Provas contra Temer vão muito além da mala de R$ 500 mil de Rocha Loures

Resultado de imagem para temer e loures

Até agora Loures não disse para quem era o dinheiro

Deu em O Globo

A Procuradoria-Geral da República (PGR) e a própria Polícia Federal apontaram ao menos mais cinco provas, além da mala citada pelo diretor-geral da PF, Fernando Segóvia, que comprometem o presidente Michel Temer. Ao menos quatro delas são gravações de conversas feitas presencialmente ou por telefone pelos delatores.

A mala a que Segovia se referiu foi carregada pelo ex-deputado e então assessor direto do presidente Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) e continha R$ 500 mil. Rocha Loures foi flagrado correndo com o acessório na saída de uma pizzaria de São Paulo após receber os valores do executivo e delator da J&F, controladora da JBS, Ricardo Saud.

PROPINA PELO CADE – Ao denunciar Temer por corrupção, o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot afirmou que o dinheiro se tratava de propina destinada ao presidente e a Loures por interferirem, em benefício da J&F, no andamento de um processo administrativo em trâmite no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

A principal prova, além da mala, é o diálogo que o empresário Joesley Batista teve com Temer no Palácio do Jaburu. Nele, o empresário perguntou a melhor forma de resolver no Cade o problema envolvendo a companhia da J&F, EPE (Empresa Produtora de Energia), e a Petrobras. Temer respondeu a ele que procurasse Loures. Além disso, Joesley relatou crimes que vinha cometendo.

Há ainda gravação de uma conversa entre Saud e Loures em 24 de abril, em que ambos combinam o montante de propina que o político receberia por sua atuação no caso, que poderia chegar a R$ 1 milhão por semana por 25 anos. Além do áudio, os investigadores receberam anotações feitas na reunião referente aos valores negociados.

MAIS GRAVAÇÃO – Há ainda outra gravação entre Joesley e Loures na qual o ex-deputado telefona para o presidente interino do Cade, Gilvandro Araújo, e encerra a ligação dizendo ao empresário que o chefe do conselho teria “entendido o recado”. Joesley sugere a ele, então, o pagamento de 5% do lucro da usina como propina, e Loures responde “tudo bem”.

O telefonema entre Gilvandro e Loures é outra prova que mostra a tentativa de intervir no órgão. Mais uma prova é a delação do doleiro Lúcio Funaro. O operador confirmou que recebeu dinheiro da J&F para ficar em silêncio.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGO problema é que até agora Rocha Loures não revelou para quem era o dinheiro. Se não dizer nada, ficará constando nos autos que os R$ 500 mil eram para ele mesmo. Em consequência, Temer não poderá ser incriminado em relação ao dinheiro. Quanto às outras provas, politicamente seriam suficientes para cassar o presidente, mas judicialmente falta “materialidade”, conforme disse Segovia. (C.N.)

4 thoughts on “Provas contra Temer vão muito além da mala de R$ 500 mil de Rocha Loures

  1. Uma maneira de fazer o Loures falar é arranjar um João tripé como companheiro de cela. E não dar ouvidos aos possíveis gritos de desespero. Na segunda noite ele confessa tudo.

  2. A 3ª denúncia contra Temer no caso da MP do porto de Santos acabaria com essa brincadeira e todos iriam pra prisão.

    Mas Temer colocou Segovia e Raquel Dodge em seus postos para evitar que isso aconteça !

  3. Pré-candidata à presidência, Manuela D’Ávila vê eleição de 2018 ameaçada com o movimento de Alexandro de Moraes em torno do parlamentarismo.

  4. Já disse que devo ser obturada porque até hoje não entendi o caso Temer. É denunciado, mas fica, talvez cantando “daqui não saio/daqui ninguém me tira” E ninguém tira mesmo! E ainda pretende se candidatar a eleição presidencial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *