Quando lavar as mãos é imperdoável

Carlos Chagas

Em entrevista do outro lado do mundo, na Austrália, declarou a presidente Dilma que sabia das investigações da Polícia Federal a respeito de irregularidades na Petrobras. Mesmo que tenha autorizado a Operação Lava-jato a continuar, seria o óbvio. Como evidente, também, que exigisse a demissão de diretores da estatal envolvidos na lambança, apesar dos elogios que alguns deles receberam pelo tempo de serviço prestado.

O que se estranha nessa novela de horror é a participação de figuras de importância do PT, PMDB, PP e adjacências na roubalheira sem que nenhuma atitude tenha sido tomada pelos ocupantes maiores do poder. Porque nem Dilma nem o Lula se preocuparam em passar o rodo nos partidos de sua base. Assim como no mensalão,tesoureiros e dirigentes variados continuaram ocupando funções relevantes, assim como parlamentares permaneceram incólumes recebendo dinheiro sujo de empreiteiras e de diretores da Petrobras. Quer dizer, a faxina não chegou ao quintal do palácio do Planalto.

Nem a presidente nem o antecessor terão recebido parte do que foi roubado, muito menos se beneficiado das operações de compra e venda de mandatos e de consciências. Mas estavam no controle do poder público quando tudo aconteceu. No mínimo, deveriam ter posto a boca no trombone e denunciado os primeiros resultados das apurações. Como a lama respingava na base parlamentar do governo, preferiram ficar calados, deixando tudo correr a cargo da Polícia Federal, do Ministério Público e do próprio Poder Judiciário. Mais ou menos como se um assalto ocorresse na esquina e apenas aguardássemos a chegada da polícia, como se nada nos dissesse respeito, ainda que o assaltado fosse nosso vizinho.

Esse costume de lavar as mãos vem de muito antes de Pôncio Pilatos, mas a História mostra-se imperdoável diante do personagem.

MELHOR DEIXÁ-LOS MISTURADOS

Na Roma Antiga, nos tempos de Tibério, o Senado tentou votar uma lei obrigando os escravos a usar roupas especiais, de forma a diferenciá-los dos cidadãos no gozo de suas liberdades. O imperador convenceu os senadores a desistir da iniciativa, argumentando que se a proposta fosse aprovada, seria possível calcular o número imenso de escravos, favorecendo sua rebelião. Na época, só em Roma existiam 400 mil, e na Itália, um milhão e meio.

Assim parece a estratégia do palácio do Planalto diante da multiplicação, no Congresso, de parlamentares envolvidos no recebimento de propinas. A rebelião, no caso, seria da opinião pública…

3 thoughts on “Quando lavar as mãos é imperdoável

  1. Sr. Chagas, ótima análise, queira DEUS, que a partir de agora, o Brasil volte ao menos a corrupção de poucos milhões. O governo do PT do Lula e Dilma, no comando, continuou o governo do FHC, sem tirar nem por”, nosso “Emblema de Progresso- Petrobras”, com seus diretores indicados pela politicagem, só poderia dar nisso: corrupção total e irrestrita.
    Passa a grana, com dª Dilma, que “não sabia de nada”, lema criado por lula e adotado no PT, seus dirigentes são todos bebês inocentes.
    Que Deus proteja o JUIZ SERGIO MORO, as Equipes do Policia Federal e Ministério Público,que honram suas CONSCIÊNCIAS ESPIRITUAIS E FUNCIONAIS, SERVINDO DE EXEMPLO DE DIGNIDADE.
    OREMOS À DEUS, PEDINDO SUA MISERICÓRDIA, PARA UM BRASIL DECENTE E JUSTO PARA SEU POVO SOFREDOR.

  2. E pensar que muito deve ter ajudado na morte do Paulo Francis o processo sofrido nos EUA pela Petrobrás por ter afirmado que a empresa era dominada por uma quadrilha com contas na Suiça. Que triste ironia…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *