Quanta energia, Dona Dilma precisará, para livrar de Sarney o setor energético?

Helio Fernandes

É dificílimo, praticamente impossível. Vejamos de forma clara, simples, elucidativa.

1 – Tirou Furnas das garras de Eduardo Cunha e do apadrinhamento de Henrique Eduardo Alves.

2 – Nomeou então o subalterno de Sarney, Flavio Decat, que não chega a ser um lobista, mas não é um técnico. Formado na Universidade do Maranhão, com Sarney como reitor.

3 – A Eletrobrás convocou assembléia para o dia 25, quando José da Costa Carvalho Neto será eleito (?) presidente. Indicação de Sarney.

4 – Muniz Lopes, que era presidente da holding, vai para a presidência da Eletronorte. Indicação de Sarney.

5 – Carvalho Neto, indicação de Sarney para a Cemig, não pôde ser mantido, porque essa empresa agora pertence ao governo de Minas, onde Sarney não manda.

6 – Lobão, que não devia ser ministro no governo Lula, na presidência Dilma é uma excrescência. E tem sido criticado por ela. O “apagão de 8  estados do Norte/Nordeste deixou-o apagado. Deu entrevista, deslocando os fatos para a Copa do Mundo, que só acontecerá em 2014, três anos e meio. Difícil que seja ministro até lá.

***

PS – Na reunião de Furnas, dia 15, serão demitidos todos os membros do Conselho Administrativo. Atinge Luiz Paulo Conde, que foi prefeito do Rio e presidente de Furnas. Agora, Conselheiro.

PS2 – Conde é urbanista e bom arquiteto. Projetou uma casa em Angra dos Reis, belíssima, paixão de Airton Senna. Agora, quem mora lá e a irmã Viviane, presidente da Fundação que leva o nome do piloto.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *