PT pede que CNJ impeça Sergio Moro de assumir o Ministério da Justiça

Resultado de imagem para juiz moro

na entrevista, Moro disse que Lula é um criminoso vulgar

André de Souza
O Globo

Um grupo de três deputados e seis senadores do PT apresentou uma representação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra o juiz federal Sergio Moro . Eles solicitam que o magistrado seja impedido de assumir qualquer outro cargo público. Caso o pedido seja aceito, isso impedirá Moro de assumir o cargo de ministro da Justiça no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro. Os parlamentares acusam Moro e Bolsonaro de “troca de favores”, e dizem que o juiz age com parcialidade “gritante” a fim de prejudicar o PT.

Os deputados e senadores citam declaração do vice-presidente eleito, Hamilton Mourão, de que Moro e Bolsonaro tinham entrado em contato ainda durante a campanha. Para os parlamentares do PT, que já tinham apresentado outra representação contra Moro no CNJ dizendo que ele interferiu no processo eleitoral, a entrevista de Mourão reforça a acusação. Isso porque, faltando poucos dias para o primeiro turno da eleição, o juiz liberou parte da delação do ex-ministro Antonio Palocci com acusações contra o ex-presidente Luiz  Inácio Lula da Silva e o PT. Isso teria beneficiado a candidatura de Bolsonaro.

IMPARCIALIDADE – Responsável pelos processos da Lava-Jato na primeira instância, Moro está deixando a magistratura para assumir o cargo de ministro da Justiça. Foi Moro quem condenou Lula na ação penal do triplex do Guarujá, processo que acabou levando-o à prisão.

“A imparcialidade do juiz é uma garantia de justiça para as partes. Imparcial é o juiz que não tenha interesse no objeto do processo nem queira favorecer uma das partes. O convite feito durante a campanha eleitoral e divulgado agora não permite dúvida de que o juiz Sérgio Moro abriu mão de sua imparcialidade durante o processo eleitoral para privilegiar a parte em disputa que lhe interessava, em uma atuação que, além de criminosa, é partidária e eleitoreira”, diz trecho da representação dos parlamentares do PT.

GRAMPO DE DILMA – Como outra mostra da parcialidade do juiz, eles também relembram o episódio ocorrido em 2016 quando Moro divulgou interceptações telefônicas entre Lula e a então presidente Dilma Rousseff.

Essas ligações, que deram força ao movimento pelo impeachment de Dilma, foram posteriormente invalidadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
– É mais um versão da velha desculpa de que Lula seria um preso político, perseguido por regime de exceção, sem direito de defesa e tudo o mais. Na verdade, Lula é apenas um criminoso vulgar, que abandonou os princípios de seu partido e enriqueceu na vida pública. Apenas isso. (C.N.)

29 thoughts on “PT pede que CNJ impeça Sergio Moro de assumir o Ministério da Justiça

  1. Traduzindo….Lula é um Bandido Comum igual aos seu apoiadores, adoradores e fanáticos seguidores doentes mental e moralmente !!! Pronto, somente !

  2. Desculpem a minha ignorância, mas o que tem a ver o c… com as calças? O Ministro da Justiça é uma prerrogativa do Presidente da República e não está na alçada do CNJ. Senão, nenhum dos anteriores poderia ter sido. O Zanin vai empobrecer o Lula com tantos pedidos indefensáveis. Só pensa no dinheiro do cliente que de tão burro acredita que vai dar certo.

    • Burro somos nós que pagamos as despesas.
      Pra ser justo é bom reconhecer que esses apelos equinos saem da cabeça dos aliados desesperados com a perda de poder e de suas vantagens. Lula é um burro guiado pelos pelegos astutos.

      • Já é hora de pararem de dar atenção as “fake news” do PT e dos demais puxadinhos. Aliás, até a casa do PT está viando puxadinho. Agora o PT já é “puxadinho dos puxadinhos!”
        É maios e melhor notícia dos últimos 20 anos.
        Fallavena

  3. Juizeco caipira e parcial !

    Seu comuna, todos eles enriqueceram na vida pública, por acaso seu presidento eleito é pobre ?

    Um imenso laranjal lá na terra de xiririca das bananas.

    Conta outra.

  4. Pô, cadê o Bolsonaro valentão no qual o povão votou, parece que já está virando gatinha da madame capital, bolsonarinho paz e amor, o lulinha da extrema direita ? Tá ficando mais afinado do que corda de violino, já, já, ele senta do colo co Toffoli o seu ex-inimigo capital. Tudo farinha do mesmo saco ?

  5. -O Brasil não é um país sério!
    -Um advogado de sindicato pode ser ministro do Supremo e continuar agindo como defensor dos antigos clientes, mas um magistrado não pode ser ministro…

    • Vem ai, a verdade sobre a peixeirada, a trama foi descoberta, Malta vai abrir o bico , se não derem o ministério para ele. A quem interessava a peixeirada, além do próprio Bolsonaro que dela se beneficiou, ao seu rival mais próximo, do seu mesmo segmento eleitoral militar-evangélico, e , em último caso, ao Almir Alves, seu ex-amigo, pelo fato de Bolsonaro, amigo da onça de Almir, tê-lo rotulado de gay em cadeia nacional de rádio e televisão, espalhado pelo google, you-tube, etc. e tal, fato esse que acabou com a vida social do Almir lá em Registro, Eldorado, e no Vale do Ribeira inteiro, onde é uma pessoa super conhecida, bem-sucedida e benquista por todos ? Por quê o Bolsonaro não diz que o Moro é gay, como disse contra o coitado do Almir, que, conforme disse em reportagem de Época e El País, não tem nada contra quem é gay, mas ele não é, por isso se sentiu difamado por Bolsonaro do qual passou ser inimigo figadal.

  6. Esses três deputados e seis senadores petistas não terão êxito junto ao Conselho Nacional de Justiça. Se a representação for admitida, processada e julgada, será desacolhida, será improcedente.

    A mesma solução tomará a 2a. Turma do STF no julgamento do HC em favor do ex-presidente Lula. O fundamento, melhor dizendo, o pretexto é o mesmo: parcialidade do juiz Moro no julgamento do processo que culminou na condenação de Lula, só porque o juiz aceitou o convite para ocupar uma pasta ministerial.

    É certo que a situação administrativa de Moro não é das melhores, no que tange a aceitação do convite para ocupar a pasta do ministério da Justiça e da Segurança pública sem antes exonerar-se do cargo de juiz, conforme exposto em mais de um artigo aqui na TI.

    No entanto, o presidente da República pode convocar qualquer pessoa de sua confiança para ocupar cargo no seu governo, menos, é claro, aqueles notoriamente “pilantras”, os condenados pela Justiça e até mesmo os que estão sob investigação na polícia, no Ministério Público ou denunciados à Justiça. O ato presidencial é discricionário. Ou seja, se lhe é oportuno e se lhe é conveniente, o ato é praticado.

  7. Olhem os nomes das figuras que assinam o documento:

    “O documento é assinado pela senadora e presidente do partido, Gleisi Hoffmann (PT-PR), pelos senadores petistas Humberto Costa (PE), Jorge Viana (AC), Lindbergh Farias (RJ), Regina Sousa (PI) e Paulo Rocha (PA), e pelos deputados Paulo Pimenta (RS), Wadih Damous (RJ) e Paulo Teixeira (SP).”

  8. Repasso como recebi:

    Moro, o gênio do mal:

    Há quatro anos, numa tarde chuvosa, Moro sentia-se entediado com seu trabalho. Ao invés de pedir uma remoção, resolveu engendrar uma grande operação, a pretexto de combater a corrupção no país, mas que na verdade teria o único objetivo de condenar e prender o ex Presidente Lula, alijando-o da disputa eleitoral. Assim agindo, esperava obter um cargo no novo governo eleito. Nem Aécio, nem Dilma, pensou ele, o próximo Presidente será o deputado Jair Bolsonaro, mas para isso Lula não deve disputar a eleição! Procurou, então, a sede da Polícia Federal. Orientou centenas de agentes a forjarem provas, depoimentos, testemunhas e laudos para que o ex Presidente fosse condenado criminalmente. “Mas por que faríamos isso?”, perguntaram os agentes em coro. “Porque quero um cargo no novo governo a ser eleito”. Achando justa a pretensão do magistrado, as centenas de agentes passaram a forjar as provas. A seguir, Moro procurou o Ministério Público e orientou os procuradores a oferecerem denúncia sem provas, já que pretendia obter o tal cargo. Os procuradores acharam razoável a idéia do Juiz e ofereceram a denúncia, sem qualquer prova. Não era suficiente. Moro sabia que a sentença condenatória deveria ser mantida em Segunda Instância. Há 27 desembargadores no TRF4, mas Moro sabia em qual Câmara o recurso contra sua sentença seria julgado. Procurou os desembargadores e os avisou. “Sei que minha sentença condenou o réu sem provas, mas os senhores devem mantê-la tal como está, porque quero um cargo político no próximo governo”. Entusiasmados com a idéia, os desembargadores não apenas mantiveram a sentença condenatória sem provas,mas também exasperaram a penalidade imposta. Mas.. não era suficiente. Moro sabia que seria interposto recurso no STF. Incansável, comprou passagens e rumou para Brasília. Reuniu todos os ministros e foi direto ao ponto: “Os senhores deverão manter minha sentença e também alterar a jurisprudência da Corte, para que seja admitida a prisão após condenação em Segunda Instância, porque quero um cargo no próximo governo, quiçá o de Ministro da Justiça!”. Os ministros pensaram consigo: “Lascou-se! Se esse juiz de Primeira Instância quer tanto o Ministério da Justiça, vai acabar conseguindo. Melhor fazermos logo o que ele quer, para não haver indisposição com o futuro Ministro da Justiça!”. Se você achou essa história plausível, a questão não é mais política, mas psiquiátrica. Procure um médico. Teorias da conspiração em excesso podem acarretar sérios danos à saúde mental.

    Erika Diniz
    Juiza de Direito TJSP

    • Depois de tudo isso, Moro foi até Salvador e, num local secreto, teve um encontro com Seu Zé Pelintra a quem presenteou com um terno de linho branco, uma gravata vermelha e um chapéu panamá. Seu Zé, lisonjeado, prometeu-lhe a cadeira de ministro tanto almejada… Não deu outra, seu Zé é mais certeiro do que o Carlinhos que jurava na vitória do “Ávoro Dias”…

  9. Gente, esse pessoal pirou na batatinha! Total! O CNJ não pode impedir juiz nenhum de pedir exoneração e muito menos impedir alguma pessoa, qualquer pessoa, de assumir um ministério (por nomeação, claro, do presidente da República). O que o min. Gilmar Mendes (na qualidade de integrante do STF, e não de integrante do CNJ) fez no caso de Lulla é algo completamente diferente.

  10. J.R. Guzzo
    4 de novembro às 22:28 ·
    Nenhum grupo político jamais formado neste mundo sofreu uma humilhação igual à que o Sistema Lula-PT acaba de sofrer no Brasil. Foram derrotados, numa eleição absolutamente livre, por um capitão do Exército e um general da reserva. Tomaram uma surra dos militares — nas urnas.

  11. Lula e o pt já eram , estão mortos .
    O que matará bolsonaro , será a boçalidade de seu eleitor . Se julgam guerrilheiros , mas , dormem de corpete. Usam espartilhos e na hora do embate , colocaram seu messias no forno . Este fato , aconteceu á 2000 anos atrás , e se repetirá em escala menor . Faz parte da obscuridade humana , principalmente do brasileiro , que tem saco rosa . Sempre dependeu de alguém , para alcançar seus objetivos ou privilégios e se julgar alguém. Não é atoa , que seremos eterno páis periférico , colônia e colonizados .

  12. Ficar se debatendo afunda mais rápido. Molusco vai mofar na cadeia que é lugar de bandido. Infelizmente, outros bandidos de alta periculosidade como Jucá, Gilmar Mendes, Temer, Sarney, FHC, Aécio, Dilma, Collor não seguiram o mesmo rumo. Isto mostra que o Lularápio é tão bandido que os meliantes acima se livraram mas ele não. Só sai da cadeia para o juízo final.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *