Depois de Marta Suplicy, PT pode perder mais dois senadores

Carlos Newton

O presidente do diretório estadual do PT de São Paulo, Emidio de Souza, perdeu tempo ao protocolar terça-feira uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na qual reivindica o mandato da senadora Marta Suplicy (sem partido). Num requerimento de 19 páginas, o PT denuncia que Marta abandonou o partido não por divergências éticas ou programáticas, mas por “ambição política” e “oportunismo eleitoral”.

“Não passasse de demagogia mal disfarçada e os motivos contidos na carta de desfiliação da senadora seriam outros – ambição política, oportunismo eleitoral e personalismo desmedido”, diz o texto apresentado ao TSE.

Segundo o repórter Ricardo Galhardo, do Estadão, o partido se amparou em entrevistas recentes, em que Marta Suplicy afirmou que a escolha de Fernando Haddad (PT) para disputar a prefeitura de São Paulo em 2012 foi a gota d’água para sua decisão de deixar o partido.

SUPREMO DIZ QUE NÃO

Para quem acredita em coincidências, é um prato feito. No dia seguinte, quarta-feira, quando a ação do PT contra Marta ainda nem começara a tramitar na Justiça Eleitoral, o Supremo Tribunal Federal colocou um ponto final na questão, ao decidir que detentor de mandato majoritário (presidente, governador, prefeito e senador) não perde mandato por abandonar o partido.

Nas discussões dos ministros, foi até citado o caso da senadora paulista, e o julgamento que a beneficiou aconteceu no plenário do Supremo, com decisão por unanimidade.

O episódio mostra a confusão que domina o PT, o governo e o Instituto Lula. Ninguém se entende, a base aliada foi para o espaço, o Planalto terceirizou a articulação política e a condução da economia, a presidente Dilma virou uma versão da rainha da Inglaterra, que reina, mas não governa.

NÃO HAVIA NENHUMA CHANCE

Na verdade, o PT não tinha a menor chance de tomar o mandato de Marta Suplicy. A legislação sobre fidelidade partidária é claríssima. Determina que o titular de mandato eletivo tem direito de abandonar a legenda, caso a agremiação esteja descumprindo o programa ou o estatuto partidário. No caso do PT, o fato é que a legenda preferiu descambar para a ignorância e partiu logo para o descumprimento da lei, que é muito mais grave. Não há a menor dúvida a esse respeito, e a senadora deixou o partido acusando a legenda de trair os ideais de sua fundação ao protagonizar seguidos escândalos de corrupção.

Marta vai continuar senadora, pode relaxar à vontade. E agora o PT está arriscado a perder mais dois importantes senadores – o gaúcho Paulo Paim e o baiano Walter Pinheiro. Se a presidente Dilma Rousseff desobedecer a Lula e vetar a nova versão do fator previdenciário, os dois parlamentares vão seguir o exemplo de Marta Suplicy e desembarcar do PT, rumo ao PSB. E la nave va, sem ninguém a comandá-la.

8 thoughts on “Depois de Marta Suplicy, PT pode perder mais dois senadores

  1. Carlos Newton, eu já afirmei, aqui neste espaço democrático, que Dilma Roussef é o cavalo de Tróia mais eficiente desde a Guerra de Tróia, há 33 séculos: está destruindo o PT por dentro, de uma maneira absolutamente competente e implacável! Após seu desastroso mandato, o PT estará acabado; restará apenas alguns equivocados e oportunistas, que não sabem ler os sinais! Nem Lula poderá salvar o partido, por isso as críticas a ela..a partir da saída de Marta Suplicy, abre-se a temporada de esfacelamento da bancada petista no parlamento! Por enquanto, somente senadores, mas com o agravamento da situação, até deputados irão aderir à debandada: preferirão perder o mandato a perder o futuro político…

  2. LULISTAS EXPERIMENTAM O PREÇO DA INCOERÊNCIA

    A presidente Dilma Rousseff quebra ovos pra fazer omelete, é até fácil entender se graduados petistas como Frei Betto afirmam que em 12 anos nenhuma mudança estrutural foi feita.

    O lulismo paga seu preço por erro maior cometido nas décadas de 1980/90, quando embarcou em canoas furadas da grande mídia e de grupos econômicos contra a ascensão de Leonel Brizola. As concessões que Lula fez pra subir foram bem mais nocivas, sob lógicas concretas e históricas diante do que evitou avançar em 20 anos de táticas dóceis ao conservadorismo, comparando com vícios só revelados em seus anos dourados de poder. Nem os fins poderiam justificar certos meios.

    Diante do diagnóstico de Frei Betto Sem Censura, se a coisa vinha ruim pior não pode ficar, desde que agora pensem mais no Brasil e menos nas concessões desses 35 anos, não só dos doze anos de consequências, não é verdade? Lula que o diga (ou disse) pelo tom desesperado de sua aparição no programa do PT, como nunca antes na história recente sem a presença de Dilma ou qualquer menção à figura da presidente, como se nada de positivo tivesse a dizer http://www.facebook.com/photo.php?fbid=1614720872077511&set=t.100006188403089&type=3&theater

    Fonte: http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/182862/Frei-Betto-Esta-reforma-%C3%A9-uma-sem-vergonhice.htm

  3. E ainda vão perder vários prefeitos. Sem contar com o fracasso nas eleições municipais. Os apones do Haddad estão em pânico, basta lembrar que ele aumentou o IPTU para criar 3 novas secretarias e 1.200 novos cabides…

Deixe uma resposta para Valmor Stédile Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *