Que vá embora e não volte…

Carlos Chagas

Faz algum tempo  o Brasil livrou-se do  complexo de inferioridade, aquele de vira-lata,  de que falava Nelson Rodrigues. Pois não é que certas entidades internacionais permanecem com o sentimento oposto, de imperialismo arrogante?
                                                       
Passou por Brasília, esta semana, um tal Mr. Dominique Strauss-Kahn, diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional. Ao contrário de anos atrás, a instituição é  nossa  devedora. Emprestamos algumas centenas de milhões de dólares ao falido FMI, que por sinal  ainda não nos pagou.         

Deveria pagar  primeiro,  antes de vir aqui dar lições, como fez o gringo diante da presidente Dilma Rousseff. Sabem o que sugeriu esse misto de francês, austríaco  e mongol?  Que o Brasil desacelere o crescimento, não cresça mais a 7.5%, como em 2010,  que promova logo a reforma tributária e a reforma da Previdência Social e que continue aumentando juros e cortando outros 50 bilhões de gastos públicos.
                                                       
Essa  receita que  já nos levou para as profundezas, no passado, é a mesma sustentada pelos especuladores e malandros do neoliberalismo. Vem sendo defendida por  banqueiros e seus porta-vozes da mídia. Infelizmente,  em parte é  seguida  pelo governo. Confirma-se agora,    pelas palavras do abominável visitante, a mesma  vigarice. 

Juscelino Kubitschek uma vez botou o FMI para fora. O último general-presidente, João Figueiredo, fez quase isso, mas eles insistiram e dominaram nossa economia, no período de Fernando Henrique. O Lula conseguiu dar a volta por cima e agora os urubus tentam de novo.  Cabe à presidente Dilma Rousseff demonstrar que não somos mais carniça. Foi educada até demais quando recebeu Mr. Strauss-Kahn.

Os jornais mostram sorrisos desnecessários entre eles, ainda que não informem sobre qualquer  reação aos seus conselhos. Na realidade o FMI, marionete dos Estados Unidos, teme a formação de uma nova China nos seus calcanhares. Não podemos crescer porque o nosso crescimento bate de frente com os interesses deles.                    
                                                       
A FORÇA DO PETRÓLEO
 
Perguntas feitas no Senado, quinta-feira, durante sessão da Comissão de Relações Exteriores que sabatinou os novos embaixadores na África do Sul e na Bélgica: se a Líbia não tivesse petróleo, o presidente Barack Obama admitiria o uso da força para acabar com a crise naquele país? Desde quando  razões humanitárias justificam o envio de porta-aviões para o litoral do norte da África?
 
BOTAS CONTRA COBRAS
 
Perto de 200 jornalistas vindos dos Estados Unidos acompanharão o presidente Barack Obama em sua visita ao Brasil, se ele vier mesmo.  Mais da metade atenderá à recomendação do Departamento de Estado para trazer água mineral e botas em suas bagagens. Pelo jeito os folhetos com instruções foram tirados do arquivo referente à vinda do presidente Eisenhower,  em 1959, onde se alertava para os perigos da água brasileira, mesmo a mineral, além da quantidade de cobras existentes na ainda não inaugurada nova capital  do Brasil e até no Rio de Janeiro.
                                                       
Um gaiato, ao tomar conhecimento dessas precauções, sugeriu que o  Itamaraty entrasse em negociações com o Instituto Butantã para empréstimo de uma centena de cascavéis que poderiam ser espalhadas nos hotéis  onde os coleguinhas  deverão hospedar-se… 
 
ATÉ O DIA 15
 
Desde quinta-feira, dia 3, até o dia 15, terça-feira, não se encontrarão deputados e senadores no palácio do Congresso. Apesar de as enciclopédias informarem que o Carnaval dura três dias, para os nossos parlamentares a folga  estende-se por doze.   Mas é bom parar com essa perseguição aos representantes do povo.

Nos tribunais superiores, em Brasília, acontece a mesma coisa. E se formos passear na Esplanada dos Ministérios, conclusão quase igual poderá ser verificada.  Essa seria a  temporada ideal para os comunistas desencadearem uma nova intentona, se ainda existissem comunistas entre nós… 
 
ELA PODE SURPREENDER
 
Dilma Rousseff viajou sexta-feira, com a família, para a base aérea da Barreira do Inferno, onde pretende descansar no Carnaval. A volta a Brasília está prevista para terça-feira.  A presidente terá levado livros, espera-se que não relatórios de governo. Apesar disso, uma certa ansiedade é partilhada por seus auxiliares: e se ela resolver antecipar o retorno? Se não estiver apreciando  o período de descanso e se decidir voltar hoje mesmo, domingo? Marcará para amanhã uma reunião do ministério ou do grupo de ministros palacianos? Paranóias à parte, mas  coisa parecida já aconteceu com o general Ernesto Geisel e com Itamar Franco…

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *