Quebra de sigilo de Flávio atinge nove ex-assessores do presidente Bolsonaro

Resultado de imagem para nathalia queiroz

Filha de Queiroz estava lotada no gabinete do próprio Bolsonaro

Catia Seabra e Italo Nogueira
Folha

A quebra dos sigilos bancário e fiscal na investigação sobre as movimentações financeiras do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente da República, atinge ao menos cinco ex-assessores de Jair Bolsonaro. Todos os cinco assessores trabalharam tanto no gabinete do pai, na Câmara dos Deputados, como no do filho, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), ao longo do período que engloba a quebra dos sigilos, de janeiro de 2007 a dezembro de 2018.

São eles Daniel Medeiros da Silva, Fernando Nascimento Pessoa, Jaci dos Santos, Nelson Alves Rabello e Nathalia Melo de Queiroz — esta filha de Fabrício Queiroz, policial militar aposentado que era uma espécie de chefe de gabinete de Flávio na Assembleia e um dos alvos da investigação.

PRIMEIRO PASSO – A quebra dos sigilos, que atinge um total de 86 pessoas e nove empresas, é o primeiro passo judicial de investigação após um relatório do governo federal, há mais de 500 dias, ter apontado movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta bancária de Queiroz.

Além do volume movimentado na conta de quem era apresentado como motorista de Flávio, chamou a atenção a forma com que as operações se davam: depósitos e saques em dinheiro vivo, em data próxima do pagamento de servidores da Assembleia, onde Flávio foi deputado durante 16 anos (2007-2018).

Como mostrou a coluna Painel, da Folha, integrantes de órgãos de controle chamaram de “avassaladora” a devassa de mais de dez anos nas contas do filho do presidente e de pessoas ligadas a ele — cenário agravado com o ingrediente de assessores que atuaram para o presidente Bolsonaro.

TENENTE ASSESSOR – Entre os cinco que atuaram tanto para Flávio como para Jair, Nelson Rabello é o que tem maior tempo de serviços prestados à família Bolsonaro. Tenente da reserva, serviu com o presidente no Exército e, desde 2005, está lotado em algum gabinete do grupo —o que inclui o do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ).

Nelson ficou no gabinete do então deputado federal Jair Bolsonaro por seis anos, de março de 2005 a maio de 2011. Antes disso, teve breve passagem de um mês na Câmara do Rio como assessor de Carlos.

Após deixar o gabinete de Jair em 2011, virou assessor de Flávio de maio a agosto de 2011. Ele teve os sigilos quebrados por 12 anos em razão desse período de três meses na Alerj. Logo em seguida, voltou à Câmara dos Deputados para trabalhar com o hoje presidente, onde ficou até 2018. Atualmente é assessor de Carlos Bolsonaro na Câmara do Rio.

O MOTORISTA – Outros dois nomes com os sigilos quebrados e que trabalharam tanto para Flávio como para Jair já estiveram em evidência por relações anteriores com a família Bolsonaro.

Um deles, Jaci dos Santos, é um ex-soldado que trabalhou como motorista da família. Está em nome dele uma das vans declaradas à Justiça Eleitoral pelo atual presidente, para quem ele atuou por sete meses.

Já Nathália, filha de Queiroz, ficou um ano e dez meses no gabinete de Bolsonaro na Câmara. Ela havia deixado o gabinete de Flávio em dezembro de 2016 e ficou com o presidente até outubro de 2018, quando foi exonerada na mesma data em que o pai, Fabrício Queiroz, da Assembleia.

Como a Folha revelou, Nathália trabalhava como personal trainer em academias do Rio de Janeiro no período em que esteve nomeada nos gabinetes da família.

OUTROS ALVOS – Além de ao menos 65 ex-assessores, foram alvos da medida judicial o próprio senador, sua mulher, Fernanda, sua empresa, além de pessoas e firmas que fizeram transações imobiliárias consideradas suspeitas com Flávio.

Após virar alvo da investigação que atingiu o filho do presidente, Fabrício Queiroz admitiu que recebia parte dos valores dos salários dos colegas de gabinete na Assembleia do Rio. Ele diz que usava esse dinheiro para remunerar assessores informais de Flávio Bolsonaro, sem o conhecimento do então deputado estadual.

Já Flávio tentou por duas vezes paralisar na Justiça as investigações do caso, sob o argumento de quebra ilegal de sigilo bancário. O filho do presidente perdeu no STF (Supremo Tribunal Federal) e no Tribunal de Justiça do Rio.

Conforme as decisões, a mera solicitação de manifestação do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) não constitui quebra de sigilo.

DIRIGENTES DO PSL – Também são alvo da investigação duas ex-assessoras de Flávio e dirigentes do PSL da cidade do Rio de Janeiro. Tiveram o sigilo quebrado Valdenice de Oliveira Meliga, tesoureira da campanha do senador, e a contadora Alessandra Ferreira de Oliveira, respectivamente presidente e vice da sigla no município.

Como a Folha revelou em fevereiro, a empresa de Alessandra e parentes de Valdenice foram beneficiados com verba pública do fundo eleitoral. A empresa da contadora, também tesoureira do PSL-RJ, recebeu R$ 55,3 mil de 42 candidatos, sendo a maioria mulheres que só receberam a verba do diretório nacional na reta final da eleição.

OUTRO LADO – O advogado Paulo Klein, que defende Fabrício Queiroz e sua família, disse que pretende interromper as investigações em razão de ilegalidades que vê desde o início da investigação até a quebra de sigilo.

Ele afirmou que vai apresentar um habeas corpus no Tribunal de Justiça esta semana com este objetivo. “A decisão fere o princípio da individualização, porque a decisão não diz o porquê da necessidade de violar o sigilo bancário e fiscal de tantas pessoas sem definir minimamente a necessidade em cada caso.”

A autorização de quebra de sigilo, assinada pelo juiz Flávio Itabaiana, tem apenas três parágrafos no qual concorda com o pedido do Ministério Público. O texto é seguido de uma lista de 95 investigados e ordens aos órgãos competentes para que forneçam os dados requeridos.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG –
Já era esperado que as investigações chegassem ao gabinete do então deputado Jair Bolsonaro. A matéria do Globo aumenta para nove o número de envolvidos ligados a Bolsonaro pai.
 Os nomes incluem uma irmã e uma prima de Ana Cristina Valle, ex-mulher de Bolsonaro. Todos terão os dados bancários e fiscais abertos a pedido do Ministério Público. E daqui para a frente a situação só tende a se complicar. É melhor já ir se acostumando, como costumam dizer hoje em dia … (C.N.)

10 thoughts on “Quebra de sigilo de Flávio atinge nove ex-assessores do presidente Bolsonaro

  1. Pior de tudo é a falta de perspectiva na economia. Ela derruba qualquer um. A reforma da previdência é muito importante, mas não é um único fator a mudar todo o quadro de nossa economia. Bolsonaro deve tomar providências urgentes. A oposição é oportunista e está adorando essa dança das cadeiras e falta de união. Se fosse uma guerra estaríamos derrotados.

  2. Será que virá daí a desculpa para o impeachment?

    FHC, o papa dos esquerdopatas e dos corruptos já deu a ordem e a claque tucano-corrupto-petralha já começa a repercutir.

    Se conseguirem, ninguém sabe como vai reagir a maioria silenciosa que elegeu Bolsonaro.

    A mídia tem feito um bom serviço de desconstrução do Presidente, mas seu poder de influenciar o povo não é mais como era antes.

    Haverá muita frustração e ressentimento se voltarem as práticas da velha política.

  3. Guru de Bolsonaro diz que não falará mais em política e alerta que Brasil ‘vai se danar’
    BRASIL
    12:06 16.05.2019
    URL curta
    1 0 0
    Considerado guru intelectual do governo do presidente Jair Bolsonaro, o astrólogo e autoproclamado filósofo Olavo de Carvalho declarou em uma entrevista nesta quarta-feira que se afastará da política brasileira, destacando que os que queriam “tirá-lo da parada” tiveram êxito.

    “Eles querem me tirar da parada? Tiraram. Eu vou ficar quietinho agora, não me meto mais na política brasileira. O Brasil escolheu o seu caminho. Escolheu confiar em pessoas que não merecem a sua confiança e agora vai se danar”, explicou Carvalho em uma entrevista ao site Crítica Nacional, de viés direitista……………

    https://br.sputniknews.com/brasil/2019051613892959-olavo-carvalho-politica-brasil/

  4. Diario do Brasil
    Patricia Moraes Carvalho

    Lava Jato está perto de algo grande
    Não há com o que se preocupar … os fatos abaixo são apenas ‘pequenas coincidências’ …
    Nome de ministro do Supremo citado em delação de empreiteira corruptora;

    Gilmar Mendes atacando, em sessões plenárias, membros do MPF e juízes federais;

    Operação ‘abafa’ para impedir a CPI da Lava Toga no senado;

    Articulação para impedir a prisão em segunda instância e soltar Lula da prisão;

    Juiz sentenciando humorista que criticou a esquerda a seis meses de cadeia;

    Imposição de censura e multas altíssimas a sites que ousem publicar matérias relacionadas às Vossas Excelências Togadas;

    Ministro do STF autorizando buscas em casas de militares da reserva e procuradores da república;

    Uma coisa é certa: A Lava Jato está perto de algo grande!

  5. Vamos fazer com Bolsonaro o que os bolcheviques fizeram com a família do Czar Nicolau, vamos matar todos e esquartejar em praça pública, por ladroagem Na cerimônia se tocaria o hino da Internacional Socialista para deleite dos grandes democratas da atualidade, Maduro, Evo Morales e os pais das democracias chinesa, norte coreana, Hillary Clinton e todos os progressistas islâmicos, os aiatolás, Putin, Erdogan,o prefeito de Nova Iorque, Sasha Meneghel e Maria do Rosário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *