Qualquer solução é melhor que preservar o PT no poder

Qualquer um dos dois é melhor do que Dilma

Carlos Newton

Fica cada vez mais clara a dramática situação que o Brasil atravessa, de forma extremamente madura, em clima de plenitude democrática, sem qualquer ameaça às instituições. As condenações estão saindo, assim como novos indiciamentos dos maiores empreiteiros do país, até o ex-presidente Lula entrou no rol dos investigados, e tudo isso é visto como absoluta normalidade.

Ao contrário do que a presidente Dilma Rousseff costuma apregoar, não existe golpismo. Pelo contrário, as Forças Armadas estão tranquilas nos quartéis, cuidado de suas obrigações, não há Aragarças nem Jacaréacanga no horizonte, nada de novo no front. É até espantoso que não haja golpismo, num país tradicionalmente submetido a esse tipo de retrocesso político.

O que existe de novidade é uma insatisfação absoluta, uma decepção total, um desânimo assustador em relação à política e aos três poderes da República. É claro que não se deve generalizar esse tipo de análise. Estamos nos referindo apenas à faixa do eleitorado que tem instrução e preparo, que raciocina, chega a conclusões e ainda se interessa por política. Entre esses brasileiros, que na verdade formam a tão famosa opinião pública, o desalento é espantoso, porque até ponto tempo atrás a maioria dos eleitores realmente acreditava que o PT era um partido sério, integrado por políticos honestos.

300 PICARETAS

Quando o então deputado federal Lula fez o desabafo na Constituinte e disse que havia 300 picaretas no Congresso, todos sabiam que ele estava falando rigorosamente a verdade. Tanto assim que alguns anos depois o esperto Fernando Henrique Cardoso se encarregaria de comprá-los por 30 dinheiros, equivalentes a R$ 200 mil por cabeça, para aprovar sua reeleição.

Pensava-se que ao chegar ao poder Lula levaria com ele os 300 de Esparta, mas ocorreu exatamente o contrário. Ele resolveu fortalecer os 300 picaretas de FHC, pagando caro e estabelecendo prestações mensais. Para tanto, criou diversas fontes de renda no governo e nas estatais, implantando a corrupção institucionalizada, com exigência de percentual fixo nos contratos do poder público, vejam a que ponto a desfaçatez chegou.

Hoje, já não há fantasia. Embora ainda não tenha realmente encontrado uma opção, pois os partidos existentes ou são verdadeiras quadrilhas ou defendem um sectarismo totalmente ultrapassado, a opinião pública brasileira não aceita mais esse tipo de político.

OS ÚLTIMOS DOS MOICANOS

É por causa desse quadro político anacrônico e venal que alguns importantes jornalistas e intelectuais ainda continuam defendendo a permanência de Dilma Rousseff. São os últimos dos moicanos, como dizia o genial escritor James Fenimore Cooper. Com justa razão, eles têm pavor do PSDB e horror do PMDB, que são as duas possibilidades de sucessão. Mas em breve esses resistentes também jogarão a toalha e desistirão de defender Dilma, Lula e o PT.

Até os moicanos vão entender que qualquer uma das opções que se apresentam será melhor do que a eternização do PT: ou Aécio Neves, se houver cassação dupla por crime eleitoral, ou Michel Temer, se for cassação única, por crime de responsabilidade. Como se dizia antigamente, um pelo outro, eu não quero troca. Mas devemos aceitar qualquer um dos dois, na forma da lei, segundo a solução que for constitucionalmente encontrada.

37 thoughts on “Qualquer solução é melhor que preservar o PT no poder

  1. Prezado Carlos Newton, o último dos moicanos é o PPS. Permita-me divulgar aqui, apesar da repetição, mas há pertinência com seu artigo, o que respondi ao artigo de Fernando Gabeira.

    Fernando Gabeira é um escritor de peso, extremamente inteligente e lúcido. É difícil refutar as análises feitas por ele. Todavia, embora o título do artigo seja de muito interesse para todos os brasileiros que pensam, “PARA SAIR DESSA MARÉ, NO PÓS-DILMA”, ele só dedica um parágrafo ao final do artigo apenas para dizer que é preciso criar um núcleo supra-partidário buscando uma saída, apontando para o futuro. Embora esta seja uma ideia correta, faltou falar que os partidos políticos, para criarem um núcleo supra-partidário necessitam do oxigênio (a pressão) dos seus eleitores, o cidadão comum. Há muito venho alertando nesta Tribuna que os artigos que publica cuidam basicamente, com o apoio de todos os comentaristas (quase todos, aliás) é o Fora Dilma ! Fora PT ! Mas não há artigos que falem no que poderá vir como alternativa à deposição de Dilma.

    Os comentaristas, e a população brasileira pensante, precisam dedicar algumas horas de seu precioso tempo para propor aos partidos e nas ruas um sistema de governo e forjar uma liderança nacional como alternativa a isto que está aí. Caso contrário, teremos mais do mesmo. Não é fácil, exige desacomodação e mesmo militância política até para quem nunca gostou de política mas tem o privilégio de ser um ser pensante e instruído. O próprio Fernando Gabeira deveria escrever um novo artigo propondo algumas alternativas, já que tem grande conhecimento político. Não basta ficar na chorumela de Fora Dilma ! Fora PT !

    Gabeira critica a esquerda da Grécia: “A realidade impôs à esquerda grega uma tarefa mais árdua do que seus antecessores. O governo teve de passar no Congresso um projeto mais draconiano do que a direita tentou, sem êxito, aprovar. O plebiscito disse não, o próprio governo de Alexis Tsipras disse não e, no entanto, o acordo com a Europa diz sim às condições dos credores”. Mas o que a direita grega, que esteve estes anos todos no poder e foi quem levou a Grécia à falência, com a ajuda dos dealers, tão bem explicado por Maria Lúcia em artigo que fala de auditoria da dívida, o que a direita faria se tivesse ganhado as eleições do partido Syriza, de Alexis Tsipras ? A direita iria fazer um corte brutal nos benefícios sociais e continuaria fazendo, como sempre fez, o jogo dos dealers. Tsipras já pediu para fazer a auditoria da dívida grega, coisa que a direita NUNCA faria.

    Também o Brasil precisa mandar fazer a auditoria de sua dívida, pois é provável que o que consta que o país está devendo já foi pago múltiplas vezes aos dealers agiotas. Embora esta ainda não seja uma posição tomada pelo PPS, há muito tenho falado aqui que a melhor alternativa para a reconstrução do Brasil são as teses do PPS, um partido de esquerda – e o único partido de esquerda que presta, porque o resto não tem programa definido nem atuação parlamentar coerente, ou são “porra-loucas” como o Psol, o PCO, o PSTU – ou são partidos de esquerda de ideologia e programa já ultrapassado, como o PCB, que em nada contribuirão para a reconstrução nacional. O PSB é um partido sem ideologia definida, um tanto fisiológico já que flerta com o governo por cargos no segundo e terceiro escalão, e está longe de ser uma alternativa. Enfim, exorto os leitores para que possamos fazer um esforço e vamos caminhar para a recuperação da economia e da soberania brasileira com as teses do PPS, que todos precisam ao menos conhecer.

    • Prezado Ednei, sou brizolista por convicção e entendo que a falta que sinto do PDT de outrora, impoluto sob o comando de Brizola, hj vejo compensada (dentro do possível) pelo PPS, um partido coerente. Saudações

  2. Bom dia,leitores(as):

    Senhor Carlos Newton,o senhor omite o FATO que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o vice-presidente da república Michel Temer(PMDB-SP) são partes dos problemas porque HOJE passam o BRASIL e seu povo,pois tudo de MAL que alguns membros do PT e dos diversos PARTIDOS POLÍTICOS fizeram durante o governo do ex-presidente Luis Inácio da Silva(vulgo Lula) e durante o primeiro mandato da atual presidente Dilma Roussef,foi com total apoio da grande maioria dos senadores e deputados Brasileiros inclusive os senhores acima mencionados,e que agora eles estão tirando o corpo fora e se apresentando como defensores da Pátria,como se não soubessemos do mal que eles fizeram ao país.

    • Perfeito, José Carlos.
      Sintético, estético, eclético e sobretudo, ético.
      Parabéns.

      Chega desta sórdida manobra de autorizar malfeitos na calada da noite e, pela manhã, se apresentar como única solução existente.
      O malfeito foi em comum, ontem.
      Que paguem em comum, hoje, também.

  3. Lá não tem Janot, nem Lewando….
    ” A Polícia Federal esteve na Eletrobras na quinta-feira, no Rio de Janeiro. Não foi uma visita institucional.

    Os agentes apreenderam dezenas de computadores, discos rígidos e laptops de funcionários de alto escalão da estatal.

    (Atualização, às 9h30. A ação não foi da Polícia Federal. Auditores da KPMG recolheram computadores do presidente da empresa e dos diretores, bem como do protocolo-geral e de assistentes da diretoria. O objetivo era recolher informações para responder à Security Exchange Comission, a CVM americana, sobre suspeitas em torno de Adhemar Palocci, o irmão do ex-ministro que foi acusado pelo ex-presidente da Camargo Corrêa, Dalton dos Santos Avancini, de receber propina de 20 milhões de reais da empreiteira nas obras da Usina de Belo Monte. O valor teria como destino o PMDB e outros agentes públicos. Antes de arquivar o caso, a SEC solicitou a atuação de uma auditoria independente como a KPMG. As memórias dos computadores, laptops e discos rígidos foram copiadas e o material, devolvido no dia seguinte.)

    Por Lauro Jardim

    • Engraçado que na época do FHC, que também não era lá essas coisas, só tinha petista falando fora FHC, agora os petistas vem com essa, não cola não. Ganhar eleição não é pia batismal, não é salvo conduto, não é atestado de infalibilidade, não.

  4. Não concordo com este absolutismo que querem dar à presidente Dilma como se ela fosse intocável por mais crimes que tenha cometido ou permitido.
    Eleição não pode ser sinônimo de permissividade, de corrupção desmedida, desonestidade permanente, incompetência flagrante, mentiras contumazes!
    Dilma tem liquidado com o Brasil, que avança de forma inexorável para o desemprego generalizado, desespero do povo, pessoas endividadas, exatamente por culpa da presidente e sua notória ineficiência na função.
    Dilma não comprou o cargo de presidente da República, e se não deu conta dele a contento diante da quantidade de provas que lhe acusam como responsável pela situação do país, que seja realizado o impeachment.
    Qualquer outro argumento contrário ao restabelecimento da ordem e fim de uma gestão que tanto prejudicou a nação brasileira ou se trata de uma falácia ou existe interesse escuso ou um partidarismo abominável ou todas as razões acima em conjunto.

  5. Aécio Neves é inaceitável, pois é tão corrupto quanto o PT, tendo sido inclusive citado na delação premiada de Alberto Youssef na Operação Lava Jato como sendo beneficiário do esquema de corrupção de FURNAS. Infelizmente não está sendo investigado devido ao direcionamento político anti PT que vem norteando o processo conduzido pelo juiz federal Sérgio Moro. Além disso, as mesmas empreiteiras corruptas que financiaram Dilma e o PT financiaram também Aécio e o PSDB. Ou alguém é ingênuo de acreditar que o dinheiro da campanha de Aécio era limpo e só o da campanha de Dilma era sujo. A única opção aceitável é o impeachment de Dilma por ter cometido crime de responsabilidade ao contrair operação de crédito sem autorização legislativa na pedalada fiscal, violando a Lei 1079/50 e a Constituição Federal, e sua substituição por Michel Temer, eleito com ela legitimamente em 26/10/2014. Aécio NEVER, NUNCA!

  6. Flagrante contradição no exposto acima, com todo o respeito ao comentarista.
    Se a eleição de Dilma é inviolável, o mesmo acontece com Aécio, se este vier a sucedê-la por conta do impeachment!
    Não é de bom tom que eleger o PT seja manifestação popular e, Aécio, classificado em segundo lugar, não tenha esta legitimidade!
    Se reza a Constituição esta possibilidade por que Aécio nunca?
    Será esta a tão propalada “democracia” petista, ou seja, contra mim é golpe?
    O cheiro não é agradável que exala desta posição “política”.

  7. Com todo o respeito ao seu anonimato, o qual já nos dá ideia da sua indômita coragem ao não se identificar, a ascensão de Temer representa a ratificação da escolha popular feita em 26.10.2014 pela chapa que atualmente ocupa o poder federal. Aécio representaria a ascensão do perdedor, o que é um absurdo. O que a Constituição, no seu art. 79, caput, reza é que “Substituirá o Presidente, no caso de impedimento, e suceder-lhe-á, no de vaga, o Vice-Presidente.” Qualquer outra coisa que não seja isso é golpe contra a democracia e o povo.

  8. Prezado Carlos Newton,

    Dizer que ” devemos aceitar qualquer um dos dois, na forma da lei, segundo a solução que for constitucionalmente encontrada”, é continuar do mesmo jeito, é o Brasil mantendo a tradição infeliz do ” mudar tudo para que tudo continue exatamente como está “.
    Democraticamente, discordo.
    Vai se mudar apenas as moscas.
    A mim me parece que essa ” parcela do eleitorado que tem instrução e preparo, que raciocina, chega a conclusões e ainda se interessa por política”, deveria, isso sim, perceber o engenhoso sequestro do Estado que esses políticos profissionais fizeram, a astuciosa e sofisticadíssima ação criminal ao criarem leis que lhes são amplamente favoráveis_ e a seus delitos. ADULTERARAM, portanto, a DEMOCRACIA, para lhes dar plena legitimidade, e o que mais pode exemplificar isso senão seus próprios artigos diários, Newton, todos exibindo a perplexidade diante da ” podridão dos três poderes”?! Aliás, as escandalosas verbas indenizatórias parlamentares, quem as criou? Quantos não abrem mão desse insulto ao povo brasileiro?
    Não vejo outra saída, Newton, que não seja eliminar o cano de esgoto pelos quais todos_ mesmos os dignos_devam se submeter, caso queiram se lançar na política. Exatamente isso, aliás, tem afastado os “homens bons “, aqueles que, até algum tempo atrás, mantiveram o nível da política brasileira num patamar mais elevado, apesar dos espíritos imundos, sempre circundantes.
    Enfim, a DEMOCRACIA NÃO PODE SER USADA COMO PRETEXTO PARA O SEQUESTRO DO ESTADO! É ISSO QUE ESTAMOS ASSISTINDO, COM BANDIDOS NAS POSIÇÕES DE COMANDO DE UMA DAS MAIORES NAÇÕES DA TERRA!
    MANTER O QUE ESTÁ AÍ NÃO É DEFENDER A DEMOCRACIA, É ESTUPRÁ-LA, É DETURPÁ-LA, É DESONRÁ-LA!

    Saudações,

    Carlos Cazé.

  9. Não está em discussão a coragem ou a minha opção por comentar desta forma, anonimamente, mas uma questão política, e está sendo feita com respeito.
    O comentarista pode decidir não me responder, que entenderei, no entanto, não vejo razão para tanto.
    Aécio assume se Temer cair junto com Dilma, portanto, não poderá assumir na vaga da presidente.
    Assim, querem ou não os petistas, o tucano toma o lugar dos dois, sendo legal e indiscutível que Aécio seja presidente da República, não sendo golpe e muito menos antidemocrático como está sendo alegado.

  10. Creio que essa retificação a ser feita pelo eleitorado deva ocorrer no dia 26/10/2018, para que seja respeitado o calendário político eleitoral do país. Subverter a ordem institucional do país, como quer o sr. Eduardo Cunha e seus asseclas e correligionários, é inadmissível. Respeitemos as regras do jogo democrático.

  11. Então o impeachment de collor, que teve 53,03% dos votos em 1989, foi ilegítimo e condenável?
    O movimento fora collor que levou milhões às ruas não expressava a vontade da maioria da população?
    Assim como um golpista que te engana com o golpe do falso sequestro é permitido enganar e mentir para vencer a eleição? Se você descobre depois, paciência! Perdeu, né?
    É assim que funciona a democracia? Se for assim, então as ditaduras devem ser melhores pois você sabe a intenção do ditador.

  12. Enquanto isso, sai nova pesquisa de opinião da CNT: Dilma tem 7,7% de aprovação e 70,9% de rejeição. Enquanto 62,8% defendem o impeahcment dela…É, a coisa já esteve melhor para dona Dilma…

  13. Nesse embalo, Vox Populi, Vox Dei.
    Se o povo a elegeu, que o povo a tire do poder.
    Eis o jogo democrático por excelência ou, por acaso, um mandato pressupõe fazer do poder algo pessoal e simplesmente usado para crimes de toda a ordem e permissividades de toda a espécie?
    Aguardar até 2018 com base na eleição, mas deixando de lado as irregularidades e incompetência da presidente por mais três longos e terríveis anos pela frente, definitivamente não é democrático, mas cumplicidade!

  14. Impopularidade presidencial provisória, temporária, transitória, não perene, não é motivo para impeachment, mas a pedalada fiscal é. Se for o caso de promover o impedimento da Presidente, que isso se faça respeitando a ordem jurídica e constitucional, e não ao arrepio da lei.

  15. Não se está querendo nada além do que a lei determina.
    O comentário do sr.Cazé concorda com a minha opinião sobre a democracia e a sua alteração feita pelo PT, que entendeu ser o Estado brasileiro do partido, sujeito à vontade e determinação petistas quanto ao seu uso e exploração.
    Se um presidente eleito não pode ser retirado do poder mediante provas de sua incompetência e envolvimento em crimes contra a nação, então a eleição deixa de ser democrática para ser suplício, punição!
    A pergunta é inevitável:
    Os cartazes de, Fora Collor, Fora FHC, e suas oposições ferrenhas no Congresso feriam a Constituição?
    Era golpe o desejo do povo de vê-los afastados da presidência?
    Uai, Dilma pode sofrer a mesma pressão ou não?
    Ou por que é de “esquerda” e seu mandato mesmo sendo um dos piores de todos os tempos é “imexível”, conforme palavras de um antigo ministro do Trabalho?
    Eleição não é sinônimo de mandato assegurado, nem poderia. No entanto, tem sido desta maneira que o PT entende o poder, então os nossos males, nossos sofrimentos, desemprego, inflação, violência, educação péssima, saúde que é caso de polícia …
    FORA, DILMA (evidentemente de acordo com a lei)!

  16. Li diversos comentários do mediador, enquanto deletava os impropérios repetidos do comentarista acima, que o seu nome não é o registrado, mas Darcy Leite, servidor de um órgão público.
    Não vejo qualquer moral existente em contestar quem prefere se manifestar através de pseudônimos ou anonimato, ao contrário, Darcy Leite se mostra na plenitude de seu descaramento, cinismo e hipocrisia, afora o seu mau caráter e ser um sociopata incurável.
    Não sou quem o mentiroso se refere.
    Quem me dera ter um pouco da inteligência do gaúcho que, por sábio, evitou este tipo de discussão à toa, e retirou-se.
    Agradeço ao sr. Alverga ter respondido e debatido comigo sobre o impeachment da presidente, estabelecido com regras de civilidade e respeito mútuo.

  17. Discordo frontalmente. Voltar o tempo do FHC? Neoliberalismo? Entregar tudo? Desemprego de mais de 20%? Risco país a mais de 2.000 pontos? Volta do FMI? Militares e civis sem aumento? Querem mais?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *