Próxima sucessão presidencial se encaminha para uma disputa entre Bolsonaro, Doria e Ciro

Eleição em sete capitais deve ter impacto na formação de palanques em 2022  - Jornal O Globo

Esses três candidatos já estão em permanente campanha

Pedro do Coutto

O governador João Dória, na comemoração pela vitória de Bruno Covas para prefeito, associou-se ao resultado, até porque Covas foi seu companheiro de chapa nas eleições municipais de 2016. Com o episódio, o governador de São Paulo iniciou a decolagem para um voo ao Planalto daqui a dois anos. Um quadro assim começa a se definir, mas o ex-presidente Fernando Henrique, em entrevista para o portal UOL, admitiu que Dória poderá vir a ser o candidato do PSDB, entretanto necessita nacionalizar sua imagem, ou seja, tornar-se conhecido nacionalmente.

As declarações de FHC foram publicadas nas edições desta segunda-feira do Globo e da Folha de São Paulo. Enquanto isso, reportagem de Vera Magalhães, no Estado de São Paulo, revelava  que o DEM , nesta fase inicial, está basicamente dividido entre João Dória e Luciano Huck.

INDEFINIÇÕES – Em 2018 Luciano Huck teve seu nome destacado como um possível candidato, na opinião de Fernando Henrique. Sem dúvida, o posicionamento de FHC esvaziou a candidatura de Geraldo Alckmin e abriu uma perspectiva política para Luciano Huck. Quando coloco uma possível definição das esquerdas na sucessão presidencial, é porque não acredito que PT, PCdoB ou qualquer outa corrente partidária possam ter um candidato capaz de chegar ao segundo turno.

Assim, penso, a opção dos reformistas de direita vai balançar entre João Dória e Jair Bolsonaro que deverão estar entre os dois finalistas.

Projetado a atmosfera de hoje para um cenário do amanhã, as forças esquerdistas só possuem um nome capaz de repercutir – o  ex-ministro Ciro Gomes. Mas é verdade que em política as análises têm de enfrentar as mudanças que ocorrem com velocidade de uma fórmula um.

INFLAÇÃO DISPARA – Como exemplo cito matéria de Eduardo Cucolo, Folha de São Paulo, ressaltando que já no início de 2021 haverá aumento na gasolina, energia elétrica e no universo da saúde. Vão pesar no bolso e poderão funcionar como argumentos contrários ao atual governo do país.

Pode afetar também a imagem de Bolsonaro o congelamento salarial nascido da ideia de Paulo Guedes que tornará impossível o pagamento das tarifas públicas por parte da população. Só o IGPM de novembro a novembro cresceu 20%, atingindo assim os locadores de imóveis.

Outro ponto que poderá contribuir para desmantelar a presidência da República encontra-se no desmatamento da Amazônia, que nos últimos 12 meses aumentou 9,5%. A Amazônia faz parte das atenções do presidente eleito dos EUA, Joe Biden.

MORO NA A&M – Finalmente ao lermos as reportagens de Cleide Carvalho e Katina Baran, respectivamente nas edições de ontem de O Globo e da Folha de São Paulo, surgiu um fato que vai conduzir a desdobramentos e a críticas dos setores mais ati8ngids pela operação Lava Jato.

A contratação do ex-ministro Sérgio Moro para diretor sócio da Consultoria Alvarez & Marsal. Essa assessoria prestou serviços para a empreiteira Odebrecht, como todos sabem a principal empresa envolvida no escândalo da Lava Jato, escândalo que levou a prisão vários implicados condenados por Sergio Moro, entre os quais o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Como se vê em política, os fatos essenciais surgem de repente, pois Moro é também possível candidato.

12 thoughts on “Próxima sucessão presidencial se encaminha para uma disputa entre Bolsonaro, Doria e Ciro

  1. Ao se associar ao criminoso confesso Boçalnaro, o ex-juiz, mas sempre venal, Moro, só confirma a opção inequívoca das classes dominantes locais de permanecerem de quatro para a metrópole hegemônica do momento.

  2. “a opção dos reformistas de direita vai balançar entre João Dória e Jair Bolsonaro que deverão estar entre os dois finalistas.”

    Semana passada o Dória disse que o PSDB é de esquerda. Mas a midia mainstream continua tentando enganar a população com o “teatro das tesouras” que não cola mais. Candidato de direita só tem um: Jair Bolsonaro.

  3. Não gosto de palavrão. Aprendi com uma tia que era uma exelente professora: “… é falta de recurso verbal” Tem hora que a solução educada destoa.

    • Subestimar o PT no âmbito nacional, “data venia”, me parece ato de extrema burrice, até porque a polarização entre Lula e Bolsonaro ainda tem muita lenha pra queimar, aliás, ela ainda está apenas no começo. Reduzir a três concorrentes uma disputa que terá pelo menos uns competitivos é apenas um ato de torcida do articulista. Esses três, arroz de festa do sistema apodrecido, muito provavelmente estão tb na disputa presidencial, mas serão derrotados, no primeiro turno, por uma nova força que vai pegar a todos de surpresa, que nada tem a ver com Huck, Moro e CIA.

    • Caramba!…cortaram a parte final do que escrevi. Assim modifico o que estava escrito: MESMO QUE O ELEITOR NÁO GOSTE DE RELAÇOES HOMOFÓBICAS , É BOM ELE SE ACOSTUMAR EM SER PASSIVO. Será fortemente estrupado por qualquer um dos três candidatos

  4. JAQUES WAGNER PEDE RENOVAÇÃO NO PT: O senador baiano demonstra não estar disposto a continuar seguindo as orientações e táticas ditadas pela Executiva Nacional do PT, leia-se Luiz Inácio Lula da Silva, tanto que já se coloca no tabuleiro como eventual candidato petista e pede renovação no comando partidário. Não custa lembrar que ele foi uma das vozes solitárias do PT a defender Ciro Gomes como opção mais viável para as eleições presidenciais em 2018, podendo perfeitamente mais adiante voltar a defender o pedetista como alternativa mais concreta para uma eventual unidade das esquerdas (não que eu creia em tal possibilidade).

    ENTRARAM QUEIMANDO O FILME: “Pela primeira vez desde 1985, quando ganhamos a prefeitura de Fortaleza, nessa eleição vamos ficar sem nenhuma capital de estado governada pelo PT”, disse. “É a primeira vez que isso acontece, e é óbvio que essa fotografia não é boa”, finalizou. BRIZOLA VENCEU EM FORTALEZA EM 1989 (SÓ TRÊS ANOS APÓS A VITÓRIA PETISTA NA CAPITAL CEARENSE) https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/12/01/jaques-wagner-pt-lula-mudanca-geracional-eleicoes.htm

  5. Vai ser alguem do Psdb e com vice de algum partido de esquerda do Pdt, Psb, Rede ou até mesmo do Mdb, para tirar este governo de terror do Bolso naro – tenho quase certeza que sera isso mesmo.

Deixe uma resposta para marco Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *