Quando perguntaram a Sobral Pinto, se havia democracia à Brasileira, respondeu: “Conheço peru à brasileira, democracia é igual no mundo inteiro”. Agora descobrimos “INFLAÇÃO À BRASILEIRA”, temos que aumentar juros.

Helio Fernandes

Ontem, a informação sobre mais esse aumento dos juros, elevação de 0,50%. É o complemento oficial de que “nas quatro próximas reuniões do Copom, quatro elevações desses juros”. Hoje, o comentário melancólico, lamentável, o descumprimento da palavra da presidente, antes mesmo de 1 mês no Poder.

Sem ninguém perguntar, levantou a esperança, deu impressão de que cumpriria o compromisso que não assumiu na campanha, mas foi implícita e explícita: “Lutarei CONTRA O AUMENTO DOS JUROS”. Além da tragédia desses juros altíssimos, o fato triste e impiedoso: a presidente não cumpre a própria palavra em relação à QUEDA dos juros e a redução do privilégio, favorecimento, enriquecimento espúrio e vergonhoso, de BANCOS E SEGURADORAS.

24 horas depois de Dona Dilma ter nomeado Tombini para a presidência do Banco Central e declardo, “não aumentarei juros”, mostrei toda a minha decepção e descrença. Pois Tombini sempre foi a favor dos juros mais altos. Votava rapidamente para que subissem, mesmo nos momentos, r-a-r-í-s-s-i-m-o-s, em que Meirelles queria reduzi-los.

Contra fatos não existem argumentos, a não ser a realidade destruidora, avassaladora, demolidora. E pela primeira vez nesses anos todos (mesmo com  FHC, quando os juros chegaram a 44 por cento), se anuncia PREVIAMENTE, como agora: “Nas próximas reuniões, mais aumentos”.

Simplificando, perguntando e concluindo: se esses juros são elevados por causa da inflação (para combatê-la), por que anunciar os próximos aumentos? Já sabem que esses juros CRIMINOSOS não atingirão nem diminuirão a inflação? Quem responderá a essas perguntas irrespondíveis?

Se fosse vivo, Sobral Pinto gozaria a todos, falando (como está no título destas notas) em “inflação à brasileira”. É o que parece. No Japão, o juro é ZERO-ZERO. (Ao ano). Nos EUA, esse ZERO-0,25%. Na China, que cresceu em 2010, 10,40%, a inflação nem preocupa, os juros são mínimos. E olhem que eles têm uma classe média de 190 milhões de pessoas (maior do que toda a população do Brasil) de alto poder aquisitivo, que compra tudo. Mas eles sabem, porque aprenderam que não há desenvolvimento sem consumo.

Ontem mesmo, o presidente da China, Hu Jintao, esteve nos EUA conversando com Obama (de igual para igual) e reconheceu que em matéria de “direitos humanos é preciso melhorar muito”. Por que fez essa declaração que surpreendeu o mundo inteiro? Pela mesma razão que Mao Tsé-Tung, ao começar sua famosa “Marcha” de 1949, afirmou: “Poucos sabem a dificuldade de pegar um país vivendo no SÉCULO X e colocá-lo no SÉCULO XX”.

Em março de 2009, com juros de 10,75 por cento, o Brasil pagava 188 BILHÕES por ano. Lula enganava o país inteiro, explicando: “Estamos ECONOMIZANDO 90 BILHÕES por ano, para os juros da DÍVIDA”.

Mentiam dupla ou triplamente. Pois se precisavam pagar 188 BILHÕES, de que adiantaria essa ECONOMIA de 90 BILHÕES? Nada vez nada, era o que chamavam e continuam chamando de “superávit primário”. (O Brasil é o único país onde existe essa perversão anunciada. Em todos os países, SALDO ou DÉFICIT, e estamos conversados).

Não precisamos fazer cálculos complicados, exóticos, escalafobéticos. Se com o juro em 10,75% pagávamos 188 BILHÕES por ano, com esse juro agora criminosamente aumentado para 11,25%, quanto teremos que roubar (é de R-O-U-B-O que se trata) do nosso investimento, desenvolvimento, enriquecimento?

Em números divulgados pelo próprio governo, mas nada confiáveis, em março de 2009 DEVÍAMOS 2 TRILHÕES E 300 MILHÕES (e como já fui contestado vastamente, na época, quando “concordei” com o governo), agora vão me massacrar. Dona Dilma não tem nada com a formação dessa DÍVIDA. (Se contestasse, não seria “inventada” como candidata e como presidente).

Mas antes de completar o primeiro mês como presidente, nega o passado, renega o compromisso, determina o aumento que dizia que não faria.

Para não prolongar, admitamos que a DÍVIDA tenha se mantido nos números propalados, que palavra, em março de 2009. Não aumentou nada, mesmo só dispondo de 90 BILHÕES para pagar 188 BILHÕES. Ha!Ha!Ha!

 ***

PS – Agora, com o crescimentos dos juros em 0,50 por cento, (repetindo, dos 10,75% de 2009 para 11,25% deste 2011), mais 26 BILHÕES POR ANO.

PS2 – Terá sido pura COINCIDÊNCIA? Esse aumento de 0,50% cravado de 2009 para 2011? Lula e seguidores parecem mestres em coincidência políticas, eleitorais, econômicas e financeiras.

PS3 – Mesmo sem muita certeza dos números, sempre favorecendo o governo e seus porta-vozes, vou aceitar o cálculo deles. Assim, esse 0,50 por cento, aumentará os COMPROMISSOS DE PAGAMENTO em mais 26 BILHÕES.

PS4 – Juntando com os 188 BILHÕES que ENTREGÁVAMOS em 2009, temos (ou teremos) que ENTREGAR, a-n-u-a-l-m-e-n-t-e, 214 BILHÕES. Enojado, envergonhado, humilhado, para por aqui. Por hoje, por hoje.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *