma acentuada queda de receita para o exerccio de 2020. O Ministro Paulo Guedes tinha como projeto uma desonerao muito maior, porm resolveu aguardar a formulao voltada para o projeto de reforma tributria.

A meta de Paulo Guedes aliviar a contribuio financeira das empresas por considerar que o reflexo seria uma forte reduo da faixa de desemprego. Estudos preliminares, entretanto, concluram pela impossibilidade da desonerao a curto prazo.

SUPERDFICIT – Acrescenta a reportagem que as empresas, no que se refere contribuio previdenciria, recolhem atualmente cerca de 200 bilhes de reais por ano. Isso somente para a folha do INSS.

A folha do INSS, que j apresenta um dficit de 240 bilhes, no suportaria uma desonerao total do empresariado, porque em tal hiptese, na minha opinio, isso significaria o fim da prpria previdncia social. Isso de um lado.

De outro, segundo a reportagem, o governo est tambm convencido de que precisa taxar mais a renda e menos do consumo. Por isso passou a considerar a perspectiva de ampliar uma reviso no Imposto de Renda.

TEORIA E PRTICA A equipe econmica finalmente deve ter sentido a diferena entre a teoria e sua colocao na prtica. Alis, na teoria todo plano d certo, mas quando colocado em prtica…

O aspecto dominante de que a grande parte do consumo depende do nvel de emprego e salrios. Assim, qualquer cobrana adicional de impostos sobre os salrios acarretaria a diminuio forada do consumo, ou ento o endividamento de cada trabalhador para poder sustentar os nveis atuais. Que j so baixos. Mesmo com uma presso ainda maior, o projeto do Governo jamais poder ultrapassar o espao entre a ideia terica e sua execuo no plano concreto.

Outro ponto bastante sensvel quando se coloca em anlise o ICMS, imposto estadual, verdade, mas de grande influncia no consumo nacional. Para alter-lo, preciso concordncia dos governadores. Portanto…

5 thoughts on “Proposta de Paulo Guedes quebraria o INSS e, por isso, ter de ser modificada

  1. Sr Coutto;
    Enquanto o salrio da Nomeklatura for mais de dez vezes o salrio do Operrio, o Ministro da Economia pode pular pra esquerda, rodopiar pra direita, que no final a conta no vai dar certo.

  2. . Isso de tentar impor uma capitalizao pura e desonerar as empresas dos encargos da Previdncia no daria certo. Como ficariam as aposentadorias atuais? Como seria substituda tal receita? Por aumento de impostos?. O nosso deficit fiscal j grande e ficaria maior, bem maior.

  3. Desonerar o cidado que paga altos impostos nem pensar?
    A correo da tabela do IR, por exemplo. Colocaria mais dinheiro no mercado consumidor de modo geral do que a queima das reservas do FGTS que faro falta ao trabalhador no futuro.
    A reduo dos impostos poderia movimentar a economia, com o aumento do consumo, da produo e, consequentemente, gerar novas posies de trabalho, o que tambm aumentaria a arrecadao dos impostos.
    Mas os doutos profissionais do ME s pensam penalizar o cidado.

  4. O imposto de renda sempre foi injusto. Cobrar menos de de quem ganha menos e muito mais de quem realmente ganha dinheiro. Ter vrias faixas de taxao. Os salrios dos “ilustres” membros dos trs poderes e seus inmeros funcionrios so uma imoralidade de to altos. As mordomias so absurdas.
    por isso que insistem em manter o povo analfabeto e DESINFORMADO\.

  5. Ser que se o INSS fizesse emprenho de cobrar os seus devedores este dficit no poderia ser bem menor? Tanto o ministro e a sua equipe no pensaram nisto? Ou ofenderia o empresariado? Tocar medo nos devedores do MEI o governo no teve, est enviando “cartinhas” de cobrana.

Deixe um comentário para Skeleton Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.