Qual é o time de Garotinho?

Adriana Caitano (Correio Braziliense)

Um ano e meio depois de deixar o governo mergulhado em denúncias de corrupção contra o então ministro dos Transportes e presidente da sigla, senador Alfredo Nascimento (AM), o PR começou 2013 redesenhando os passos para voltar a ter um posto na Esplanada — ou assumir de vez uma postura contrária ao governo Dilma. A primeira cartada foi oficializada com a escolha de Anthony Garotinho (RJ) para liderar a bancada na Câmara.

A Turma do Guardanapo

Colocar Garotinho no posto de líder foi um movimento estratégico. No ano passado, o deputado foi o responsável por adiar a maioria das votações de interesse do Planalto no plenário. Sempre que discordava de um tema, o parlamentar buscava artifícios regimentais para impedir a sessão ou reunia colegas para obstruir a pauta. Foi assim, principalmente, com o projeto dos royalties do petróleo. O entendimento de alguns membros da bancada é que a pressão de Garotinho na linha de frente irá acelerar as negociações que Dilma tem feito com a legenda para devolver ao PR um cargo de primeira grandeza no governo.

“Ele é midiático, tem musculatura política, desenvoltura no plenário e o partido está optando por colocar a cara na rua”, justifica um membro da agremiação.

Os próprios integrantes do PR, porém, não escondem o medo das ações do deputado fluminense, que pode exagerar no tom e enfraquecer a relação com o Planalto. “A Dilma já sinalizou que nos quer mais perto, então não é hora de bater. Ela está acostumada a lidar com sindicalistas, foi guerrilheira, não sei se ela se encurva a esse tipo de pressão”, comenta um dos deputados da sigla.

INIMIGO DE CABRAL

Os temores se ampliam sobre o risco de o novo líder agir como opositor, de olho na disputa pelo governo do Rio de Janeiro, em 2014. Garotinho é inimigo declarado do governador Sérgio Cabral e prometeu à bancada que não usará o tempo da liderança para fazer suas famosas denúncias contra o governador do Rio e o candidato dele à sucessão, como a “Turma do Guardanapo”. Mas já mostrou as armas. “Vi que é desejo da bancada ir para o governo, vou me despir de qualquer vaidade ou projeto pessoal e trabalhar para irmos para o governo, mas não hesitarei se tivermos que ser oposição”, ameaçou após ser eleito.

Na mesma reunião em que oficializou Garotinho na liderança, a bancada do PR deixou mágoas em um deputado histórico. Inocêncio Oliveira (PE) ocupa cargos consecutivos na Mesa Diretora desde 2003, o que lhe rendeu o apelido de “guardanapo — o que está sempre na mesa”. O pernambucano candidatou-se ontem à vaga a que o PR tem direito na estrutura de comando da Câmara, mas perdeu a disputa interna para Maurício Quintella Lessa (AL) por apenas dois votos. Na distribuição, a legenda acabou ficando com a terceira-secretaria. Como o posto é ocupado hoje pelo próprio Inocêncio, ele não poderia ser reconduzido.

(artigo enviado por Mário Assis)

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *