Quatro longos anos custarão a passar

Carlos Chagas

A mais nova irritação da presidente Dilma, despejada sobre seus principais auxiliares palacianos, refere-se ao vazamento de informações sobre a nova equipe econômica. Ela não gostou de ler o óbvio nos jornais, que Joaquim Levy seria o novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, no Planejamento, e Alexandre Tombini permanecendo no Banco Central. Depois de reunir-se com os três, separadamente, em mais de uma oportunidade, queria o quê? Não se fala dos servidores do cafezinho, aliás, requentado, que frequentam seu gabinete, mas dos novos ministros, como também dos que serão substituídos ou remanejados.

Claro que todos comentaram as escolhas, mesmo não tendo recebido da chefona a comunicação oficial. Não integrariam o primeiro escalão da equipe governamental caso carecessem de percepção acurada. Como em especial os que não vão ficar. Eles deixariam de ser mortais se não acusassem ressentimento. Acresce os novos ministros: um brilho excepcional nos olhos, sorrisos exagerados, confidências às secretárias ou simples comportamento extemporâneo – tudo são sinais inequívocos de novidades. Nem se fala do trabalho dos jornalistas credenciados no Planalto ou encarregados da cobertura econômica. E mais a torcida do Flamengo, junto com o empresariado, atentos às mudanças programadas.

Esse episódio corriqueiro leva-nos a passar do particular para o geral. O que chama a atenção é o permanente estado de irritação da chefe do governo. Aliás, permanente desde seus tempos no ministério das Minas e Energia, depois na Casa Civil e na presidência da República. Ela está muito mais para Ernesto Geisel do que para Fernando Henrique ou o próprio Lula. O general explodia até quando perdia o jogo de biriba, o sociólogo respirava dez vezes antes de encontrar uma forma de achar tudo normal e o líder sindical conseguia superar percalços virando um copinho ou outro do precioso líquido escocês.

Dilma, não. Leva para o palácio da Alvorada frustrações e ressentimentos, esmaecidos apenas quando visitada pelo netinho. Como regra, porém, explode diante de ajudantes-de-ordem, garçons, auxiliares de toda espécie e principalmente ministros, cobrando justa ou injustamente falhas e omissões. Ou deveres de casa diligentemente feitos.

Dilma aguentará assim mais quatro anos? Ou, invertendo-se a equação, aguentará assim sua equipe, renovada ou não? Impossível evitar o contágio. De uns anos para cá o país ficou irritadiço. Intolerante por conta do sistema em cascata. Não tendo em quem desabafar, o cidadão comum chuta o cachorro. Quando recebe um “bom-dia”, indaga do interlocutor o porque, já que está chovendo ou fazendo calor…

Necessitaria o país de um refrigério. Vem aí o Natal, depois o Carnaval. Em paralelo, a crise econômica, a roubalheira na Petrobras, a inflação e mesmo os rescaldos do sete e um com a Alemanha. O diabo é saber que quatro longos anos custarão a passar.

5 thoughts on “Quatro longos anos custarão a passar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *