Quebrar sigilo da rádio Jovem Pan pode ser encarado como abuso de autoridade da CPI

Programas pró-governo estão incomodando a oposição

Merval Pereira
Rádio CBN

A segunda temporada da CPI da Covid vai começar com muitos fatos investigados e apurados e o ritmo vai ser mais intenso. Estão mapeando todas as irregularidades cometidas, podendo até anunciar um relatório final antecipado.

Deve dar muitos problemas para o Planalto, porque já há indícios fortes de que o governo Bolsonaro foi, no mínimo, relaxado na questão da pandemia – há até indícios de que foi deliberado o atraso na compra de vacinas, assim como a proteção a medicamentos que não têm eficácia comprovada.

ABUSO DE AUTORIDADE – Mas a CPI precisa tomar cuidado para não abusar de sua autoridade, como ocorre na decisão de quebrar o sigilo fiscal e bancário da rádio Jovem Pan.

É fato que a rádio apoia o governo Bolsonaro, mas não se pode atacar uma empresa jornalística sem o mínimo de explicação convincente. Deveriam ir em cima do funcionário da rádio identificado como ligado ao gabinete de ódio do Palácio do Planalto.

A Jovem Pan precisa ter garantia de respeito a sua linha editorial independente e não pode ficar submetida a esse constrangimento; é um claro abuso de autoridade.

BLOGUEIROS A SOLDO – É preciso investigar os blogueiros bolsonaristas que recebem dinheiro do governo para estimular a militância, e com objetivos claros de perseguir pessoas e desmoralizar jornalistas de oposição. O mesmo aconteceu na gestão Lula-Dilma.

É uma atitude ilegal que precisa ser combatida. Mas um órgão profissional de imprensa, estabelecido, não pode sofrer essa ameaça de perseguição política, com quebra de sigilo.

18 thoughts on “Quebrar sigilo da rádio Jovem Pan pode ser encarado como abuso de autoridade da CPI

  1. Anteontem postei um comentário de minha autoria, onde critiquei os elogios de Merval ao Centrão, dando a entender que seria bem melhor com esta junção de quadrilhas travestidas em partidos políticos, a solidez para nossa democracia!
    Absurdo, para eu dizer o mínimo.

    O artigo em tela, do mesmo jornalista, refere-se à delicadeza como a imprensa deve ser tratada pelos poderes constituídos.
    Alega que a CPI querer quebrar o sigilo fiscal da Joven Pan seria abuso de autoridade, autoritarismo, que iria de encontro à tão propalada democracia.

    Merval pretende imiscuir-se onde não é devido.
    Age em defesa do corporativismo midiático, que sabemos ser forte, poderoso, unido. A imprensa é intocável, irrepreensível, e precisa ser respeitada de maneira plena, escreve nas entrelinhas o conhecido jornalista.

    Concordo plenamente com relação à importância da imprensa mas, por isso mesmo, ela não pode querer ficar à margem das leis, normas, concessões pertinentes ao poder público, quando se faz necessário investigá-la.
    O gabinete do ódio precisa ser extirpado.

    Se, existe dentro da rádio paulistana, um indivíduo que se utiliza do poder de comunicação desta conceituada empresa para divulgar o que deseja o Planalto, mormente fake news e ódio destilado, as portas da rádio precisam ser abertas ou pelos seus diretores ou determinadas pela justiça.

    Basta de impunidades, de privilégios, de proteções, simpatias, respeito, enquanto o povo é tratado como lixo porque desprezado pelos poderes constituídos e até pela imprensa!

    Se a Jovem Pan fosse uma embaixada, vá lá. Porém, se trata de uma concessão PÚBLICA, uma empresa nacional, que deve ser fiscalizada quando surgem dúvidas ou denúncias que esconde ou promove informações que não poderiam ser levadas ao ar.

    Se Merval ficou ressentido com esta decisão ou que ainda será levada a efeito pela CPI, mais uma vez escorregou no seu texto.
    Pelo contrário, de modo a transparecer que a mídia age com lisura, que seja investigada de cabo a rabo, menos querer alegar que é uma ofensa ou desrespeito à mídia, se justamente estamos numa democracia, onde todos são iguais perante a lei, pelo menos supostamente.

    Se a CPI tem autoridade para quebrar o sigilo bancário e fiscal de qualquer cidadão, logicamente pode fazer o mesmo com empresas, independente de serem de comunicações, de serviços, comerciais, industriais, financeiras, bancárias e, até mesmo, educacionais.

    O que não se pode tolerar é que, em nome de uma democracia dissimulada, relativa, própria do Brasil, jornais, revistas e televisões queiram se manter incólumes; que estão protegidas pela “democracia”.

    Ora, mas não se trata de censurar a Jovem Pan, mas descobrir quem é o gaiato que dela se aproveita para um desserviço ao povo e país.
    Neste caso não só seria antidemocrático criticar a averiguação, como seria ILEGAL exigir tratamento diferente para a imprensa ou pleitear esta condição sem razão alguma.

    Merval ou foi chamado à atenção, que deveria agora defender Bolsonaro ou está mudando o seu pensamento, diante da possibilidade de ter amigos parlamentares que pertencem ao centrão.

    Se o que digo tiver uma chance de verossimilhança com os fatos, Merval perde a sua credibilidade e se mostra volúvel, interesseiro e distante, mas muito distante da real democracia.

    • Como você mesmo diz: “Anteontem postei um comentário de minha autoria”.

      Isto é um tipo de “jornalismo”; você faz igual a joven Pan; e escreve texto de acordo com sua ideologia. Então você concorda, que o mesma regra pode ser aplicada a você.

      • A tua imbecilidade e idiotice são incorrigíveis!

        Ideologia, quem a pratica neste blog és tu.

        Depois, se postei um comentário, devo dizer se de minha autoria ou de outra pessoa, por uma questão de ética.
        Bom, mas isso não tens ideia do que se trata.

        Se registrar opiniões, na tua limitada e obtusa ótica é “jornalismo”, então o que praticas é detestável, perseguidor, abominável, pois a tua intenção e serviço pelo qual foste contratado é impedir que haja na TI opositores a Bolsonaro.

        Agora, podes estar ganhando milhões nesta teta, conforme gostas de escrever, mas jamais conseguirás que eu, pelo menos, me cale para evitar os teus textos sofríveis e ridículos contra mim.

        • Você sempre acusa os outros daquilo que você faz.
          Você é que sempre está com ódio. O que você xingou, não tem nada há ver com que eu escrevi. (Você desconversou e xingou, como sempre).

          Você fez um monte de questionamentos ridículos ao jornalista; e acha isso correto.
          Mas, acha que ninguém pode questionar seus impropérios.

        • “Deveriam ir em cima do funcionário da rádio ”

          Se você lesse o texto, antes de sair xingando como você sempre faz; teria visto que o jornalista é do seu time; ele defende perseguição a quem é contra a teta esquerdista.

        • O jornalista quis “cassar” apenas o jornalista que ousa desmentir os esquerdistas; e manter a teta jornalística.
          Você já quer logo acabar com tudo, desde que acabe com a opinião contraria.
          “O maior inimigo do esquerdismo não é o capitalismo; o maior inimigo do esquerdismo é a verdade.
          Por isso que você quer censurar quem fala a verdade; não tem como você argumentar contra a verdade.

          PS: Agora eu vou dormir; amanha eu vou trabalhar o dia inteiro, até as 20:00; e após isso eu venho fazer alguns desmentidos de novo.
          Peça para o ‘Deus” da censura te proteger; porque argumentos não vão te ajudar.

  2. Todos sabem
    A Jovem Klan faz parte da rede da extrema direita.
    Atuou para esquentar e dar credibilidade ao discurso bolsonarista.
    Só fake news.

  3. Nas raras vezes que vejo Jornal da Record assim que anunciado Augusto Nunes logo tiro do canal. Faço questão de não dar audiência a esse deplorável sujeito. Tão deplorável que sai na mão com outro durante transmissão.

  4. Independente de simpatia, fico estarrecido ao me deparar com pessoas, quase que aplaudindo o que está a acontecer.

    O pilantra mor, Renan Calhorda, chegou ao desplante de pedir a quebra do sigilo, a partir de 2018.
    Quem apoia tal prepotência, está brincando com fogo.
    Começa assim. Hoje um, depois outro e assim vai.
    Na minha opinião, acuse o(s) jornalista(s) que eles acham que está(ão) “pisando na bola”, deles é claro, e faça a acusação.
    Se olharmos para outras empresas jornalísticas, veremos que a manipulação dos fatos, são constantes e diárias.

    Logo ….

  5. David, anteriormente estava certo “desplante”, e não conforme “corrigiste”, displante, palavra que não existe.

    Considera a minha observação como amistosa, e não crítica, por favor.

  6. CPI VAI ABRIR A “CAIXA PRETA” DA DITADURA MIDIÁTICA ? Oxalá. Antes tarde do que nunca. Oxalá a CPI abra mesmo a “Caixa Preta” da ditadura midiática, tb, até então uma espécie de vaca sagrada. O fato é que atrás da liberdade de expressão tb existem bandidos, com as malas cheias e as mãos sujas, e por algum lugar precisa começar a procura dos mesmos que se prestam a fazer o serviço sujo em favor da coisa errada, na mídia, com as almas tb vendidas ao diabo, traindo a seriedade do ofício e a dignidade da profissão, e os próprios colegas que fazem das tripas coração para fazer a coisa certa e que não deixam a peteca cair, de modo que os malfeitos e malfeitores, do ramo,achacadores dos erário, tb precisam ser chamados às falas, e já estava mais do que na hora de alguém cutucar o vespeiro, para sabermos quem é quem, inclusive quais são os reais motivos da paixão de alguns veículos e jornalistas por políticos, partidos, e até bandidos, de estimação, que deveriam ser de informação e não de desinformação, alienação e confusão na cabeça da população.

  7. Mais asneira do amestrado. A CPI tem poder de quebrar os sigilos bancario e fiscal, desde que respeitados os principios da fundamentacao e da colegialidade. Como a oposicao possui maioria de 7 a 4 na cpi, pode aprovar as quebras de sigilo respeitando a legalidade e a ordem juridica sem nenhum abuso de autoridade. Mais uma asnice pra colecao do amestrado bigodudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *