Quando a maldade perde o constrangimento e censura “O Chapeuzinho Vermelho”

Imagem relacionada

Charge do Jorge Braga (Arquivo Google)

Percival Puggina

A notícia me pareceu demasiado bisonha. Embora divulgada num site sério como a Gazeta do Povo, fui atrás da mesma em jornais espanhóis. Quem sabe o autor da matéria entendeu algo errado? Mas não, ele descrevera com a habitual precisão os acontecimentos que forneciam irrecusável testemunho do caráter doentiamente malévolo da ideologia de gênero.

Na edição em idioma catalão do dia 11 de abril, o jornal El Nacional noticiou que: “… Os membros do comitê de gênero da Escola Pública Tàber de Barcelona e os membros da Associação Espai i Lleure (Espaço e Lazer), decidiram dar uma olhada na biblioteca infantil da escola para analisar o grau de machismo das histórias que os mais jovens leem. Isso levou à retirada de 30% dos livros por promoverem valores sexistas e discriminatórios, num total de 200 títulos. De acordo com o The Confidential, eles não teriam concluído com a retirada, que chegaria a 60% dos livros, para não deixar as prateleiras vazias. Apenas 10% das histórias foram escritas desde uma perspectiva de gênero.”

IGUALDADE? – Comitê de gênero é dose, mas vamos em frente. Um dos autores da iniciativa, responsável pelo tal comitê na escola, falando à Betevé (uma TV de Barcelona), afirmou: “Estamos muito longe de bibliotecas iguais, onde personagens masculinos e femininos aparecem meio a meio, onde fazem o mesmo tipo de atividade.”

A diretora do Espai i LLeure, Anna Tutzó, também na Betevé, observou que “histórias como o Chapeuzinho Vermelho, ou a Bela Adormecida, promovem valores de gênero que são prejudiciais às crianças que ainda não formaram a capacidade crítica.

Haverá quem não veja nisso um trabalho ideológico, coisa de degenerados, de engenharia social? Haverá quem não perceba a utilização do sistema de ensino para introduzir ideologia nefasta nas escolas, criando comitês, concedendo-lhes autoridade para promover essa Bücherverbrennung (queima de livros pelos nazistas em 1933)?

ARAPUCA – Felizmente, a sociedade brasileira foi alertada em tempo, mobilizou-se, e desfez a arapuca que estava preparada na proposta do Plano Nacional de Educação, a partir do qual se estenderia aos 26 Estados, ao Distrito Federal e aos 5570 municípios do país.

Contra tais militâncias não existem, porém, vitórias definitivas. Elas consideram cada derrota, legislativa ou eleitoral, como etapa de uma luta ao cabo da qual alcançarão seus objetivos. Por isso, jamais desistem ou esmorecem em suas iniciativas.

É exatamente por isso que defendem com unhas e dentes seus dois baluartes: a autonomia escolar e a liberdade de cátedra, que funcionam como porta e ferrolho para fazerem o que bem entendem com as crianças e jovens que a sociedade lhes confia. Foi assim que, na evoluída Barcelona, Savonarolas de araque retiraram das prateleiras das bibliotecas, mais de 200 obras, entre elas os clássicos Chapeuzinho Vermelho, A Bela Adormecida e Cinderela. Afinal, são livros sedutores, perigosos à formação infantil e não se enquadram nos estereótipos supostamente não estereotipados da ideologia de gênero. A maldade perde o constrangimento.

14 thoughts on “Quando a maldade perde o constrangimento e censura “O Chapeuzinho Vermelho”

  1. Será que vão retirar o pequeno Príncipe?
    Ele tinha dois amigos: A raposa e a cobra. As crianças tem seus porquês? Uma criança nunca deve ser subestimada. Sua sabedoria é a inocência do qual nenhuma inteligência se sobrepõe. Também, todos nós fomos crianças. E nenhuma dessas estórias nos prejudicou ao longo da jornada. É um atraso cultural esta iniciativa uma aberração.

  2. Essa gente contaminada pelo ideal , já não consegue mais interagir com o palpável e o visível. Vive delírios, teorias criadas por “salvadores” da humanidade, que desconheceram que existe mais entre o céu e a terra do que imaginam.
    São tão idiotas que nem percebem que a meninada de hoje nem liga mais pra livros. Todos, raríssima exceção, tão ligados mesmo é no celular.

  3. Igualdade não combina com censura.
    São excludentes. Mas a doença totalitária é a nova peste negra.
    Curioso é que com a maconha estes grupos dizem que não adianta proibir pois vai aguçar o interesse em usar. O correto mesmo é liberar e cada um que decida. Já com os livros…

  4. 1) Licença: interpretações e releituras fazem parte da pós-modernidade.

    2) Por exemplo, eu lembro que nos anos 1970, o semanário humorístico Pasquim insinuou que Chapeuzinho Vermelho e o Lobo Mau tinham um caso.

    3) Assim, a vida fica mais divertida.

    • E não sei se o país conseguirá ganhar esta luta contra a esquerdopatia. Que nível de baixaria e autoritarismo tem estes idealistas do dinheiro público (esquerda). Para não esquecer: Lula, vc está preso.

  5. Sexo é uma necessidade fisiológica, é coisa íntima de cada um. Tanto o homosexual como o hétero, são seres humanos e a opção sexual de cada um não serve como parâmetro para análise do caráter.
    Sou contra as marchas de gays e outros movimentos fazendo propaganda de sua condição sexual. Reitero sexo é coisa íntima de cada um, não é para se propagandear .

  6. Presumivelmente todos esses integrantes de comitês de igualdade, e intelectuais progressistas em geral leram contos de fadas e até assistiram filmes da Disney quando crianças. Se essas inculcam valores tão negativos nas mentes das pessoas, então como esses intelectuais pensam de outra maneira? A própria existência desses guerreiros da justiça social demonstra que essas obras não tem o caráter maligno que lhes é atribuído, e também a inutilidade da guerra santa para banir tais obras. Inutilidade porque as pessoas possuem senso crítico e autonomia de pensamento, que nenhuma doutrinação ou pedagogia irá abolir. Impor às crianças que leiam apenas obras “progressistas” não irá transformá-las todas em guerreiros da justiça social, assim como ler livros “conservadores”, “retrógrados”, não transformou todos seus leitores em reacionários. Cada pessoa irá ler e interpretar essas obras de uma maneira diferente, e muitos rejeitam os valores que os doutrinadores lhes querem impor. Ou apenas aderem a eles exteriormente, quando lhes convém, e se tornam completamente cínicos.
    Seres humanos não são cobaias dos Doutores Pavlov e Skinner, repetindo acriticamente comportamentos condicionados.

  7. Regras sociais são meras convenções humanas, cláusulas de modelos arbitrários……. Tanto é que a nossa contramão não “rema contra a maré” no trânsito londrino. Um turista está com a bolsa cheia de dólares; tenta comprar algo, em Laos, mas o vendedor ignora a validade da moeda apresetada.
    A estratificação e normatização da própria natureza sempre foi o melhor paradigma, para não nos perdermos, em nossa jornada por aqui. Aliás, o homem disparou na arte de criar, quando passou a buscar nos eventos naturais, os parâmetros para dar vida aos seus artefatos. O radar de Watson-Watt ilustra isso muito bem; já que foi embasado no ultrassom emitido pelo morcego.
    A partir do momento em que: por necessidade, ganância ou modismo quebramos a nossa relação ortobiótica com ecossistema, passamos a pavimentar uma estrada perigosa à geração vigente, bem como para a posteridade.
    Macho e fêmea, organolepticamente, já nascem definidos. Em caso de dúvida, lembre: um vazio atrai um conteúdo! Projétil (homem) e capsula (mulher) se complementam na acoplagem ou na cópula carnal.
    De todos os atos a dois, aquele que trouxe o caminho mais bem sinalizado e apelativo foi o procriar: compelido pelo instinto de multiplicação e perpetuação da espécie. Lá no Eden, o diabo da serpente não indicou a maçã ao Adão? A base do casco do jabuti já vem afundado, para facilitar o acasalamento com a jabota? A posição da fêmea, no ato sexual, quase sempre embaixo, se não determina, mas já sugere à mulher a sua gradação hierárquica em relação ao homem. Como a grande maioria dos úteros tem a abertura na frente, a força gravitacional impõe que a posição “papai e mamãe” é que mais facilita a ovulação: ou seja: a varoa por baixo. E, por coincidência, a palavra, grávida, tem a mesma etimologia de gravitacional ou gravidade (pesada,). A bíblia apenas descreve um ordenamento, o qual já teria sido terminado pelo sistema dualista. De 206 ossos dum homem, a mulher foi gerada de uma costela; essa desproporção deixa a mulherada numa tremenda desvantagem.
    Qanto aos homossexuais, masculinos e femininos, vale refletir: “antes de transgredir a lei primordial da biogênese, verifique se você tem pára-choques suficientes, para suportar o efeito rebote que sua infringência pode desencadear”. Afinal, quem gosta disso, deve pagar por isso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *